Diferenças entre edições de "Eletroconvulsoterapia"

245 bytes removidos ,  06h51min de 18 de maio de 2010
Este [[terapia|método terapêutico]] é provavelmente o mais controverso dos métodos usados em [[Psiquiatria]], tendo em conta a sua natureza, a história de abusos e a falta de informação. A aplicação de [[choque]]s de pequena [[voltagem]] nas [[cérebro|têmporas]] é polêmica e o método é ainda hoje associado negativamente a algum tipo de [[tortura]], sendo por diversas razões contestado por muitos profissionais na área da [[saúde mental]]. Apesar disso, a ECT é uma técnica que pode ser usada com eficácia e está consagrada em muitos países.
 
A ECT foi introduzida na Psiquiatria numa época [[fármaco|pré-farmacológica]], e era usada frequentemente em [[patologia]]s como a depressão ou esquizofrenia, especialmente do tipo catatônico. Atualmente a técnica é recomendada para diversos quadros patológicos, nomeadamente nos quadros [[depressão|depressivos graves]], com ou sem sintomas psicóticos, episódios de mania aguda, e menos frequentemente na esquizofrenia. A ECT e empregada mediante o uso de [[anestesia|anestésicos]] e relaxantes musculares, pelo que a imagem negativa do paciente amarrado e recebendo choques contra sua vontade resiste somente no imaginário da população. Existem diversos estudos na área que comprovam a sua eficácia, mesmo em comparação aos [[psicotrópico]]s.
 
==Principais indicações==
Utilizador anónimo