Abrir menu principal

Alterações

68 bytes adicionados ,  22h01min de 23 de abril de 2009
sem resumo de edição
'''Lucio Célio Firmiano Lactâncio''' foi um autor cristão (240 d.c - 320 d.c).
{{Reciclagem|data=Fevereiro de 2008}}
 
Lactâncio nasceu na África do Norte e foi discípulo de Arnóbio(de acordo com Metódio, ''Da Castidade 9.2'')e ensinou retórica em várias cidades do [[Império Romano do Oriente]], até chegar em [[Constantinopla]].
== Lactâncio ==
 
'''Lucio Célio Firmiano Lactâncio''' foi um autor cristão (240 d.c - 320 d.c).
 
Ele escreveu livros apologéticos explicando o cristianismo em termos que eram compreensíveis para pagãos intelectualizados, enquanto defendia-o contra idéias de filósofos pagãos.O seu ''Divinae instituitiones'' "Instituições Divinas" é um exemplo de apresentação sistemática do pensamento cristão. Ele foi considerado, de certo ponto, herético, depois de sua morte, mas, os humanistas da renascença[[Renascença]] reabilitaram o interesse em Lactâncio, mais pelo seu estilo latino de retórica,extremamente elaborado do que por sua teologia.
Lactâncio nasceu na África do norte e foi discípulo de Arnóbio(de
acordo com Metódio, Da Castidade 9.2)e ensinou retórica em várias
cidades do Império Romano do Oriente, até chegar em Constantinopla.
Ele escreveu livros apologéticos explicando o cristianismo em termos que eram compreensíveis para pagãos intelectualizados, enquanto defendia-o contra idéias de filósofos pagãos.O seu ''Divinae instituitiones'' "Instituições Divinas" é um exemplo de apresentação sistemática do pensamento cristão. Ele foi considerado, de certo ponto,herético,depois de sua morte, mas, os humanistas da renascença reabilitaram o interesse em Lactâncio, mais pelo seu estilo latino de retórica,extremamente elaborado do que por sua teologia.
 
Lactâncio nasceu [[pagão]] e nos seus primeiros anos de vida ensinou retórica na sua terra natal, que provavelmente se trata de Cirta,na [[Numídia]], onde uma inscrição menciona um certo
''L CAECILIUS FIRMIANUS''.
 
Lactâncio teve uma bem sucedida carreira pública, de início. A pedido do [[Imperador]] [[Diocleciano]], ele se tornou professor oficial de [[retórica]] em [[Nicomédia]], para onde ele viajou da África, viagem que foi por ele descrita no seu poema ''Hodoeporium''. Tendo se convertido ao cristianismo, ele teria sido demitido de suas funções depois da publicação do primeiro édito de Diocleciano contra os cristãos (24 de fevereiro de 303) e como retórico de Latim, ele viveu na pobreza,de acordo com [[Jerônimo]], ganhando a vida através da escrita, até que [[Constantino]] se torna seu protetor. O novo Imperador nomeia Lactâncio mestre (311-313) e essa amizade com Constantino, além de tirá-lo da pobreza,torna-o preceptor de Latim do filho de Constantino, [[Crispo]], a quem Lactâncio provavelmente seguiu para Trier em 317, quando Crispo se torna [[César]]. Crispo morre em 326. Segundo se sabe, Lactâncio morreu em Tréveris, quando acompanhava Crispo em uma de suas viagens.< <ref>references<<ref name="">/ref></ref>/[http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/Lactanci.html Biografia]</ref>
 
==Obras==
Os principios apologéticos sublinhando todos os escritos de Lactâncio são bem apresentados nesse tratado.
 
''Divinarum Institutionum Libri VII'',("Instituições Divinas")escrito entre 303 e 311 é a mais importante das obras de Lactâncio. Como tratado apologético, foi escrito com a intenção de mostrar a futilidaade das crenças pagãs e estabelecer a razoabilidade e verdade do cristianismo como resposta aos críticos pagãos. Foi também a primeira tentativa de uma exposição sistemática da teologia cristã em latim, planejada em larga escala, suficiente para silenciar todos os opositores.
teologia cristã em latim, planejada em larga escala, suficiente
para silenciar todos os opositores.
''De Ira Dei'' ("A Ira de Deus"), contra os [[estóicos]] e [[epicuristas]], tratando de divindades antropomórficas.
 
''De Mortibus Persecutorum'', tem características apologéticas, mas, tem sido considerado um escrito sobre história pelos escritores cristãos. A idéia central é descrever as terríveis mortes dos imperadores perseguidores dos cristãos como [[Nero]], [[Domiciano]], [[Décio]], [[Valeriano]], [[Aureliano]] e os contemporâneos de Lactâncio como [[Diocleciano]], Maximia no[[Maximiano]], [[Galério]] e [[Máximo]].
Essa obra é tratada como uma crônica da última e maior das perseguições, apesar da moral para a qual cada história foi construida para contar. Aqui, Lactâncio preserva a história da visão do lábaro por Constantino,(IN HOC SIGNO VINCE)antes dele se converter ao cristianismo.O texto completo é encontrado em somente um manuscrito, que tem o título:
"Lucii Caecilii liber ad Donatum Confessorem de Mortibus Persecutorium."
Aqui, Lactâncio preserva a história da visão do lábaro por Constantino,(IN HOC SIGNO VINCE)antes dele se converter ao cristianismo.O texto completo é encontrado em somente um
manuscrito, que tem o título:
"Lucii Caecilii liber ad Donatum Confessorem
de Mortibus Persecutorium."
 
A [[Enciclopédia Católica]] registra sobre Lactâncio: "As qualidades e deficiências de Lactâncio são mostradas em nenhum outro lugar do que na sua obra. A beleza de estilo, a escolha e adequação da terminologia não conseguem esconder a falta de entendimento dos princípios cristãos pelo autor e a sua quase total ignorância das Escrituras."
 
Vastamente atribuído a Lactâncio, é o poema "A Fênix" (Ave Phoenice) que conta a antiga lenda da [[Fênix]], descrita por [[Plutarco]], da morte e do renascimento do pássaro mítico que ressurge das cinzas para viver novamente 500 anos e voltar depois desse tempo para o mesmo ninho onde nasceu e consumindo-se em meio a chamas, transformar-se em cinzas, lenda na qual os egípcios acreditavam, de acordo com Plutarco.
 
==Referências==
<references/>
[[Categoria:Igreja Antiga]]
[[Categoria:Literatura latina]]