Diferenças entre edições de "Terreiro Obá Ogunté"

18 bytes adicionados ,  02h04min de 2 de dezembro de 2009
sem resumo de edição
(clean up - imagem > ficheiro, Replaced: [[Imagem: → [[Ficheiro: (2), utilizando AWB)
Ainda preserva em seu espaço-físico um '''[[baobá]]''' com mais de um [[século]] de existência e com mais de 10m de diâmetro, raro no [[Brasil]] por ser mais comumente encontradas espécimes desse porte nos locais de onde são nativas, na ilha de [[Madagascar]] (o maior centro de diversidade, com seis espécies), no [[continente africano]] e na [[Austrália]] (com uma espécie em cada).
 
A casa funcionou sempre como uma grande [[comunidade]] de [[negro]]s [[africanos]] e de seus descendentes. Com a morte de ''Ifá Tinuké'', ela passou a ser liderada por ''Felipe Sabino da Costa'' (Ope Watanan), conhecido por '''[[Pai Adão]]''' (sucessor de Tia Inês), que foi a maior personalidade da história do [[Xangô do Nordeste|Xangô do Recife]] ou [Casa Amarela], entre outros talentos, por seus poderes espirituais, seu conhecimento profundo dos fundamentos rituais, [[estético]]s e [[mitologia yoruba|mitológico]]s da tradição e seu domínio do [[idioma]] [[Iorubá]].
 
O [[babalorixá]] atual é ''Manoel do Nascimento Costa'', mais conhecido como '''Manuel Papai''', e a [[iyalorixá]] '''Maria do Bonfim'''. Na nação [[Nagô]]-[[Egbá]] sempre são duas pessoas que dirigem a casa: um babalorixá e uma iyalorixá, ou seja, um pai e uma [[mãe-de-santo]].
30

edições