Diferenças entre edições de "Mouraria"

2 021 bytes adicionados ,  11h57min de 27 de abril de 2008
sem resumo de edição
m (Revertidas a edição de 85.241.137.237 (bl))
{{minidesambig|a mouraria no conselho de [[Moura]]|Mouraria de Moura}}
[[Imagem:Beco dos Três Engenhos, Mouraria.jpg|thumb|right|150px|Beco dos Três Engenhos, junto à [[Rua do Capelão]], Mouraria.]]
A '''Mouraria''' é um [[bairro]] da [[cidade]] de [[Lisboa]], [[Portugal]], que deve o seu nome ao facto de [[Afonso I de Portugal|D. Afonso Henriques]], após a [[Cerco de Lisboa (1147)|conquista de Lisboa]], ter confinado uma zona da cidade para os [[muçulmanos]]. Foi neste bairro que permaneceram os mouros após a [[Reconquista|Reconquista Cristã]]., Aassim dolênciacomo eos ajudeus, melancoliaque dostambém seusforam cânticosconfinados podemaos estar na origembairros do [[FadoCastelo de São Jorge|Castelo]].
 
Neste e nos bairros circundantes, tiveram origem as primeiras produções de [[arte mudéjar]] portuguesa, que viriam a dar alas para o surgimento do [[Manuelino]].
{{mínimo}}
[[Imagem:Mariza's House.jpg|thumb|left|150px|Casa onde cresceu [[Mariza]], Mouraria.]]
A dolência e a melancolia dos seus cânticos estão na origem do [[Fado]]. Durante o [[século XIX]], proliferou nas tabernas do bairro a [[prostituição]] e a [[violência]], o que tornou o local quase impenetrável. Filha de uma prostituta, nasceu na [[Rua do Capelão]], junto ao Beco dos Três Lagares, [[Maria Severa Onofriana]], primeira [[fado|fadista]] feminina e expressão máxima do fado à época.
 
Na casa em frente, nasceu já no [[século XX]], aquele que foi considerado o "rei do [[fado da Mouraria]]", [[Fernando Maurício]]. A Rua do Capelão faz hoje parte da iconografia do [[Fado]]. Mais acima, numa casa cor-de-rosa da Travessa dos Lagares, cresceu [[Mariza]], a mais internacional fadista portuguesa. Junto à casa, agora fechado ao público, localizava-se o restaurante Zalala, onde Mariza aprendeu a cantar [[fado]].
 
Depois da abertura ao público do [[Centro Comercial da Mouraria]] no [[Martim Moniz]]<ref>[http://www.fcsh.unl.pt/cadeiras/plataforma/foralinha/atelier/b/www/view.asp?edicao=07&artigo=369 Negócios do Martim Moniz]</ref>, o consumo de [[droga]]s propagou-se pelo bairro, que hoje é palco de um abandono geral da população, que deu lugar ao tráfico de estupefacientes e à ruína dos [[edifício]]s<ref>[http://dn.sapo.pt/2008/04/09/cidades/derrocadas_e_chuvas_torrenciais_prov.html Derrocadas e chuvas torrenciais na Mouraria]</ref>, assim como o estabelecimento de emigrantes dos vários [[continente]]s<ref>[http://dn.sapo.pt/2008/04/09/cidades/tres_continentes_cada_da_mouraria.html Três continentes em cada rua da Mouraria]</ref>.
 
{{ref-section}}
 
[[Categoria:Bairros de Lisboa|Mouraria]]
6 799

edições