Discussão:Voto nulo: diferenças entre revisões

5 552 bytes removidos ,  12 de março de 2010
(Movimento Voto Nulo - Brasil)
 
----
 
[http://movimentovotonulo.blospot.com/ Movimento Voto Nulo - Brasil]
 
Contrariamente ao que é indicado no corpo do artigo, os votos nulos não podem anular a eleição do Presidente da República em Portugal (nem de nenhuma outra lista em qualquer outra eleição). Aliás, o artigo citado refere que só têm efeito os votos "validamente expressos". Os votos nulos não são votos válidos, por definição, e portanto não cabem na definição anterior. A referência aos votos em branco deve-se a que um voto em branco é considerado um voto válido e, portanto, poderia caber na definição de votos validamente expressos, pelo que é explicitamente referido que eles não contam para o apuramento do vencedor.
 
Acredito que através da indução, as pessoas passam a ter uma visão errônea sobre o Voto Nulo e do que representa anular o voto e em consequência deste ato, não eleger ninguém. O Voto Nulo é uma forma legítima de se votar, é um direito garantido constitucionalmente e uma forma de pressão pacífica do cidadão. Diferentemente do que afirmam os contrários e os oportunistas presentes no País, jamais pode ser visto como "abster-se da responsabilidade", pois anular o voto é ir votar sim, mas é votar protestando pacificamente, que aliás, é característica histórica do povo brasileiro.
 
Por outro lado, nós do [Movimento Voto Nulo]http://movimentovotonulo.blogspot.com/, acreditamos que os políticos e seus militantes não se incomodam com manifestações e passeatas porque são atos momentâneos e esquecidos no amanhã, e também porque são sabedores de que sempre estão muito bem protegidos pelos militares que não se importam se estão agredindo os detentores da verdade ou não, se estão batendo naqueles que justificam o seu emprego e que pagam os seus salários, eles unicamente cumprem com sua obrigação, independentemente do que diz a sua consciência.
 
Acreditamos portanto, que a pressão só pode existir de forma concreta através da perda do voto e a consequente perda de uma eleição. Somatizamos a isto, a perda do prestígio, de poder e consequentes perdas financeiras que jamais serão esquecidas.
 
Quando vemos constarem das fileiras partidárias, réus confessos e bandidos de fato, todos nós, cidadãos, legítimos donos da Pátria, temos sim o direito e o dever de protestar e de pressionar. Quando presenciamos casos de corrupção estourarem constantemente, escândalos e processos que são propositadamente abafados e arquivados por conchavos políticos que visam o oportunismo, a perpetuação no poder, o enriquecimento ilícito através de desvios no erário público, crimes que só prejudicam o cidadão não lhe proporcionando o retorno através de serviços públicos básicos e essenciais, aí chegou a hora de dizermos “basta", "não aceitamos mais”, “não elegemos mais”, “votamos sim, o voto é a maior de todas as nossas conquistas, mas VOTAMOS NULO !", "não damos asas à corrupção", "não entregamos nosso poder de cidadãos", "é nosso dever maior para com a Pátria protegê-la e não deixá-la à merce de bandidos".
 
Quando os partidos políticos sentirem esta pressão legítima, obrigatoriamente terão de mudar sua representatividade partidária e suas formas de atuação, passando então a praticar a verdadeira política que visa unicamente o bem estar de todos, indiferentemente de quaisquer situações. Os políticos apenas representam o povo, devem ter consciência disto e se portar como tal.
 
Hoje, não é novidade para ninguém que devido a ingerência política, o povo chora com inúmeras e constantes catástrofes ambientais. Muitos perderam entes queridos e bens materiais, infelizmente. E constatamos a velha história de sempre, já bastante cansativa, ou seja, que as verbas existem, mas que vem sempre no último momento, paliativamente. E não entendemos porque não foram aplicadas anteriormente, em prevenção. Fica-nos a impressão de que vivemos uma época em que pela constância, mortes são apenas mortes e que não são seres humanos e nossos irmãos que estão morrendo. "Tudo é muito natural". Por outro lado, aplica-se no supérfluo, em um status quo internacional, enquanto por aqui lembramos de que no passado alguns bradaram tão altamente, nos falando de uma última esperança que vinha com uma palavra de ordem do povo, "mudança", mas que a exemplo de seus antecessores, tornou-se desesperança, pois a profunda mundança não ocorreu. A questão que nos fica então é a seguinte: vamos novamente nos deixar levar por esse utopismo ?
 
Finalmente, para nós do Movimento Voto Nulo, eleger o menos ruim não satisfaz, pois ele é ruim. Eleger um menos corrupto não é a solução, pois embora ele faça alguma coisa, ele é corrupto, ele é um ladrão, e na soma final só nos trará o prejuízo. E eleger não é mais uma questão de orgulho.
 
Se a sua consciência considerar estas palavras como válidas e verdadeiras, some-se a nós, seremos mais de 40 milhões em 2010, votos estes que não irão eleger ninguém.
 
Instrua para que não deixem de votar e para que não votem em branco, pois assim acabam elegendo alguém.
 
"VÁ VOTAR, utilize-se deste seu direito, mas não venda o seu bem maior, a sua consciência, pois o homem que assim procede, verdadeiramente não tem nada e não é ninguém".
 
Comunidade Voto Ético é Voto Nulo - ORKUT
 
--[[Usuário:Marcos Borkowski|Marcos Borkowski]] ([[Usuário Discussão:Marcos Borkowski|discussão]]) 09h13min de 12 de março de 2010 (UTC)
103

edições