Comunicação: diferenças entre revisões

1 byte removido ,  06h25min de 13 de maio de 2010
m
→‎Teoria da Comunicação: correção ortográfica
m (→‎Teoria da Comunicação: correção ortográfica)
 
== Teoria da Comunicação ==
Pensadores e pesquisadores das disciplinas de ciências humanas, como [[Filosofia]], [[Sociologia]], [[Psicologia]] e [[Linguística]], têm dado contribuições em hipóteses e análises para o que se denomina "[[Teoria da Comunicação]]", um apanhado geral de idéiasideias que pensam a comunicação entre indivíduos - especialmente a [[Mídia|comunicação mediada]] - como fenômeno social. Entre as teorias, destacam-se o [[funcionalismo]], primeira corrente teórica, a [[Escola de Frankfurt]] (crítica à primeira e profundamente marxista) e a escola de [[Palo Alto]] (principal corrente teórica atualmente). O trabalho teórico na América Latina ganhou impulso na década de [[1970]] quando se passou a retrabalhar e transformar as teorias estrangeiras. Assim surgiu a [[Teoria das Mediações]], de [[Jesús Martin-Barbero]].
 
As teorias dão diferentes pesos para cada um dos componentes da comunicação. As primeiras afirmavam que tudo o que o ''emissor'' dissesse seria aceito pelo ''receptor'' (público). Daí surge a Teoría Crítica que analisa profundamente a transmissão/dominação ideológica na comunicação de massa ([[Theodor Adorno|Adorno]], [[Max Horkheimer|Horkheimer]]). Depois disso se passa a criticar o modelo. O receptor, dizem os estudiosos de Palo Alto, tem consciência e só aceita o que deseja. Do ponto de vista de Barbero, o que o receptor aceita (ou melhor, compreende) varia grandemente conforme sua [[cultura]], no sentido mais amplo da palavra.
311

edições