Mosteiro de Santa Catalina de Montefaro: diferenças entre revisões

416 bytes adicionados ,  17h21min de 30 de maio de 2010
imagens
(imagens)
[[Imagem:Mosteiro de Santa Catalina de Montefaro - Ares. "agarimando o patrimonio".jpg|thumb|right|250px|Pinturas no claustro]]
[[Imagem:Mosteiro de Santa Catalina de Montefaro - Ares 2.jpg|thumb|right|200px|Guarita na entrada]]
O '''[[Mosteiro]] de Santa Catalina de Montefaro''', situado na câmara munícipal de [[Ares]], [[província da Corunha]] foi fundado para o ano [[1145]] pelo Conde [[Pedro de Osorio]], da [[Casa de Trava|casa dos Trava]], passando logo baixo o mecenado dos [[Conde de Andrade|Andrade]].
 
==História==
Foi [[Fernán Pérez de Andrade]] o que no ano [[1393]] fundou sobre a primitiva construção o que seria o Convento da Ordem Terceira de São Francisco, mediante documento assinado pelo [[Arquidiocese de Santiago de Compostela|Arcebispo compostelán]] [[Juan García Manrique]], em [[Burgos]]. Nele concedia a Fernán Pérez e à Ordem de São Francisco abundantes privilégios económicos que, somados às terras da península de Ares e Mugardos, singelas à casa de Andrade por [[Henrique II de Castela|Henrique II]] no [[1371]], dotam ao primeiro abade do mosteiro, frei Lope Manteiga, do controlo eclesiástico sobre as freguesias de [[Cervás, Ares|Cervás]], [[Caamouco, Ares|Caamouco]], a ermida de [[Chanteiro]], Franza, o termo da actual câmara municipal de [[Mugardos]], e parte dos de [[Minho]], [[Narón]], [[Neda]] e [[Ferrol]].
 
O enorme peso do mosteiro na vida dos habitantes da vila e terras de [[Mugardos]], alargado durante os séculos XVI e XVII, encontrou a oposição da vizinhança a fins do século seguinte, quando se produz a conversión de [[Ferrol]] em arsenal e largo forte pelos reformistas borbónicos em [[1757]].
Os franciscanos desaparecem de Montefaro com a [[desamortização]] de [[Mendizábal]] em [[1837]], passando as suas terras ao exército, que instala ali uma dotação estável.
 
A pervivencia do [[arte románicaromânica|románicoromânico]] na [[Galiza]] em períodos nos que o [[arte gótica|gótico]] era já utilizado noutras zonas, conforma em Montefaro uma construção de transição desvirtuada por reformas posteriores no [[século XVIII]], e pela sua adaptação a usos militares. Da fábrica de 1393 só se conserva uma magnífica portada ao fundo do segundo claustro; três vãos cobertos por uma arcada dupla entrecruçada, de [[arquivolta]]s apontadas, que se apoia sobre colunas pareadas, com capiteis de decoración zoomórfica e passagens da vida de [[Francisco de AsísAssis|São Francisco]]. Nas basas predominam as vieiras de adscrición [[Jubileu Compostelano|jacobea]].
 
[[Ficheiro:Acroteira da igrexa do mosteiro de Santa Catalina (Montefaro).JPG|thumb|Acrotera do século XIV da igreja do mosteiro, exposta no Museu Arqueológico e Histórico da Corunha.]]
As obras realizadas pelo exército tiraram à luz grande quantidade de restos escultóricos de factura semelhante à citada portada: capiteis, lápides sepulcrais, cabeças de estátuas, canecillos e fragmentos de arcos, que trás estar vários anos adornando a alameda de acesso ao Mosteiro - Esquadra transferiram ao Museu do [[Castelo de SãoSanto Antón]] na [[Corunha]].
 
Do mesmo modo das obras de uma galería de tiro foram extraídas umas pedras talhadas que pertenciam provavelmente a uma capela exenta, dada a distância do edifício principal. De finais do [[século XVI]] acharam-se, na reconstrução do claustro umas pinturas renacentistasrenascentistas, em mal estado, representando faixas verticais com motivos vexetais xeométricosgeométricos.
 
A antiga igreja conventual deveu ter planta de cruz latina, substituída no [[século XVIII]] por nave única com coberta de [[abóbada de cañónberço]] sobre arcos dovelados e lunetos sobre o [[altar]] maior. O retablo que a preside de madeira estofada e policromada, reproduz um esquema barroco com retoques posteriores: As antigas imagens estão em igrejas ferrolás. São [[barroco]]s os dois claustros, com arcadas de médio ponto sobre janelas rectangulares, entaboamento [[ordem dórica|dórico]] e columnata de pilastras. A [[torre]] de formas maciças, coroa-se com uma [[balaustrada]] e um [[ciboriozimbório]], com um marcado carácter churrigueresco.
 
De um dos seus vãos foi transferida à Alameda uma estátua de São Francisco sem cabeça que se atribui a [[Mateo de Prado]]. Uma figura zoomórfica, animal heráldico da casa de Andrade, emprázase no exterior da capela.
 
==Ver também==
[[Imagem:Mosteiro de Santa Catalina de Montefaro - Ares.jpg|250px|thumb|right|Javali, símbolo dos Andrade]]
 
*[[Mosteiro]].
*[[Anexo:Lista de mosteiros e conventos da Galiza]]
1 498

edições