Abrir menu principal

Alterações

14 bytes removidos ,  11h32min de 7 de janeiro de 2010
O encarregado das contratações foi o [[Coronel]] [[Sebastião do Rego Barros]] que conseguiu embarcar para o Brasil doze [[companhia (militar)|companhias]]; as quais começaram a chegar ao [[Rio de Janeiro]] em [[junho]] de 1851. Cada companhia consistia de um [[Capitão (militar)|capitão]], um [[tenente]], dois [[alferes]], um primeiro [[Sargento (militar)|sargento]], dois segundo sargentos, um [[furriel]], seis [[cabo (militar)|cabos]], seis [[anspeçada]]s, dois tambores, e cento e quarenta soldados.
 
No Brasil foram recebidos com grandes honras, porém os oficiais brummer tinham grandes rivalidades entre si, que foram se aprofundando durante a viagem até a frente de [[batalha]] no [[sul do Brasil]]. Além disso vários dos soldados recrutados eram novatos, promovendo freqüentesfrequentes arruaças. Estes fatores contribuíram para a perda de sua confiança pelos oficiais brasileiros, fazendo com que poucos fossem enviados para o combate. A guerra acabou rapidamente e os Brummer foram desmobilizados.
 
====Uniformes e armamentos====
:O Brummer Frederico Lange<ref>'''História de um "Resmungão" da Legião Alemã de 1851 no Brasil'''; Schleswig-Holstein, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Campanha do Uruguai, e Colônia Dona Francisca (atual Joinville); autor Francisco Lothar Paulo Lange; Curitiba; 1995.</ref> descreve em suas cartas aos familiares, que as tropas militares vieram para o Brasil com os mesmos [[Uniforme|uniformesuniforme]]s e [[Arma|armamentosarma]]mentos usados na [[Europa]]. E pede dinheiro para adquirir roupas civis, pois ainda enverga o fardamento do Corpo de [[Caçador (militar)|Caçadores]] ({{lang-de|Jaëgercorps}}) de Schleswig-Holstein.
 
==Assimilação==
 
{{esboço-história-BR-RS}}
 
{{semiw}}
 
[[Categoria:História do Rio Grande do Sul]]
[[Categoria:História militar do Brasil]]
[[Categoria:Mercenários da Alemanha]]
{{semiw}}
129 347

edições