Diferenças entre edições de "Porfiriato"

4 bytes adicionados ,  01h13min de 25 de abril de 2010
sem resumo de edição
[[Ficheiro:Porfirio diaz.jpg|thumb|right|250px|Porfírio Díaz]]
 
O '''Porfirismo''' ou '''Porfiriato''' na [[história do México]], é o período de 30 anos durante o qual governou o país o general [[Porfirio Diaz]] intermitentemente desde [[1876]], suscedido no final pelo governo de [[Sebastián Lerdo de Tejada]], com o rompimento do presidente [[Manuel González]], que governou de [[1880]] a [[1884]], em maio de [[1911]] POrfírioPorfírio Díaz renunciou à presidência por força da [[Revolução Mexicana]] liderada por [[Francisco I. Madero]], [[Francisco Villa]], [[Emiliano Zapata]], [[Enrique Flores Magón]] e [[Ricardo Flores Magón]].
 
Foi um período de estabilidade e progresso econômico do país, mas também graves desigualdades sociais, que concluiu com um movimento social que interrompeu as estruturas sociais e políticas econômicas do México. Percebendo que o presidente Lerdo de Tejada tentaria a reeleição, Diaz voltou a pegar as armas. Formado na luta pela [[Guerra da reforma]] e contra a intervenção estrangeira, Díaz gozava de grande prestígio entre os militares e uma reputação nos círculos políticos do país. Com o triunfo do Plano de Tuxtepec, que o levou à presidência do México para governar o período [[1876]]-[[1911]] com um breve interlúdio durante o governo de Manuel González.
Nos 31 anos de Porfiriato ou Porfirismo foram construídos no México mais de 19.000 quilômetros de [[ferrovia]]s para o investimento estrangeiro, o país estava ligado na rede de telegrafica, os investimentos de capital foram feitos no exterior e promoveu a indústria. Desde [[1893]] foram limpas e as finanças, o crédito nacional foi melhorado e não havia muita confiança nos estrangeiros, organizou o sistema bancário, que foi derrubado na década de [[1940]] pelo o governo de [[Lázaro Cárdenas del Río]].
 
Durante esse período, continuou o esforço iniciado com Manuel González para superar a educação em todos os níveis, os homens da estatura de Joaquín Baranda, Ezequiel Chávez, Enrique C. Rébsamen , [[Ignacio Manuel Altamirano]] e Justo Sierra Méndez deu brilho a este processo que vai desde jardins de infância ao ensino superior, através da formação de professores.
 
Enquanto Porfírio Diaz reiterou que o país estava pronto para a [[democracia]], ele nunca quis deixar o poder, e em [[1910]] já com 80 anos de idade, candidatou-se á [[reeleição]], que foi rejeitada pelos trabalhadores públicos. Diante deste feito, Francisco I. Madero convocou a rebelião, que surgiu em 20 de novembro daquele ano, e terminou com a entrada triunfal na cidade, derrotando o chamado naquele momento ditador.
8 570

edições