Diferenças entre edições de "Fotonovela"

1 152 bytes removidos ,  13h17min de 18 de maio de 2010
(bot: revertidas edições de 189.63.137.74 ( modificação suspeita : -45), para a edição 20037679 de 189.75.111.143)
Etiqueta: Ligações internas removidas
 
No Brasil, as fotonovelas tiveram um mercado cativo por mais de 25 anos, entre os anos 1950 e 70, representando a idéia de uma imprensa popular feminina, com milhões de leitores de histórias publicadas em [[revista]]s com grande circulação nacional.
 
== Histórico ==
A primeira revista de fotonovela, a "fotoromanzo" italiana, datada de 8 de maio de 1947, surgiu na Itália com o nome "Il mio sogno", elaborada por Stefano Reda, jornalista apaixonado por literatura, e Giorgio Camis De Fonseca, diretor da Editora "Novissima di Roma"; sobre a revista havia as palavras: "settimanale di romanzi d'amore a fotogrammi". Era composta por duas fotonovelas, "Nel fondo del cuore" de Stefano Reda e "Menzogne d'amore" de Luciana Peverelli, protagonizadas por Glauco Selva e Resi Farrel.
 
As primeiras propostas de fotonovelas, porém, não foram histórias inéditas, mas fotos sequenciais de filmes conhecidos da época, tais como: "La principessa Sissi", com [[Romy Schneider]], "Violenza sull'autostrada" com Luisa Ferida e "Eliana e gli uomini" com [[Ingrid Bergman]].
 
Muitos atores de cinema protagonizaram fotonovelas, entre eles [[Vittorio Gassman]], [[Sofia Loren]], [[Laura Antonelli]], [[Silvana Pampanini]], [[Gina Lollobrigida]], [[Silvana Mangano]], [[Raf Valone]], [[Ornella Muti]], [[Terence Hill]], [[Massimo Serato]].
ESSAS foram umas das melhores atrizes de fotonovela que ja existiu
 
== Fotonovela no Brasil ==
Utilizador anónimo