Through the Looking-Glass: diferenças entre revisões

201 bytes removidos ,  23h47min de 29 de maio de 2010
bot: revertidas edições de 189.102.145.104 ( modificação suspeita : -103), para a edição 20108282 de EuTuga
(bot: revertidas edições de 189.102.145.104 ( modificação suspeita : -103), para a edição 20108282 de EuTuga)
Carroll, apaixonado por crianças, elaborou as duas narrativas como um contraponto fantasioso e feérico que ridicularizava a compostura exigida às histórias edificantes e moralistas que eram lidas para os pequenos súditos da [[Inglaterra]] [[Era Vitoriana|vitoriana]]. Um claro exemplo é o momento em que a sentenciosa Rainha Vermelha diz: "Fale só quando falarem com você". Alice observa que, se essa regra fosse seguida por todos igualmente, a conversa deixaria de existir.<ref>{{citar web|url=http://veja.abril.com.br/210410/subterraneo-fantasia-p-130.shtml|titulo=No subterrâneo da fantasia| publicado=Veja|data=21-04-2010|lingua=português|acessodata=07-05-2010}}</ref>. Porém, tanto ''Alice no País das Maravilhas'' quanto ''Alice Através do Espelho'' mostraram ser muito mais do que histórias infantis: são obras-primas da [[literatura fantástica]] de todos os tempos, para leitores de todas as idades.
A historia foi inspirada numa garota q entregou sua parte traseira para um garoto de 14 anos em minas gerais, e caroll viu, e entrou na festinha tambem, ai rolo um suruba muito foda e sexo rola a solta
No [[Brasil]], uma das [[tradução|traduções]] mais conhecidas - com uma linguagem dirigida ao público infantil, foi feita por [[Monteiro Lobato]]; outra, mais erudita e fiel ao original, é de [[Augusto de Campos]].