Diferenças entre edições de "Wikipédia:Esplanada/geral"

1 750 bytes adicionados ,  00h01min de 27 de junho de 2008
→‎Comentários: resposta ao João Sousa sobre regras e sobre democracia
(→‎Comentários: resposta ao João Sousa sobre regras e sobre democracia)
 
:::{{citação|Ozalid|Já concordo com o Observatore numa outra questão. É que uma votação é para aprovar uma proposta tal como será implementada. Não é legítimo alterar uma política acabada de aprovar ou aprovada recentemente em votação (sob pena de andarmos a discutir e a votar tudo todos os dias).}} ver [[Wikipedia_Discussão:Votações/Nova_política_de_bloqueio#.27Bota.27_precipita.C3.A7.C3.A3o_nisso...|aqui]]. Afinal em que é ficamos? [[Usuário:João Sousa|João Sousa]] <sup>[[Usuário Discussão:João Sousa|D]]</sup><sup>[[Especial:Contributions/João_Sousa|C]]</sup> 23h18min de 26 de Junho de 2008 (UTC)
 
:::: Finalmente, João Sousa, um ataque aos meus argumentos e não a mim!
 
:::: Ficamos em três coisas. A primeira é que não é legítimo alterar uma votação acabada de aprovar, mas, para isso, é preciso que tenha havido uma votação. O que houve ali não foi uma votação, foi uma manipulação das mais básicas regras democráticas, incluindo exclusão de propostas adversárias. A votação foi nula e, portanto, pode e deve ser repetida, alterada (o que quiser). Era precisamente para evitar estas embrulhadas em que agora estamos metidos que aquela votação não deveria ter sido feita como foi. Este novo mecanismo de suspensão de administradores nunca teria sido aprovado se tivesse tido uma votação e discussão autónoma. As asneiras deste sistema teriam sido postas a descoberto.
 
:::: A segunda coisa é que mesmo quem considera a votação válida votou por baixo de umas letrinhas que diziam que a política poderia ser imediatamente alterada após a votação. É muito estranho que se aprove uma política para ser pensada e alterada mais tarde. Mas foi o que se fez.
 
:::: A terceira, João Sousa é que as regras democráticas servem para defender a democracia, não servem para defender votações manipuladas em que se levam os votantes a aprovar coisas que não leram e sobre as quais não reflectiram. Na ditadura em Portugal também havia votações e não era preciso roubar votos para o ditador ganhar sempre. Bastou quase sempre fazer aquilo que se fez aqui: '''negar a informação e o debate sério aos votantes'''. É uma pena que estas coisas não se aprendam nas aulas de História. Cumprimentos, [[Usuário:Ozalid|Ozalid]] ([[Usuário Discussão:Ozalid|discussão]]) 00h01min de 27 de Junho de 2008 (UTC)
 
:: (conflito de edição com João) Ozalid, ainda nessa tese? Não cansou não? Respira um ar novo meu. Esse disco já riscou. A fita já engasgou. A política de bloqueio não permite vingança pois só podem votar aqueles que não tiveram um bloqueio nos últimos 3 meses. E, além do mais, uma suspensão não é desnomeação. O Ozalid está tratando uma mera suspensão temporária que serve para dar '''descanso''' a um administrador surtado como se fosse o fim do mundo e que o administrador tivesse que se matar logo após a suspensão. Meu, tem gente que ficou 3 meses injustamente bloqueado para '''editar'''. O administrador, se suspenso, ficaria apenas 15 dias descansando das ferramentas administrativas e podendo editar da mesma forma. A única coisa que precisa ser melhor definida é quando é que o pedido acaba. Eu imaginava que, como está nos moldes do ''checkuser'', um burocrata daria a palavra final baseado nos argumentos apresentados, podendo rejeitar ou aceitar o pedido de suspensão. Ou pode ser também por um período que, na minha opinião, não pode passar de 48 horas. É só isso que precisa ficar melhor definido na nova política. Não invente moda, não invente problema onde não tem. Descomplique as coisas. ''[[Usuário:FML|Lipe]]''<small> [[Usuário Discussão:FML|<span style="color:green">'''''&lambda;'''''<sub> FML</sub></span>]]</small> 23h19min de 26 de Junho de 2008 (UTC)
5 906

edições