Diferenças entre edições de "Tartufo"

50 bytes adicionados ,  11h35min de 27 de abril de 2009
m
Bot: Adicionando: bs:Tartuffe, hr:Tartuffe; mudanças triviais
m (Bot: Adicionando: bg:Тартюф)
m (Bot: Adicionando: bs:Tartuffe, hr:Tartuffe; mudanças triviais)
{{minidesambig|o fungo subterrâneo|trufa}}
[[ImagemFicheiro:Tartuffe.jpg|thumb|'''Tartufo''', em ilustração do séc. XIX (III ato, cena 3)]]
'''Tartufo''' (em [[língua francesa|francês]] ''Le Tartuffe'') é uma [[comédia]] de [[Molière]], e uma das mais famosas da [[língua francesa]] em todos os tempos. Sua primeira encenação data de [[1664]] e foi quase que imediatamente censurada pelos devotos religiosos que, no texto, foram retratados na personagem-título como hipócritas e dissimulados.
 
Na [[língua portuguesa]], o termo ''tartufo'', como em outro idiomas, passou a ter a acepção de ''pessoa hipócrita'' ou ''falso religioso'', originando ainda uma série de derivados como ''tartufice'', ''tartúfico'' ou ainda o verbo ''tartuficar'' - significando enganar, ludibriar com atos de tartufice.
 
== Sinopse ==
Molière utiliza em seu texto elementos de sofisticada linguagem cômica, abordando com mordacidade as relações humanas que envolvem a religião, o poder e a ascensão social.
 
A peça, apesar de retratar uma situação que antecedeu a ascensão da burguesia, mantém-se atual ao denunciar males eternos e "universais", como a corrupção, a hipocrisia religiosa, a ocupação de cargos de mando e relevo por espertalhões.
 
== Personagens ==
:*'''Madame Pernelle''', mãe de Orgon, enganada por Tartufo.
:*'''Orgon''', senhor da casa, esposo de Elmire, enganada por Tartufo.
'''Cenário''': Paris, 1660, casa de ''Orgon''.
 
== Citação ==
*"''Não há nenhum pecado se pecar em silêncio''" (Tartufo, IV, 5)
 
== Enredo ==
{{spoiler}}
[[ImagemFicheiro:Tartuffe Molière 02.jpg|right|200px]]
Orgon, pessoa muito importante da sociedade [[paris]]iense, havia caído sob a influência de Tartufo, um religioso bastante hipócrita, além de ser extremamente inescrupuloso. Na verdade, os únicos que não se dão conta do verdadeiro caráter do espertalhão são Orgon e sua mãe.
 
Autoritário, o falso amigo expede a ordem para que Orgon seja preso. Mas este, para surpresa de todos, prende o próprio Tartufo: ele era um caloteiro conhecido, tendo já aplicado outros golpes. A doação feita é anulada, e finalmente Orgon permite o casamento de Valère e Mariane.
 
== Reações à obra ==
A obra foi apresentada perante o Rei em maio de 1664, antes de sua estréia e numa versão inacabada, com apenas três atos. Apesar disto, conseguiu indignar os devotos, por seu conteúdo. A '''Companhia do Santo Sacramento''' utilizou de sua influência para conseguir que a obra fosse proibida: viam nela um ataque frontal à religião e aos valores que ela propugnava.
 
Foi mister esperar até fevereiro de 1669 para que Louis XIV autorize a Molière a representar sua peça, que além disso recupera o título original de '''Tartufo'''.
 
== Intenções de Molière ==
[[ImagemFicheiro:Tartuffe Molière 01.jpg|thumb|230px|Tartufo seduz a esposa de Orgon (oculto sob a mesa), numa ilustração de ''' Carl Hoff''']]
 
Ao escrever sua obra, o autor ataca um grupo muito influente: os devotos. Entre estes se contavam homens cuja religiosidade era sincera, mas a maioria era de manipuladores conscientes do poder que poderiam obter com a falsa devoção. Foi a este segundo tipo que Molière atacou.
 
[[bg:Тартюф]]
[[bs:Tartuffe]]
[[cs:Tartuffe]]
[[de:Tartuffe]]
[[fr:Tartuffe ou l'Imposteur]]
[[he:טרטיף]]
[[hr:Tartuffe]]
[[hu:Tartuffe]]
[[id:Tartuffe]]
411 597

edições