Abrir menu principal

Alterações

2 bytes removidos ,  15h53min de 28 de janeiro de 2010
 
== História ==
Epidauro é citada no ''[[Catálogo de navios]]'' (na secção que se encontra no canto II da [[Ilíada]] de [[Homero]]) como «Epidauro dos bons vinhedos».<ref> [[Homero]], ''[[Ilíada]]'',ii,561</ref> Nos séculos [[século VII a.C.|VII a.C.]] e [[século VI a.C.|VI a.C.]], pertencia à [[anfictionia]] chamada «dos [[Minianos]]», cuja fixação era na ilha de [[Poros|Calauria]].<ref>[[Estrabão]], ''[[Geografia de Estrabão|Geografia]]'',viii,6,15.</ref>. Em finais do século VI a.C., era governada pelo tirano Procles, que deu sua filha Melisa em casamento a [[Periandro de Corinto|Periandro]], tirano de [[Corinto]].<ref>[[Heródoto]], ''[[História (Heródoto)|]]'',iii,50; v,92</ref> Periandro atacou Epidauro e fez prisioneiro Procles conquistando a cidade. Depois da tirania voltou a [[oligarquia]].
 
Epidauro é citada no ''[[Catálogo de navios]]'' (na secção que se encontra no canto II da [[Ilíada]] de [[Homero]]) como «Epidauro dos bons vinhedos».<ref> [[Homero]], ''[[Ilíada]]'',ii,561</ref> Nos séculos [[século VII a.C.|VII a.C.]] e [[século VI a.C.|VI a.C.]], pertencia à [[anfictionia]] chamada «dos [[Minianos]]», cuja fixação era na ilha de [[Poros|Calauria]]<ref>[[Estrabão]], ''[[Geografia de Estrabão|Geografia]]'',viii,6,15.</ref>. Em finais do século VI a.C., era governada pelo tirano Procles, que deu sua filha Melisa em casamento a [[Periandro de Corinto|Periandro]], tirano de [[Corinto]].<ref>[[Heródoto]], ''[[História (Heródoto)|]]'',iii,50; v,92</ref> Periandro atacou Epidauro e fez prisioneiro Procles conquistando a cidade. Depois da tirania voltou a [[oligarquia]].
 
Na época histórica, oligarcas dóricos continuaram a ser os dirigentes da cidade, que era uma das principais cidades comerciais do [[Peloponeso]]. Epidauro colonizou [[Egina]], que durante muito tempo foi uma dependência. Também colonizou [[Cós (Grécia)|Cós]], [[Calimnos]] (''Calidnos'') e [[Nisiros]], mas quando o comércio cresceu, Egina aumentou a sua importância e suplantou a metrópole no século VI a.C.
Já na [[século de Péricles|época clássica]], Epidauro gozou de um grande prestígio graças ao seu santuário consagrado a [[Esculápio]], onde se praticava a [[medicina na Antiga Grécia|medicina]] pela interpretação dos sonhos. Compreendia vários edifícios públicos, entre os quais havia um grande templo construido no [[século IV a.C.]]. Em honra de Esculápio se organizavam as ''Asklepieia'', [[Jogos Pan-helénicos]] [[Concurso pentetérico|pentétericos]] que compreendia corridas de cavalo e, a partir do século IV, concursos de poesia. O culto de Esculápio teve o seu apogeu na [[período helenístico|época helenística]].
 
Em [[243 a.C.]], Epidauro reuniu a [[Liga Aqueia]]. No Verão de [[225 a.C.]] foi tomada por [[Cleómenes III]], [[Lista de reis de Esparta|rei de Esparta]].<ref>[[Políbio]],ii,3,52.</ref>. Converteu-se em aliada da [[República de Roma]].
[[Ficheiro:Epidaurus Theater.jpg|thumb|right|450px|Teatro de Epidauro]]
Sob domínio romano tinha perdido toda a importância e era praticamente o porto do templo de Esculápio. Pausânias dá uma lista de seus edifícios principais: o templo de [[Atena]] Cisea na [[acrópole]], o templo de [[Dionísio]], o de Artemisa, o de Afrodite, e talvez o de Esculápio; e o de Hera no porto,<ref>Pausânias, ii, 29, 1</ref> provavelmente no actual Cabo Nicolau.
Na cidade havia também [[ginásio (Antiga Grécia)|ginásio]], [[palestra]], teatro, construído aproveitando a vertente de uma montanha, com um diâmetro de 112 metros e 32 filas de assentos na parte baixa, 20 na parte central e 24 na superior, com capacidade para 12.000 espectadores e o [[proscénio]].
 
[[Cipião Emiliano]] visitou-a em [[168 a.C.|168]]-[[167 a.C.]], na mesma época que outros grandes lugares do helenismo, como [[Antiga Atenas|Atenas]], [[oráculo de Delfos|Delfos]] e [[Olímpia]].<ref>''Ibid.'' XXX, A, II, 10, 4).</ref>. Em [[87 a.C.]], é arrasada por [[Silas]], que saqueou o tesouro do templo. A última menção de Epidauro remonta ao século VI, no ''Synekdemos'' de [[Hierócles]], uma obra que descreve as divisões administrativas do [[Império Bizantino]].
 
{{ref-section}}
283 202

edições