Diferenças entre edições de "Ladino"

3 223 bytes removidos ,  00h25min de 14 de janeiro de 2006
m
{{vda2|http://www.chabad.org.br/interativo/FAQ/Ladino.html|12 de fevereiro}}
m ({{vda2|http://www.chabad.org.br/interativo/FAQ/Ladino.html|12 de fevereiro}})
{{vda2|http://www.chabad.org.br/interativo/FAQ/Ladino.html|12 de fevereiro}}
O '''Ladino''' é uma língua parecida ao [[espanhol]] falada pelas comunidades [[sefardita]]s na [[Espanha]], nos [[Balcãs]], Oriente Próximo e norte de [[Marrocos]]; também é conhecida como espanhol sefardita e judeoespanhol.
 
Ladino é uma língua parecida ao espanhol falada pelas comunidades sefarditas na Espanha, nos Balcãs, Oriente Próximo e norte de Marrocos; também é conhecida como espanhol sefardita e judeu espanhol.
 
O dialeto ladino é a língua hispânica oral e escrita dos judeus de origem espanhola. O ladino tornou-se uma língua caracteristicamente judaica apenas depois da expulsão dos judeus das Espanha em 1942 – até então era apenas a língua da província onde moravam.
 
Quando os judeus foram expulsos da Espanha e Portugal, perdeu-se o contato com o desenvolvimento posterior daquela língua, mas continuaram a usá-la nas comunidades e países para os quais emigraram. O ladino, portanto, reflete a gramática e o vocabulário do espanhol nos séculos XIV e XV. Quanto mais distantes da Espanha os judeus se instalavam, mais alienados às mudanças da língua eles ficavam, e mais diferentes do espanhol.
 
Em Amsterdã (Holanda), na Inglaterra e na Itália, o judeus que continuavam falando o Ladino estavam em constante contato com a Espanha, e portanto, falavam praticamente o espanhol da época. Porém, nas comunidades sefaraditas do Império Otomano, a língua não somente preservou as formas antigas do espanhol, como "pegou emprestado" várias palavras do Hebraico, Árabe, Grego, Turco, e até mesmo Francês, tornando-se mais e mais distante de sua forma original. O vocabulário Ladino inclui centenas de palavras em espanhol arcaico, e também inclui muitas palavras de diferentes línguas que substituíram as palavras originais em espanhol, dos diferentes países onde os judeus se instalaram.
 
Alguns termos foram transferidos de uma comunidade para outra através dos relacionamentos econômicos e culturais, enquanto outros se tornaram peculiares a comunidades específicas. No Ladino falado em Israel, há até mesmo palavras emprestadas do Ídiche.
 
O Ladino era escrito com o alfabeto hebraico, em letras do Rashi ou ainda num sistema de letras denominado Solitro. Foi apenas no século XX que foi escrito no alfabeto latino.
Em várias épocas, o Ladino foi falado no norte da África, Egito, Grécia, Turquia, Iugoslávia, Bulgária, Romênia, França, Israel e, em escala menor, nos Estados Unidos (as maiores populações sendo em Seattle, Los Angeles, Nova Iorque e sul da Flórida) e América Latina. No começo deste século, com o alastramento do ensino obrigatório da língua local, o Ladino começou a desintegrar-se. A emigração para Israel proveniente dos Bálcãs agilizou o declínio do Ladino na Europa Oriental e Turquia.
 
Os nazistas, que seu nome seja apagado, destruíram a maioria das comunidades européias onde o Ladino representava a primeira língua entre os judeus. Os sobreviventes do Holocausto que falavam Ladino e emigraram para a América Latina costumavam captar o espanhol comum muito rapidamente, enquanto outros adotaram a língua do país para onde foram.
 
Israel é hoje o país onde há mais pessoas que falam Ladino, com aproximadamente 2000.000 pessoas que ainda falam ou entendem a língua.
45 504

edições