Abrir menu principal

Alterações

516 bytes adicionados ,  12h14min de 9 de fevereiro de 2010
m
sem resumo de edição
'''Pavel Stepanovich Nakhimov''' ({{lang-ru|Павел Степанович Нахимов}}, [[Oblast de Smolensk]], {{data|1802|6|23}} - {{data|1855|6|28}}), foi um dos [[almirante]]s mais célebres da história naval russa. Ficou conhecido por ter comandado as forças navais e terrestres aquando do [[Cerco de Sebastopol (1854-1855)|Cerco de Sebastopol]], durante a [[Guerra da Crimeia]].
 
==Biografia==
Nascido em Gorodok, na região de [[Smolensk]], era de família com origens nos [[judeus da montanha]] (do Cáucaso), e filho de um oficial de marinha. Nakhimov entrou na Academia Naval para a Nobreza (''Morskoy Dvoryanskiy Korpus'') em [[São Petersburgo]] em 1815. Fez a primeira viagem marítima em 1817, a bordo da fragata Feniks, às costas da Suécia e Dinamarca. Foi cedo promovido a oficial. Em fevereiro de 1818 foi nomeado para a [[Frota do Báltico]].
 
Nascido em Gorodok, na região de [[Smolensk]], era de família com origens nos [[judeus da montanha]] (do Cáucaso), e filho de um oficial de marinha. Nakhimov entrou na Academia Naval para a Nobreza (''Morskoy Dvoryanskiy Korpus'') em [[São Petersburgo]] em 1815. Fez a primeira viagem marítima em 1817, a bordo da fragata ''Feniks'' ("Fénix"), às costas da Suécia e Dinamarca. Foi cedo promovido a oficial. Em fevereiro de 1818 foi nomeado para a [[Frota do Báltico]].
Em 1822 foi destacado para a fragata Kreiser que, às ordens de [[Mihail Petrovich Lazarev]] deu a volta ao mundo. Terminada a viagem, que durou três anos, Nakhimov, durante uma licença , enamorou-se de uma rapariga judia com quem casou, contra as vontades de ambas as famílias, quanto foi destacado para o navio Azov. Embarcado, participou na [[batalha de Navarino]]. Nakhimov, em 1853, comandou durante a Guerra da Crimeia a aniquilação da frota otomana em [[Batalha de Sinop|Sinop]]. Por isso, em consequência desta vitória russa, a Grã-Bretanha e a França intervieram no conflito fazendo o [[Cerco de Sebastopol (1854-1855)|cerco a Sebastopol]]. Nakhimov distinguiu-se na organização das defesas da praça-forte, com os almirantes Istomin e Kornilov e com a ajuda do génio estratega Totleben. Em 28 de junho de 1855 Nachimov é ferido e morre dois dias depois. O seu nome foi dado a muitos navios de guerra da Marinha Imperial Russa e da Marinha Militar Soviética. Em 1944 Estaline instituiu a Ordem de Nakhimov, condecoração militar que a [[Rússia|Federação Russa]] continua a atribuir aos seus militares.
 
No início da sua carreira naval, a experiência de Nakhimov estava limitada às viagens no [[Mar Báltico]], com uma viagem mais extensa do porto de [[Arkhangelsk]] no [[Mar Branco]] para a base naval de [[Kronstadt]] próximo de [[São Petersburgo]]. Em [[Março]] de [[1822]], foi destacado para a fragata ''Kreiser'' que, às ordens do explorador [[Mihail Petrovich Lazarev]], deu a volta ao mundo. Terminada a viagem, que durou três anos, Nakhimov, durante uma licença , enamorou-se de uma rapariga judia com quem casou, contra as vontades de ambas as famílias, quanto foi destacado para o navio ''Azov''. Embarcado, participou na [[batalha de Navarino]].
 
Nakhimov, em 1853, comandou durante a Guerra da Crimeia a aniquilação da frota otomana em [[Batalha de Sinop|Sinop]]. Por isso, em consequência desta vitória russa, a Grã-Bretanha e a França intervieram no conflito fazendo o [[Cerco de Sebastopol (1854-1855)|cerco a Sebastopol]]. Nakhimov distinguiu-se na organização das defesas da praça-forte, com os almirantes Istomin e Kornilov e com a ajuda do génio estratega Totleben.
 
A [[28 de Junho]] de [[1855]], enquanto inspeccionava as posições de defesa em [[Malakhov kurgan]], Nachimov é mortalmente ferido por um ''[[sniper]]'' e morre dois dias depois.
 
Nakhimov foi enterrado na [[Catedral de São Vladimir]], em [[Sebastopol]].
 
O seu nome foi dado a muitos navios de guerra da Marinha Imperial Russa e da Marinha Militar Soviética. Em 1944 Estaline instituiu a Ordem de Nakhimov, condecoração militar que a [[Rússia|Federação Russa]] continua a atribuir aos seus militares.
 
== Fontes==
5 800

edições