Grupo Simões: diferenças entre revisões

16 bytes removidos ,  13h24min de 13 de novembro de 2009
sem resumo de edição
(Desfeita a edição 17621972 de Salebot (discussão | contribs))
Em [[Manaus]], [[Amazonas]], aos 19 anos, seu fundador, Antonio de Andrade Simões, iniciou com a pequena Sorveteria Moderna, em 1943, e na mesma época, tornou-se sócio da padaria onde iniciou sua vida profissional aos 12 anos. Em 1962, desfez-se da sociedade, e inaugurou uma moderna fábrica de massas e bolachas: a Papaguara. Foi quando o Antonio conheceu o segundo sócio, Petronio Augusto Pinheiro, e os negócios passaram a ganhar fôlego. Em 1970, os dois foram audaciosos, e criaram a Refrigerantes da Amazonia, a primeira franquia da [[Coca-Cola]] no Norte do Brasil. Sem parar de emprender, inauguraram em 1973 a fabrica de gás carbônico, Gás da Amazônia, garantindo assim uma das matérias primas essenciais na fabricação de refrigerantes. Então os dois sócios conheceram o que passaria a ser o terceiro sócio, fechando o trio de sócios que formaria o que é hoje conhecido como Grupo Simões, o Osmar Pacífico. Juntos, os 3 sócios daquirem em 1976 a COMPAR - Companhia Paraense de Refrigerantes, fabricante de [[Coca-Cola]] em [[Belém]], [[Pará]]. No decorrer da década de 80, são fundadas ainda as fábricas franqueadas de Coca-Cola em Rondônia, no Acre, no Amapá, e mais duas no Pará, nas cidades de Santarém e Marabá, e o Grupo Simões recebe reconhecimento da Coca-Cola do Brasil, como sendo "fabricante da década", em função da coragem e emprendedorismo de acreditar na região, e investir no negócio.
 
Hoje, O grupo profissionalizado, mas de propriedade das famílias dos 3 sócios fundadores, é formado pelas divisões de Veículos, Bebidas e de Gases, contando com quatro concessionárias de automóveis [[Monttana]], [[Murano]], [[V-8]] e [[Shizen]]. A divisão de bebidas conta com fábricas de envase de refrigerantes da Coca-Cola e Tuchaua, marca própria de Guaraná, além de uma fonte de água mineral da marca Belágua, e conta também com 3 fábricas de Gás Carbônico.
 
De [[20 de abril]] de [[1986]] a [[15 de março]] de [[1993]], foi dono da [[Rede Brasil Norte]] (RBN), afiliada da extinta [[Rede Manchete]], com duas emissoras de TVs (Manaus e Porto Velho) e 38 repetidoras (36 em Amazonas e duas em Rondônia), quando foi vendida para [[Samuel Câmara]], pastor da igreja evangélica [[Assembléia de Deus]], mas voltou a controlar o canal de Porto Velho em 2007.
9

edições