Diferenças entre edições de "Doença não transmissível"

8 bytes removidos ,  20h40min de 9 de novembro de 2009
sem resumo de edição
(corr; reformulação; Nuremberga é a tradução para o português de Nuremberg, e se existe, deve ser utilizada.)
 
Uma '''doença não-transmissível''' ou '''DNT''' ; doenças não –infecciosas; doenças crônicas não-transmissíveis; doenças crônico degenerativas são terminologias usadas para definir grupos de patologias caracterizadas pela ausência de microrganismos, ou seja é uma [[doença]] não [[doença infecciosa|infecciosa]], como também pelo longo curso clínico e irreversibilidade.
 
Czeresnia, <ref>Czeresnia, Dina. Do contágio à transmissão, ciência e cultura na gênese do conhecimento epidemiológico. RJ, Fiocruz, 1997 </ref> utilizando o conceito de Fabre <ref>Fabre G. La notion de contagio au regard du sida, ou comment intèrferent logiques sociales et catégories médicales. Sciences Sociales et Santé, XI (1):5-32, mars, 1993. </ref> sobre a transmissão de doenças que orienta a formulação de um discurso preventivo assim como a constituição de normas e leis que buscam definir direitos, deveres e argumentos em oposição a atitudes hostis e irracionais contra os doentes e grupos sociais mais atingidos, a exemplo da hanseníase ([[lepra]]) no passado e [[SIDA]] e [[tuberculose]] em nossos dias. Considera que este, ao definir as formas específicas em que um agente etiológico da doença passa de um indivíduo para outro, construiu uma racionalidade capaz de romper com o medo difuso associado à velha noção de contágio incorporando progressivamente as conquistas da epidemiologia, sobre a susceptibilidade dos hospedeiros e constituição epidêmica.
 
==Caracterização==
A noção de processos crônico-degenerativos, geralmente são associadas aos problemas decorrentes do [[Envelhecimento|envelhecimento]] dos indivíduos e populações e o grupo relacionado às [[CID-10 Capítulo XX: Causas externas de morbidade e de mortalidade|causas externas.]] possuem uma característica comum de causalidade multi-fatorial sendo que as [[Violência]]s dos acidentes e agressões estão mais diretamente associados às más condições de vida, urbanização desorganizada e problemas sócio-econômicos que expõem grandes segmentos da população condições de carência e demanda de consumo não satisfeito ou fatores geradores da [[Criminologia|criminalidade]].
 
Exemplos de doenças não transmissíveis incluem [[hipertensão]];, [[diabetes]];, [[doenças cardiovasculares]] - ([[arteriosclerose]]);, [[cancro|neoplasias]];, (tomados como prioridade no [http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/visualizar_texto.cfm?idtxt=31877&janela=1 Brasil]) doenças respiratórias crônicas ([[asma]]);, doenças renais ([[Insuficiência renal crônica]]);, doenças músculo-esqueléticas ([[reumatismo]], [[artropatia]]s);, problemas de [[saúde mental]], Doençasdoenças dos [[Sistema sensorial|órgãos sensoriais]] e [[Patologia bucal|doenças dentárias e periodontais]] (essasestas últimas consideradas relevantes na [http://www.euro.who.int/Document/RC56/edoc08.pdf Europa])
 
Tais doenças podem ser causadas por fatores [[Genética|genéticos]] ou do [[estilo de vida]]. Uma doença não transmissível não é uma doença que é causada por algo [[patógeno]] em si, apesar de algumas destas, especialmente neoplasias, já estarem sendo associadas a [[microorganismos]] específicos. Resultam da interação de fatores hereditários, nutricionais relacionadas à alimentação inadequada ou contaminada por poluentes, ocupações de risco, [[alcoolismo]], [[tabaco|tabagismo]] ou outros hábitos. Esses fatores são resultantes do estilo de vida que às vezes são chamados de [[Classe social|doenças de riqueza]] e modernidade.
A humanidade em distintos períodos históricos já padeceu de grandes crises de mortalidade causadas por devastadoras [[epidemias]] e paulatinamente desenvolveu estratégias para seu controle. Atribui-se [[Tucídides]], 430 a.C. relato da epidemia da peste em [[Atenas]], seguida das proposições [[Hipócrates|hipocráticas]] das constituições epidêmicas de Água, Ares e Lugares e das teorias do contágio a partir dos esporos ou partículas da doença de [[Girolamo Fracastoro]] (1478 - 1553) e [[Thomas Sydenham]] (1624 –1689). Esse último em ''On Epidemics'', 1680 (Sobre Epidemias), retomando as teorias hipocráticas relacionou as epidemias a interação entre as qualidades físicas da atmosfera (sazonais) de dados intervalo de tempo à desordens peculiares dos corpos.
 
Em função da transição epidemiológica ou seja a redução da mortalidade por doenças infecciosas e parasitárias o aumento das causas crônico degenerativas e agravos relacionados aos acidentes e violências (causas externas) <ref> Carmo, Eduardo H.; Barreto, Maurício L.; Silva Jr., Jarbas B. Mudanças nos padrões de morbimortalidade da população brasileira: os desafios para um novo século. Epidemiol. Serv. Saúde v.12 n.2 Brasília jun. 2003 [http://scielo.iec.pa.gov.br/pdf/ess/v12n2/v12n2a02.pdf disponível em pdf]</ref> tem-se retomado a idéia de constituição epidêmica, tal como foi descrita, de forma muito próxima à forma [[Ecologia médica|ecológica]], agregando o conjunto de circunstâncias (geográficas, históricas, [[Antropologia da saúde|antropológicas]], [[Sociologia médica|sociológicas]]) que condicionam o surgimento das epidemias. <ref> Czeresnia, Dina Constituição epidêmica: velho e novo nas teorias e práticas da epidemiologia. História, Ciências, Saúde — Manguinhos, vol. VIII(2): 341-56, jul.-ago. 2001. [http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v8n2/a03v08n2.pdf disponível em pdf]</ref>
 
{{ref-section}}
19 269

edições