Diferenças entre edições de "Reinaldo Azevedo"

35 bytes removidos ,  15h08min de 12 de janeiro de 2009
m
Retirada da expressão "é preciso ter-se em conta que", denecessária e mais apropriada para coluna de opinião
(Desfeita a edição 13803852 de Fulcanelli (discussão | contribs) não alterar texto de acordo com o AO)
m (Retirada da expressão "é preciso ter-se em conta que", denecessária e mais apropriada para coluna de opinião)
'''Reinaldo Azevedo''' ([[Dois Córregos]], [[19 de agosto]] de [[1961]]) é um [[jornalismo|jornalista]] [[brasil]]eiro. Foi redator-chefe das revistas ''[[Primeira Leitura]]''<ref name=ENTREVISTA>[http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=299FDS001 MAGALHÃES, Luiz Antonio. ''Jornalistas no timão do Primeira Leitura.'' Entrevista com Reinaldo Azevedo. São Paulo, Feitos & Desfeitas, Observatório da Imprensa, 19 de outubro de 2004]</ref> e ''[[Bravo! (revista)|Bravo!]]'', editor-adjunto de política da ''[[Folha de S. Paulo]]'', coordenador de política da sucursal de [[Brasília]] do mesmo jornal e redator-chefe do jornal ''[[Diário do Grande ABC]]'', de [[Santo André]], entre 1991 e 1993. Hoje, é articulista da revista ''[[Veja]]'' e mantém um blog hospedado no site da revista.
 
Azevedo freqüentou alguns cursos de [[Letras]] na [[Universidade de São Paulo]] (USP) e formou-se em [[Jornalismo]] pela [[Universidade Metodista de São Paulo]]. Reinaldo foi [[Trotsky|trotskista]] nos tempos da ditadura militar no Brasil. Participou da militância esquerdista na clandestinidade. “Eu tinha 14 anos, em 1975, e era dono de uma certa inquietude política. Não havia nada de propriamente ideológico. Era inconformismo”. Adulto, tornou-se um crítico feroz do [[comunismo]] e de quaisquer idéias [[Socialismo|socialistas]]. Defende posições que causam controvérsia: ''“Crescer é ter direito a preconceitos. Não gosto de aviões, comida japonesa, comunistas, jazz, solo de saxofone, presidentes semianalfabetos, especialistas em vinhos, pão com gergelim e gente que faz passeata pela paz"''. Tampouco simpatiza com [[Luiz Inácio Lula da Silva|Lula]] e seus partidários; é autor de uma frase sobre o assunto que foi muito reproduzida: ''“Tudo o que é bom para o PT é ruim para o Brasil"''<ref name=PETRALHA>AZEVEDO, Reinaldo. ''[[O país dos petralhas]]'' São Paulo: Editora Record, 2008.</ref>. Embora faça críticas ao governo [[Lula]], por muitos consideradas "extremistas", é preciso ter-se em conta que já na ''[[Primeira Leitura]]'' Azevedo sempre teveadotava uma postura muito crítica em relação a governos, à época em relação ao [[governo FHC]], fato que, muitas vezes, seus críticos esquecem. "O combate mais duro a um texto de um acadêmico que previa o fim do mundo se [[Lula]] fosse eleito se deu no site ''[[Primeira Leitura]]''"<ref name=ENTREVISTA>[http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=299FDS001 MAGALHÃES, Luiz Antonio. ''Jornalistas no timão do Primeira Leitura.'' Entrevista com Reinaldo Azevedo. São Paulo, Feitos & Desfeitas, Observatório da Imprensa, 19 de outubro de 2004].</ref>.
 
[[Catolicismo|Católico]] praticante, é admirador do [[papa Bento XVI]] e opositor da [[teologia da libertação]], que apelida de “escatologia da libertação”. Reinaldo Azevedo posiciona-se, em seus textos, contra o aborto e as pesquisas com [[Célula-tronco|células embrionárias]], assim como contra qualquer tipo de imprensa estatal, apoiando a mais completa liberdade de expressão. É a favor da [[Lei de anistia]] do Brasil, mas contra as indenizações concedidas a presos políticos. É contra a descriminalização das drogas, e apoiou a invasão do [[Iraque]] e a candidatura de [[John McCain|McCain]]. Também expressou sua descrença com as teorias do [[aquecimento global]]. Reinaldo considera a [[Universidade de São Paulo]] "uma universidade relevante na área técnica e de pesquisa aplicada e um solene entulho na área de ciências humanas(…)".<ref name=3TOLOS>[http://www.cappf.org.br/tiki-index.php?page=Reinaldo+Azevedo+24%2F06%2F2007 AZEVEDO, Reinaldo. ''Os três tolos.'' São Paulo: Centro Acadêmcio Paulo Freire,24 de junho de 2007]</ref>
294

edições