Discussão:Voto nulo: diferenças entre revisões

----
 
==[http://movimentovotonulo.blogspot.com/ Movimento Voto Nulo - Brasil ==]
 
[http://movimentovotonulo.blospot.com/ Movimento]
 
Contrariamente ao que é indicado no corpo do artigo, os votos nulos não podem anular a eleição do Presidente da República em Portugal (nem de nenhuma outra lista em qualquer outra eleição). Aliás, o artigo citado refere que só têm efeito os votos "validamente expressos". Os votos nulos não são votos válidos, por definição, e portanto não cabem na definição anterior. A referência aos votos em branco deve-se a que um voto em branco é considerado um voto válido e, portanto, poderia caber na definição de votos validamente expressos, pelo que é explicitamente referido que eles não contam para o apuramento do vencedor.
Acredito que através da indução, as pessoas passam a ter uma visão errônea sobre o Voto Nulo e do que representa anular o voto e em consequência deste ato, não eleger ninguém. O Voto Nulo é uma forma legítima de se votar, é um direito garantido constitucionalmente e uma forma de pressão pacífica do cidadão. Diferentemente do que afirmam os contrários e os oportunistas presentes no País, jamais pode ser visto como "abster-se da responsabilidade", pois anular o voto é ir votar sim, mas é votar protestando pacificamente, que aliás, é característica histórica do povo brasileiro.
 
Por outro lado, nós do [Movimento Voto Nulo]http://movimentovotonulo.blogspot.com/, acreditamos que os políticos e seus militantes não se incomodam com manifestações e passeatas porque são atos momentâneos e esquecidos no amanhã, e também porque são sabedores de que sempre estão muito bem protegidos pelos militares que não se importam se estão agredindo os detentores da verdade ou não, se estão batendo naqueles que justificam o seu emprego e que pagam os seus salários, eles unicamente cumprem com sua obrigação, independentemente do que diz a sua consciência.
 
Acreditamos portanto, que a pressão só pode existir de forma concreta através da perda do voto e a consequente perda de uma eleição. Somatizamos a isto, a perda do prestígio, de poder e consequentes perdas financeiras que jamais serão esquecidas.
103

edições