Abrir menu principal

Alterações

2 bytes adicionados, 12h16min de 24 de setembro de 2008
m
clean up, Replaced: [[Image: → [[Imagem: (2)
[[ImageImagem:princepotemkin.jpg|220px|thumb|right|Sua Alteza Serena Príncipe Potemkin de Tauride]]
 
Príncipe '''Grigori Alexandrovich Potyomkin (Potemkin)''' ([[Língua russa|russo]]: Григо́рий Алекса́ндрович Потёмкин) ([[Chizhovo]] próximo a [[Smolensk]], 13 de setembro/[[24 de setembro]] de [[1739]] (ainda em outras fontes: 16/27 de setembro) — [[Jassy]], 5 de outubro/[[16 de outubro]] de [[1791]]) foi um marechal-de-campo [[Rússia|russo]], [[estadista]] e o favorito de [[Catarina, a Grande|Catarina II a Grande]]. Ele é principalmente lembrado por seus esforços em colonizar as escassamente povoadas estepes selvagens do Sul da [[Ucrânia]], que passou para a Rússia pelo [[Tratado de Kuchuk-Kainarji]] ([[1774]]). Dentre as cidades fundadas por Potemkin estão: [[Kherson]], Nikolaev ([[Mykolayiv]]), [[Sebastopol]], e Yekaterinoslav (hoje [[Dnipropetrovsk]]).
 
==Governo da Criméia==
[[ImageImagem:Ukraine Cherson 2St.-Ekater.jpg|235px|thumb|Catarina II sepultou Potemkin na Catedral de [[Kherson]], a cidade que ele fundou.]]
 
Potemkin alcançou sucesso apreciável nas províncias sulistas recentemente ganhas pela Rússia, nas quais ele era o governante absoluto. Ele apoiou o fluxo de colonos [[Rússia|russos]] e estrangeiros, fundou algumas novas cidades e criou a [[Frota do Mar Negro]]. Em [[1783]] ele executou o projeto de anexar a [[Criméia]] à Rússia, pelo qual recebeu o título de ''Sua Alteza Serena Knyaz Tavrichesky'' (Светлейший князь Таврический), ou príncipe de Tauride, um antigo nome para a Criméia. Quatro anos depois ele organizou a viagem cerimonial amplamente anunciada de Catarina com seu séquito para as províncias sulistas. O propósito da viagem era a intimidação dos inimigos da Rússia, e conduziu a uma guerra para a qual o país se mostrou mal preparado ([[Guerra russo-turca, 1787-1792]]). Como comandante, Potemkin foi guiado por uma estratégia de cautela que era militarmente justificada mas não lhe trouxe popularidade.
217 100

edições