Diferenças entre edições de "Babirussa"

58 bytes adicionados ,  14h14min de 10 de abril de 2008
{{sem-fontes}}
m (Bot: Adicionando: cs:Babirusa)
({{sem-fontes}})
{{sem-fontes|data=Abril de 2008}}
{{taxocaixa
| nome = Babirusa
}}
 
O '''babirusa''' (''Babyrousa babyrussa'') é um [[mamífero]] [[suídeo]] de aspecto incomum, típico da [[Indonésia]]. Os [[canino]]s superiores do [[macho]] emergem na vertical dos [[alvéolos]] do [[maxilar]], penetra pela pele do [[nariz]] e então sai em curva para cima e na frente da face; uma característica sem igual em mamíferos. Os caninos da mandíbula do macho também crescem em cima da frente da face. Esta particularidade aparece no macho de adulto (os caninos da fêmea ou estão ausentes ou notadamente reduzidos) este tipo de dente levou as pessoas acharem que ele era parecido com um [[antílope]] por isso o seu nome (i.e. ' babi' = porco e ' rusa' = cervo). A função destes dentes é desconhecida. Eles são bastante frágeis, e então facilmente se quebram, e eles são raramente usados em combate entre machos. Muito das informações disponível na história natural e [[biologia]] desta espécie é derivado do estudo de espécimes cativos de jardins zoológicos.
 
Os caninos da [[mandíbula]] do macho também crescem em cima da frente da [[face]]. Esta particularidade aparece no macho [[adulto]] (os caninos da [[fêmea]] ou estão ausentes ou notadamente reduzidos).
 
Este tipo de dente levou as pessoas acharem que ele era parecido com um [[antílope]] por isso o seu nome (i.e. ''babi'' = porco e ''rusa'' = cervo). A função destes dentes é desconhecida. Eles são bastante frágeis, e facilmente se quebram, mas são raramente usados em [[combate]] entre machos. Muito das informações disponível na história natural e [[biologia]] desta espécie é derivado do estudo de espécimes cativos de jardins zoológicos.
 
O babirusa é o representante vivo exclusivo do subfamília '''Babyrousinae'''. Acreditam os estudiosos que o Babyrousa se desenvolveu desde os de [[Oligoceno]] (25 milhões de anos atrás) ao longo de uma linha evolutiva separada.
59 751

edições