Diferenças entre edições de "Exílio galego"

3 138 bytes adicionados ,  17h23min de 19 de abril de 2010
sem resumo de edição
m (Bot: Removendo: pt:Exílio galego)
O exílio galego dirigiu-se principalmente cara a América, devido principalmente à presença já lá de uma numerosa colónia galega de emigrantes que desde o início do século XX vinham conformando a diáspora galega. Porém, a acolhida nos diferentes estados americanos foi muito diversa, tendo ademais presente a hostilidade contra os refugiados políticos que se instalou no continente americano derivada da Guerra Civil espanhola e da [[Segunda Guerra Mundial]]. A instauração de regimes autoritários em países como [[Guatemala]], [[Nicarágua]], [[Honduras]] ou [[El Salvador]] fez com que estes países se opusessem claramente a acolher este tipo de imigrantes. Ao contrário, a posição política do presidente [[Lázaro Cárdenas]] converteu [[México]] no principal destino do exílio galego. Para a entrada noutros países foi fundamental a presença de uma colónia galega prévia à Guerra Civil espanhola, que por diversas vias burocráticas podia completar processos de reagrupamento familiar.
 
==Política no exílio==
 
A política do exílio esteve amplamente marcada pela divisão entre as distintas forças políticas que, para o caso galego, afetou mesmo à estratégia do nacionalismo galego e à reivindicação do [[Estatuto de Autonomia da Galiza]]. Em geral, os galegos exiliados vinculam-se politicamente á frente galeguista (nacionalista) ou às comissões galegas que surgem nos diferentes partidos comunistas, como a Comisión Gallega del Partido Comunista de España em México, com o importante papel de [[Luís Soto]], e anarquistas, como a Confederación Regional Galaica, que continuou a agir clandestinamente no Estado espanhol e publicamente no exílio.
Quando ao nacionalismo galego, o processo principal é a formação de organismos unitários como a Aliança Nacional Galega, fundada em [[6 de dezembro]] em México por representantes da [[UGT]] e da [[CNT]], republicanos, galeguistas e socialistas, e que defendia a restauração da República e o Estatuto de Autonomia da Galiza – que reconhecia desde o seu preâmbulo a condição nacional da Galiza. Porém, a realidade deste organismo foi a sua divisão interna, que ainda se agravou após a fundação do [[Conselho da Galiza]] em 1944, que se constituía como governo autónomo galego em função do Estatuto de Autonomia aprovado pola cidadania galega em referendo, mas jamais aprovado pelas Cortes espanholas. A ANG rechaçava a mesma constituição do Conselho da Galiza, bem como o pacto de [[Galeuzca]] e a representatividade de [[Castelao|Afonso Daniel Rodríguez Castelao]], [[Antón Alonso Ríos]], [[Elpidio Villaverde]] e [[Ramón Suárez Picallo]]. O Partido Galeguista no exílio também se integrou na Alianza Nacional de Fuerzas Democráticas (ANFD) constituída em Madrid em 1944 junto com a [[CNT]], o [[PSOE]], a UGT e a [[Federación Agraria]], evidenciando as boas relações entre o nacionalismo galego e os libertários.
 
===Participação galega no governo espanhol no exílio===
 
Em grande medida, a não aprovação polas Cortes espanholas do Estatuto de Autonomia da Galiza e a urgência inerente ao funcionamento de um governo no exílio fizeram com que a política do nacionalismo galego estivesse largamente vinculada com o processo político do exílio espanhol. En 1945, após ter-se oposto ao governo de [[José Giral]], o Partido Comunista da Espanha repensa a sua estratégia de alianças e, para ingressar naquele governo, dissolve a Unión Nacional Española (UNE) e a Frente Libertadora Galega (grupo integrado na UNE), criando o Bloco Republicano Nacional Galego (BRNG) com as figuras de [[Enrique Líster|Henrique Líster]] e [[Manuel Portela Valladares]], que se convertia no seu candidato para um ministério no governo estatal no exílio. Frente ao BRNG, a Junta Galega de Aliança Democrática (JGAD) e os nacionalistas galegos em América candidataram Castelao como ministro. Conversas entre Ramón Piñeiro pela JGAD e Líster pelo BRNG terminaram com Giral a anunciar Castelao como ministro, com o apoio da CNT, do [[nacionalismo catalão]] e do [[nacionalismo basco]].
 
==Notas==
 
[[Categoria:Política da Galiza]] [[Categoria:História da Galiza]]
[[gl:Exilio galego de 1936]]
49

edições