Diferenças entre edições de "13.ª Divisão de Montanha da Waffen SS Handschar"

m
{{semSem-fontes|data=Dezembro de 2008}}
{{Unidades Militares
|nome_da_unidade= 13ª Divisão de Montanha da Waffen SS Handschar
|tipo= Montanha
|dimensão= Divisão
|Batalhas= Operation[[Segunda Wegweiser<brGuerra />Mundial]]
:[[Operação Wegweiser]]
Operation Sava<br />
:[[Operação Sava]]
Operation Osterei<br />
:[[Operação Osterei]]
Operation Rübezahl<br />
:[[Operação Rübezahl]]
Operation Maibaum<br />
:[[Operação Maibaum]]
Operation Maiglockhen<br />
:[[Operação Maiglockhen]]
|comandantes_notáveis= SS-[[Obergruppenführer]] [[Arthur Phelps]]
}}
A '''13.ª Divisão de Montanha da Waffen SS Handschar''' (1.ª Croata) foi uma das trinta e oito divisões de exercito parte das [[Waffen-SS]] durante a [[Segunda Guerra Mundial]].Foi a maior das divisões SS, com {{formatnumFormatnum:21065}} homens no seu corpo, composto quase inteiramente de muçulmanos e católicos não-germânicos recrutados na [[Bósnia]]. Handschar (bósnio / croata: Handžar) é uma palavra local para a [[cimitarra]] turca (árabe: khanjar, خنجر), um símbolo histórico da Bósnia e do Islã. Uma imagem do Handschar enfeita a bandeira da divisão e o brasão de armas.
 
A divisão Handschar foi uma formação de infantaria de montanha, conhecida pelos alemães como "Gebirgsjäger". Foi utilizado para conduzir operações contra os partidários jugoslavos nas montanhas Balcânicas de fevereiro a setembro de 1944.
A Queda em 1942 fez o SS Reichsführer Heinrich Himmler e o SS-General [[Gottlob Berger]] abordarem Hitler com a proposta de criar uma SS divisão de muçulmanos bósnios.
 
No Ano Novo de 1943, mais de {{formatnumFormatnum:100000}} bósnios muçulmanos foram mortos (9% dos bósnios no período) em grande parte pelos sérvios Chetniks e {{formatnumFormatnum:250000}} foram expulsos de suas casas. "Os muçulmanos" comentou um General alemão, "ostentar o estatuto especial de ser perseguido por todos os outros"[2]
 
Himmler observava uma fanática e cega obediência nos bósnios e pensou que iria tornar os homens muçulmanos em soldados SS perfeitos, como no Islã "é prometido o Paraíso se eles lutarem e forem mortos em ação." {{Carece de fontes|data=outubro de 2009}}. Himmler foi inspirado pelo sucesso dos regimentos de infantaria bósnios na Primeira Guerra Mundial.
Na Primavera 1943, o Mufti de Jerusalém, Mohammad Amin al-Husayni, (também conhecido por Amin al-Husseini), foi recrutado pelos nazis para ajudar na organização e recrutamento de Bósnios na Waffen SS e outras unidades da Jugoslávia. Ele conseguiu convencer os Bósnios de ir contra as declarações dos clérigos de Sarajevo, Mostar e Banja Luka, que em 1941 proibiu os muçulmanos bósnios de colaborar com a Ustaše. O Ministro dos Negócios Estrangeiros croata [[Mladen Lorkovic]] sugeriu que a divisão se chamasse "SS Divisão Ustasa", não sendo assim uma divisão SS, mas uma unidade croata organizada com a assistência SS, e que os nomes dos regimentos fossem nomes locais como "Bosna", "Krajina" , "Una", etc
 
A Enciclopédia do Holocausto afirma que "Os alemães fizeram questão de tornar público o fato de que Husseini tinha voado de Berlim a Sarajevo com o único objetivo de dar a sua bençãobênção para o exército muçulmano e inspeção dos seus tropas e exercícios de treino". De acordo com Aleksa Djilas do ''The Nation That Wasn't''., Al-Husayni "aceitou, visitou a Bósnia, e convenceu alguns importantes líderes muçulmanos de que uma divisão SS muçulmana seria do interesse do Islã. Apesar de estes e outros esforços de propaganda, apenas metade do esperado de {{formatnumFormatnum:20000}} a {{formatnumFormatnum:25000}} voluntários muçulmanos se apresentaram". Pavelic, o dirigente da Federação Croato-fascista Ustashe, opôs-se à contratação de uma divisão exclusivamente muçulmana e estava preocupado com um golpe de independência muçulmana, considerando-se áreas muçulmanas como uma parte do Estado Nazi "Estado Independente da Croácia", que incluía a Bósnia. Como um compromisso a divisão foi chamado de "Croatas" e incluía, pelo menos, 10% croatas católicos .
 
Al-Husayni insistiu em que "A tarefa mais importante desta divisão deve ser a de proteger a pátria e as famílias (dos voluntários bósnios), a divisão não deve ser autorizado a deixar a Bósnia", mas esta solicitação foi ignorada pelos alemães.
A Divisão participou das operações em Wegweiser, Save, Osterei, Maibaum, Maiglöckchen, Vollmond, Fliegenfänger, Heidrose e Hackfleisch a partir de fevereiro a setembro de 1944.{{Carece de fontes|data=outubro de 2009}}
 
{{Ref-sectionReferências}}
 
{{Divisões SS}}
[[fr:13e division de montagne de la Waffen SS Handschar]]
[[he:דיוויזיה הררית מס' 13, חאנדיאר אס אס]]
[[hr:13. oružana gorska divizija SS-a "Handžar"]]"
[[it:13. Waffen-Gebirgs-Division der SS Handschar]]
[[ja:第13SS武装山岳師団]]
[[sr:13. оружана брдска СС дивизија „Ханџар“]]
[[sv:13. Waffen-Gebirgs-Division der SS Handschar (kroatische Nr. 1)]]
[[tr:13. SS Waffen Dağcı Tümeni "Handschar"]]"
198 190

edições