Diferenças entre edições de "Cupom"

44 bytes adicionados ,  20h38min de 13 de fevereiro de 2010
sem resumo de edição
Títulos de prazos mais curtos normalmente não têm pagamento de cupom. Já títulos de prazos mais longos os apresentam na maior parte das vezes. Isto ocorre porque em finanças tempo é risco, e os investidores não gostam de ficar muito tempo sem receber nenhuma remuneração. O recebimento periódico de juros diminui o risco do título.
 
Mesmo que títulos mais longos normalmente paguem cupons periódicos, o valor do principal quase sempre é pago ao final do prazo. Os títulos pós-fixados, baseados em uma taxa de inflação ou com correção cambial, normalmente pagam um cupom periódico de juros. Nestes casos, chamamos de cupom apenas a parcela que excede o indexador principal. É o caso dos títulos públicos indexados ao IPCA (as NTN-B), por exemplo. Estes títulos têm um pagamento de juros periódicos (seu cupom), de 6% a.a., mas o valor da inflação fica acumulado para pagamento junto com o principal, no vencimento do título.todos temos direto de recebre o cupom fiscal
Utilizador anónimo