Diferenças entre edições de "Radio Days"

2 303 bytes adicionados ,  23h57min de 15 de julho de 2009
+categorias + ampliação + ajustes
(+categorias + ampliação + ajustes)
| título-br = A Era do Rádio
| título-pt = Dias da rádio
| imagem = {{semim}}
| ano = [[1987]]
| duração = 88
| país = {{USA}}
| direção = [[Woody Allen]]
| roteiro = Woody Allen
| Distribuição = [[Orion Pictures]]
| elenco = Woody Allen (voz Off) <BR>[[Seth Green]]<BR>[[Julie Kavner]]<BR>[[Dianne Wiest]]<BR>[[Mia Farrow]]<BR>[[Danny Aiello]]<BR>[[Diane Keaton]]
| cor-pb = cor
| tipo = LF
|código-IMDB = 0093818
}}
As décadas de 30 e 40 foram os momentos áureos do [[rádio]] nos [[Estados Unidos]]. Inspirado por esse período, [[Woody Allen]] escreveu e dirigiu o filme '''Radio Days''' ('''A Era do Rádio''') - 1987, que conta as lembranças de um garoto e sua família judia em [[Nova Iorque]], durante a [[Segunda Guerra Mundial]]. Woody Allen narra alguns episódios fictícios do [[tempo de ouro do rádio]] norte-americano, e também conta histórias, como se fosse o protagonista, [[Seth Green]], relembrando sua infância permeada pelos programas de rádio da época.
 
'''Radio days''' ([[Brasil|br]]: '''A era do rádio''' / [[Portugal|pt]]: '''Dias da rádio''') éum filme [[estadunidense]] de [[1983]], do gênero [[comédia]], [[Roteiro|escrito]] e [[Diretor de cinema|dirigido]] por [[Woody Allen]].
Naquela época, o rádio tinha um papel preponderante como veículo de comunicação de massa. A melhor maneira de se manter informado sobre os acontecimentos de sua cidade e do mundo era através do rádio. O filme mostra como toda a população americana acompanhou apreensivamente a narrativa do ataque à base naval de [[Pearl Harbor]] e o resgate de uma menina que tinha ficado presa no fundo de um poço. Woody Allen também explora bem o rádio como forma de [[lazer]], quando mostra todos os membros da família do pequeno Seth escutando seus artistas e programas de rádio favoritos.
 
As décadas de 30 e 40 foram os momentos áureos do [[rádio (comunicação)|rádio]] nos [[Estados Unidos]]. Inspirado por esse período, [[Woody Allen]] escreveu e dirigiu o filme '''Radio Days''' ('''A Era do Rádio''') - 1987, que conta as lembranças de um garoto e sua família [[Judeu|judia]] em [[Nova Iorque]], durante a [[Segunda Guerra Mundial]]. Woody Allen narra alguns episódios fictícios do [[tempo de ouro do rádio]] norte-americano, e também conta histórias, como se fosse o protagonista, [[Seth Green]], relembrando sua [[infância]] permeada pelos programas de rádio da época.
Outra demonstração da influência do rádio na vida das pessoas, e que realmente aconteceu e acabou sendo aproveitado no filme, foi o programa de [[Orson Welles]], inspirado no livro [[A Guerra dos Mundos]], de [[H.G. Wells]]. Na ocasião, Orson Welles transmitiu um programa especial de [[Dia das Bruxas]], no ano de [[1938]], simulando uma série de relatos sobre invasões alieníginas à Terra. O programa causou tanta repercussão que a bolsa de Nova Iorque caiu e alguns americanos, assustados com a notícia, cometeram suicídio.
 
Naquela época, o rádio tinha um papel preponderante como veículo de comunicação de massa. A melhor maneira de se manter informado sobre os acontecimentos de sua cidade e do mundo era através do rádio. O filme mostra como toda a população norte-americana acompanhou apreensivamente a narrativa do ataque à base naval de [[Pearl Harbor]] e o resgate de uma menina que tinha ficado presa no fundo de um poço. Woody Allen também explora bem o rádio como forma de [[lazer]], quando mostra todos os membros da família do pequeno Seth escutando seus artistas e programas de rádio favoritos.
A força do rádio também é apresentada através da personagem [[Sally White]], interpretada por [[Mia Farrow]], que busca incessantemente trabalhar em um programa de rádio. Ela só consegue sua chance quando melhora sua dicção, porque como o meio rádio se utiliza apenas do som, nunca foi importante a aparência da pessoa. Isto fica evidente com o personagem que vive O Vingador no rádio. No programa, ele é o arquétipo de um [[super-herói]], no entanto, na vida real ele é baixo, pouco atraente e careca.
 
Outra demonstração da influência do rádio na vida das pessoas, e que realmente aconteceu e acabou sendo aproveitado no filme, foi o programa de [[Orson Welles]], inspirado no livro ''[[A Guerra dos Mundos]]'', de [[H.G. Wells]]. Na ocasião, Orson Welles transmitiu um programa especial dedo [[Dia das Bruxas]], no ano de [[1938]], simulando uma série de relatos sobre invasões alieníginas à Terra. O programa causou tanta repercussão que a [[bolsa de Nova Iorque]] caiu, e alguns norte-americanos, assustados com a notícia, cometeram [[suicídio]].
 
A força do rádio também é apresentada através da personagem [[Sally White]], interpretada por [[Mia Farrow]], que busca incessantemente trabalhar em um programa de rádio. Ela só consegue sua chance quando melhora sua dicção, porque como o meio rádio se utiliza apenas do som, nunca foi importante a aparência da pessoa. Isto fica evidente com o personagem que vive O Vingador no rádio. No programa, ele é o [[arquétipo]] de um [[super-herói]], no entanto, na vida real ele é baixo, pouco atraente e careca.
 
O filme é interessante por relatar de forma bem humorada e nostálgica a era de maior impacto do rádio, já que na década seguinte ele perdeu espaço com a chegada da [[televisão]]. No entanto, mesmo com a sua decadência, podemos dizer, ao assistirmos o filme, que seu apelo foi mais profundo que o da televisão. Por se apoiar apenas no som, ele é naturalmente um veículo que exige mais atenção. Desta forma, naquela época, ele estimulava [[criatividade|criativamente]] os ouvintes, pois cada um construía em sua cabeça aquilo que estava sendo transmitido. As histórias, portanto, ficavam no plano do imaginário, e é isso o que consiste o glamour dos programas radiofônicos.
 
A [[atriz]] [[brasil]]eira [[Denise Dumont]] fez uma pequena participação no filme, atuando como uma [[cantor]]a [[América latina|latina]].
 
==Elenco==
*Martin Rosenblatt .... Sr. Needleman
*Helen Miller .... Sra. Needleman
*[[Julie Kavner]] .... mãe
*Julie Kurnitz .... Irene
*David Warrilow .... Roger
*[[Seth Green]] .... Joe
*Michael Tucker .... pai
*Josh Mostel .... Abe
*Renée Lippin .... tia Ceil
*William Magerman .... avô
*Leah Carrey .... avó
*[[Dianne Wiest]] .... Bea
*Fletcher Farrow Previn .... Andrew
*Oliver Block .... Nick
*Maurice Toueg .... Dave
*Rebecca Nickels .... Evelyn Goorwitz
*Kenneth Mars .... Rabbi Baumel
*Andrew B. Clark .... Sidney Manulis
*[[Mia Farrow]] .... Sally White
*[[Denise Dumont]] .... cantora latina
*Tito Puente .... líder da banda
*[[Danny Aiello]] .... Rocco
*Peter Castelotti .... Sr. Davis
*[[Jeff Daniels]] .... Biff Baxter
*[[Mercedes Ruehl]] .... Admen
*[[Diane Keaton]] .... cantora de Ano Novo
*[[William H. Macy]] .... voz do rádio
*[[Woody Allen]] .... voz do rádio
 
==Principais prêmios e indicações==
{{portal-cinema}}
'''[[Óscar|Oscar]]''' 1988 (EUA)
*Indicado nas categorias de [[Oscar de melhor direção de arte|melhor direção de arte]] ([[Santo Loquasto]], Carol Joffe, Leslie Bloom e George DeTitta Jr.) e [[Oscar de melhor roteiro original|melhor roteiro original]] (Woody Allen).
 
 
'''[[BAFTA]]''' 1988 (Reino Unido)
*Venceu nas categorias de melhor figurino (Jeffrey Kurland) e melhor desenho de produção (Santo Loquasto).
*Indicado nas categorias de melhor filme, melhor roteiro original, melhor atriz coadjuvante (Dianne Wiest), melhor edição (Susan E. Morse) e melhor som (Robert Hein, James Sabat e Lee Dichter).
 
 
'''Writers Guild of America''' 1988 (EUA)
*Indicado na categoria de melhor roteiro escrito diretamente para o cinema.
 
=={{Ligações externas}}==
*[http://www.adorocinema.com/filmes/era-do-radio/era-do-radio.asp ''A era do rádio'' no Adorocinema]
 
O filme é interessante por relatar de forma bem humorada e nostálgica a era de maior impacto do rádio, já que na década seguinte ele perdeu espaço com a chegada da televisão. No entanto, mesmo com a sua decadência, podemos dizer, ao assistirmos o filme, que seu apelo foi mais profundo que o da televisão. Por se apoiar apenas no som, ele é naturalmente um veículo que exige mais atenção. Desta forma, naquela época, ele estimulava [[criatividade|criativamente]] os ouvintes, pois cada um construía em sua cabeça aquilo que estava sendo transmitido. As histórias, portanto, ficavam no plano do imaginário, e é isso o que consiste o glamour dos programas radiofônicos.
 
{{Woody Allen}}
 
{{esboço-filme}}
 
[[Categoria:Filmes de Woody Allen]]
[[Categoria:Filmes dos Estados Unidos da América]]
[[Categoria:Filmes de 1987]]
[[Categoria:Filmes filmespremiados decom comédiao BAFTA]]
[[Categoria:Filmes de comédia]]
[[Categoria:Filmes em língua inglesa]]
 
 
285 842

edições