Abrir menu principal

Alterações

7 606 bytes removidos, 19h59min de 1 de setembro de 2008
このページは憲兵コントロールされています。
[[Imagem:Kenpei.JPG|center|800px|'''このページは憲兵コントロールされています。''']]
<h2><i>Ubi solitudinem faciunt, pacem appellant.</i><br>
<br><b>[[Públio Cornélio Tácito|Tácito]]</b></h2>
{{col-begin}}
{{col-2}}
{{Wikipedia:Userbox/Brasileiro}}<br>
{{Wikipedia:Userbox/FairuseNao}}<br>
{{col-2}}
{{User pt}}
{{col-end}}
<BR>
 
==''That's all...''==
'''1. O Google reúne todo o conhecimento humano?'''
 
O Google tornou-se tão essencial e onipresente neste início de século XXI, que foi criada uma disciplina "Google" na Universidade de Washington, [[Estados Unidos]]. Em Junho de [[2004]], a revista "[[Superinteressante]]" publicou uma extensa matéria sobre o buscador, onde o professor da citada disciplina, Joe Janes, comenta os exageros de avaliação quanto à infalibilidade do serviço:
:''"Os buscadores se tornaram tão presentes na vida das pessoas que existe o perigo de elas acreditarem que, se uma coisa não aparece no Google, ela não existe", diz Joe Janes. Só que a maior parte dos documentos, online ou não, está fora do alcance das ferramentas de pesquisa. Acredita-se que as páginas listadas no Google correspondam a menos de 1% da internet. A defasagem acontece porque os buscadores dependem de pequenos softwares que rastreiam a internet pulando de link em link. No entanto, existem bilhões de catálogos de lojas, informações sobre vôos, arquivos, relatórios governamentais e bancos de dados que só podem ser acessados quando um humano requisita a informação ou preenche um formulário, o que os torna invisíveis às ferramentas de busca. "Se a pessoa não souber acessar esses recursos, a qualidade da pesquisa pode ficar bastante comprometida", afirma Janes.''<ref>KENSKI, Rafael. (2004) ''O Mundo Google''. Revista [[Superinteressante]]. Junho de 2004. Pg. 57-8. ISSN 0104-1789</ref>
 
'''2. Por que devem ser informadas referências?'''
 
Embora seja cada vez mais citada como fonte de referência na mídia tradicional (jornais e programas radiofônicos, quase sempre), ainda assim, volta e meia a Wikipédia, um dos dez [[website|sítios]] mais visitados no mundo, recebe acusações concernentes à falta de [[confiabilidade]] de seu conteúdo<ref>&mdash;"Criador do Wikipédia diz que site não é confiável". '''O Sul''', [[13 de abril]] de [[2007]]. ''Caderno R'', p.6.</ref>. Editores conscientes dessa realidade devem estar dispostos a apresentar [[Wikipedia:Fonte fiável|fontes de referência]] para seus artigos, mesmo que (em casos de tradução), o artigo original não as apresente.
 
Naturalmente, em tempos de [[internet]] não se espera que todas as fontes citadas estejam necessariamente em livros impressos. As {ligações externas} são muito úteis neste caso, para que o leitor cheque em primeira mão se o conteúdo apresentado no verbete possui alguma credibilidade. Mas a correta citação [[bibliografia|bibliográfica]] de livros em papel também é de extrema relevância, pois indica que o editor deu-se ao trabalho de fazer uma pesquisa numa [[biblioteca]] (ou, pelo menos, nos livros e enciclopédias que eventualmente possua em casa).
 
Artigos {mínimo}s ou {esboço}s poderiam ser poupados desta exigência, mas qualquer coisa maior do que um parágrafo teria de apresentar suas fontes. Cumprir o mais fielmente possível a [[Wikipedia:Verificabilidade|Política de Verificabilidade]] no que tange à apresentação de referências, deveria ser o objetivo de todo editor realmente preocupado com a confiabilidade da Wikipedia.
 
'''3. A liberdade de expressão deve ser exercida de modo irrestrito?'''
 
A [[liberdade de expressão]] é um bem precioso das [[democracia]]s. Sob o amparo da [[Constituição dos Estados Unidos da América|Primeira Emenda]], provavelmente não deve haver país que mais preze esse valor do que os [[Estados Unidos da América]]. Todavia, a imensa maioria de todos os outros países do mundo lançam mão de algum tipo de restrição à liberdade de expressão, baseando-se na [[premissa]] de que permitir que todos expressem livremente seus [[ódio]]s e [[preconceito]]s, resultaria não apenas na apologia da violência, mas no fim do convívio social. O caso do [[nazismo]] é exemplar, e não é por outro motivo que ele é proibido na maioria dos países do [[Ocidente]] ([[Brasil]] inclusive<ref>[http://www.planalto.gov.br/ccivil/LEIS/L7716.htm#art21 Lei 7716] de [[5 de janeiro]] de [[1989]]</ref>). Sabedores disto, aqueles que pretendem fazer [[apologia]] das idéias de [[Hitler]] e dos escritores [[racialismo|racialistas]] nos quais ele se baseou, lançam mão da defesa do [[Revisionismo do Holocausto|revisionismo]] (uma forma "delicada" de [[negação do Holocausto|negar o Holocausto]]) e denunciam uma suposta ''[[censura]]'' arbitrária (quando não sujeita a interesses escusos) à sua livre manifestação. <u>Citar pontos de vista [[controvérsia|controversos]] é perfeitamente válido e democrático</u>. O mesmo não pode ser dito em relação ao revisionismo puro e simples, tentativa grotesca de mascarar a realidade presente e reescrever o passado sob a ótica distorcida de [[regime político|regimes]] [[totalitarismo|totalitários]], varridos para a lata de lixo da [[História]].
 
Um último adendo sobre esse tema: a Wikipédia é hoje reconhecida como fonte para pesquisas escolares. Assim sendo, talvez fosse o tempo de ser aplicado aqui o mesmo rigor que os [[Alemanha|alemães]] reservam a quem escreve inverdades sobre o nazismo ou mesmo quem procura suavizar a imagem do [[Terceiro Reich]]. Como declarou Henning Surr, assessor político da [[Fundação Konrad Adenauer]], em recente matéria da [[revista Época]] sobre educação, "se algum professor disser que o nazismo não foi tão ruim, é imediatamente exonerado".<ref>MANSUR, Alexandre; VICÁRIA, Luciana e LEAL, Renata. ([[2007]]). ''O que estão ensinando às nossas crianças?''. "[[Revista Época]]". [[22 de outubro]] de [[2007]]. p. 69</ref> Que a porta da rua seja então a serventia da casa para essa espécie sub-reptícia de mentiroso.
 
'''4. Em quais circunstâncias o uso de [[sockpuppet]]s deveria ser autorizado?'''
 
A Wikipédia lista [[Wikipedia:Motivos para a utilização de sock puppets|três motivos]] que viabilizam o uso limitado de [[sockpuppet]]s (contas de usuários que se fazem passar por outra pessoa). Na minha humilde opinião, bons motivos nesse caso não existem. ''Alguém não quer ver seu nome associado a um artigo?'' Ora, basta não editar esse artigo. Ou então, editar como um anônimo, o que seria bem mais racional. ''Um burocrata/administrador que deseja saber como a comunidade trata novos usuários?'' Ora, novos usuários são sempre bem tratados - exceto aqueles que entram com o objetivo de vandalizar, ofender, escrever verbetes de auto-elogio e criar polêmicas. Esse é um argumento extremamente frágil. Finalmente, a desculpa de que o ''sock'' é válido pelo fato de outrem ''conhecer o nick usado na Wikipédia''. E daí? Edita-se anonimamente então ou pede-se a troca do nome (o que pode ser facilmente conseguido).
 
Ao abrir essa porta (não se trata de uma brecha), a administração da Wikipédia implicitamente deixa uma ampla margem para a ação de manipuladores de votações e detratores da imagem alheia. E depois têm de arcar com o ônus de detectar e reprimir quem abusa desse instrumento. Essa responsabilidade não pode ser repassada aos editores comuns, como alguns administradores (cujo nome indica a atividade a qual deveriam estar se dedicando - ''administrar'') parecem querer fazer.
 
==Referências==
<small>
<references/>
</small>
<!--298 artigos em 09/12/2006-->
 
[[ca:Usuari:Al Lemos]]
[[en:User:Al Lemos]]
[[es:Usuario:Al Lemos]]
[[fr:Utilisateur:Al Lemos]]
[[gl:Usuario:Al Lemos]]
[[simple:User:Al Lemos]]
27 146

edições