Diferenças entre edições de "Serpentina (carnaval)"

2 333 bytes adicionados ,  19h54min de 28 de maio de 2010
Esta é uma tradução livre e ainda incompleta do artigo sobre a serpentina em francês (Serpentin, fête).
(Esta é uma tradução livre e ainda incompleta do artigo sobre a serpentina em francês (Serpentin, fête).)
Não se sabe ao certo a origem da '''serpentina'''. As primeiras notícias sobre o uso dessa artefato carnavalesco vêm da Paris e informam que ela começou a ser usada em [[1893]], um ano depois do [[confete]].
 
A bobina é agora um pequeno rolo de papel fino, geralmente coloridos, utilizados durante as festas, especialmente o carnaval [1].
Alguns relatos dizem que a idéia surgiu quando um industrial observava a brincadeira que algumas telegrafistas francesas faziam ao final do expediente, lançando umas sobre as outras as fitas de papel azulado usado nos telégrafos da época.
 
Ela cai de repente ao ser jogada e forma um par com os confetes festivos.
 
Foi inventada em 1892 (1893) por um empregado do telégrafo, cujo nome é desconhecido e que trabalhou na agência dos Correios em Paris 47. Para fazê-la ele usou durante o Carnaval de Paris tiras de papel código (sinais, ao pé da letra) Morse. Foi, certamente, com bobinas inutilizáveis que iriam para o lixo.
 
A popularidade da serpentina foi extraordinária em Paris.
 
No início, sua fabricação para o Carnaval foi realizada utilizando uma máquina especial que, reaproveitando cartazes velhos que eram distribuidos, transformava-os em tiras de papel de uma polegada de largura por 5-20 metros de comprimento.
 
 
No Carnaval, parisienses jogavam serpentinas pela janela do topo dos edifícios e das árvores. Como testemunha desta prática, um jornalista parisiense escreveu sobre o carnaval em Paris de 1902 [2]:
 
"Se estamos a pensar como um atacadista, mais de duzentos mil rolos já foram vendidos em um único dia: domingo.
Duzentos mil rolos de cinquenta metros de largura, em média, tem sido dez mil milhas de comprimento, como ir de Paris à Madagascar.
As árvores nos bulevares, além disso, ficaram sob o efeito pitoresco de todas essas fitas coloridas enroladas nos ramos, flutuando na brisa. "
Na década de 1890, as autoridades parisienses proibiram o uso de rolos de serpentina durante o Carnaval. O pretexto dado foi que a sua remoção, realizada com ganchos de ferro, era onerosa demais e poderia danificar os botões e matar as árvores. De 1919 a 1921, 1923 a 1932 e, novamente, várias vezes depois, o uso da serpentina, como também o do confete, foi proibido em Paris.
 
 
A serpentina de corrente, que está à venda, é muito mais fina e menor do que as originais.
 
 
Em homenagem ao inventor da serpentina foram organizadas em 2000 exposições sobre o Carnaval de Paris Companhia Carnaval Parisienne "O fumo do Pantruche",
 
 
 
== Fontes ==
 
 
Biblioteca Histórica da Cidade de Paris, o Carnaval Hot News.
Coleções históricas da Prefeitura de Polícia, em Paris.
Coleção completa da revista ilustrada arquivo Roger Viollet, Paris.
 
 
== Notas ==
Esta é uma tradução livre e ainda incompleta do artigo sobre a serpentina em francês (Serpentin, fête).
 
1. Em italiano, il porte le nom de : "stelle filante", "étoiles filantes".
2. Artigo « L'enlèvement des confetti », Le Petit Journal, 13 février 1902.
 
{{esboço-carnaval}}
Utilizador anónimo