Anacoluto: diferenças entre revisões

34 bytes adicionados ,  21h48min de 21 de julho de 2008
sem resumo de edição
'''{{Figuras de linguagem}}
'''Anacoluto''', ou '''frase quebrada''', é uma figura de linguagem que, segundo a [[retórica]] clássica, consiste numa irregularidade [[gramática|gramatical]] na estrutura de uma frase, como se começássemos uma frase e houvesse uma mudança de rumo no pensamento - por exemplo, através do desrespeito das regras de concordância verbal ou da sintaxe. Muito frequente na oralidade, onde poderá ser apenas considerado com um erro de construção frásica, num texto escrito dá a sensação de espontaneidade. Na frase de [[Almeida Garrett]], "Eu, também me parece que as leio, mas vou sempre dizendo que não", o termo "eu" é posto em destaque, desligado dos outros elementos sintáticos - no resto da frase, através de uma elipse (o "eu" passa a estar apenas subentendido). Da mesma forma, em "a minha roupa, levo-a sempre àquela lavandaria", frase típica do discurso oral, o termo "a minha roupa" aparece desligada do resto da frase, onde é substituído por um pronome. Muitos autores actuais, contudo, já não classificam estes exemplos como sendo anacolutos porque consideram que não são resultado de qualquer inconsistência sintática, mas apenas um recurso de ênfase. Segundo estes mesmos autores, existe anacoluto quando se forma uma frase incompleta, com parte do enunciado suspenso. Por exemplo: "Não me digas que..." - frase em que se omite o final, atenuando algo que convém não dizer alto e explicitamente, por diversas razões, permitindo uma infinidade de significados para a frase, ainda que o seu sentido seja facilmente apreendido pelo receptor, se estiver devidamente contextualizado.
 
[[ro:Anacolut]]
[[ru:Анаколуф]]
''''''texto a negrito'''''''''
Utilizador anónimo