Diferenças entre edições de "Lista de anfíbios de Portugal"

3 bytes removidos ,  19h36min de 6 de fevereiro de 2009
sem resumo de edição
m (Bot: corrigido parâmetro em {{citar periódico}})
A '''Lista de [[anfíbio]]s de Portugal''' inclui todas as espécies de [[rã]]s, [[sapo]]s, [[salamandra]]s e [[tritão|tritões]] existentes em Portugal. A lista inclui 20 espécies e está organizada por [[Ordem (biologia)|ordem]] e [[família (biologia)|família]]. A [[Península Ibérica]] é uma zona de elevado número de [[endemismo|espécies endémicas]], incluindo várias espécies de anfíbios. Isto deve-se a que, durante a última [[glaciação]], várias espécies se refugiram nas penínsulas do sul da Europa<ref>{{citar jornal |ultimo=Hewitt |primeiro=G. |autorlink= |coautores= |ano=2000 |mes= |titulo=The genetic legacy of the Quaternary ice ages. |jornal=Nature |volume= 405|numero= |paginas=907-913 |id= |url= |acessadoem=[[1 de Agosto]] de [[2008]]}}</ref>. São endémicas da Península Ibérica as seguintes espécies: ''Chioglossaa lusitanica''[[Salamandra-lusitânica]], ''Trituruso boscai''[[tritão-ibérico]], ''Alyteso cysternasii''[[sapo-parteiro-ibérico]], ''Discoglossusa galganoi''[[rã-de-focinho-pontiagudo]] e ''Ranaa iberica''[[rã-ibérica]].
 
A nível de situação conservacionista, os anfíbios estão menos ameaçados que os [[Anexo:Lista de répteis de Portugal|répteis]], em Portugal<ref>Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal, Vol. I - Mamíferos, Aves, Répteis e Anfíbios; Lisboa; 1990; SNPRCN</ref>. No entanto, as populações de anfíbios em todo o mundo estão a sofrer um [[Declínio das populações de anfíbios|acentuado declínio]] devido principalmente à perda de habitat, [[Declínio_das_populações_de_anfíbios#Doenças|doenças]], e [[Aquecimento global|mudanças climáticas]]<ref>{{citar web|título=Mamíferos e anfíbios estão a atravessar “crise de extinção” in Público online|url=http://ecosfera.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1345046}}</ref><ref>{{citar web|título=Amphibian Specialist group|url=http://www.amphibians.org/}}</ref>. Em Portugal, foi detectado no [[Serra do Gerês|Gerês]] que várias espécies de tritões e rãs estavam infectadas com uma espécie desconhecida de vírus<ref>{{citar periódico|autor=Soares, C.|coautores=Alves de Matos, A., Arntzen, J.W., Carretero, M. and Loureiro, A.|ano= 2003|titulo=Amphibian mortality in a national park in the north of Portugal|jornal=FrogLog|páginas=56}}</ref>