José Lino Grünewald: diferenças entre revisões

Nascido no bairro de [[Copacabana]], José Lino Grünewald, conhecido como ''Zelino'' pelos colegas da Noigandres, obteve o diploma de Bacharel em Direito na Universidade do Brasil, atual [[Universidade Federal do Rio de Janeiro]], em 1953, trabalhando na [[Fundação Getúlio Vargas]].
 
Começa a colaborar na imprensa em 1956, por intermédio do poeta [[Mário Faustino]], destacando-se na crítica literária e, principalmente, de cinema, sendo esta última embasada por conceitos filosóficos <ref>[http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_lit/index.cfm?fuseaction=biografias_texto&cd_verbete=5201&cd_item=35 Enciclopédia Itaú Cultural de Literatura Brasileira. ''Grünewald, José Lino (1931 - 2000)''. 12/05/2009.]</ref>, nas décadas seguintes, escrevendo para o [[Jornal do Brasil]], [[Correio da Manhã]], [[O Globo]], [[Tribuna da Imprensa]], [[Última Hora]], [[O Estado de São Paulo]], [[Jornal da Tarde]] e [[Folha de São Paulo]] até o ano de 1993<ref>[http://www.dicionariodetradutores.ufsc.br/pt/JoseLinoGrunewald.htm#b Dicionário de tradutores literários no Brasil. Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução. UFSC. Florianópolis. SC. 2005-2007. Fonte Itaú Cultural.]</ref>.
Enciclopédia Itaú Cultural de Literatura Brasileira. ''Grünewald, José Lino (1931 - 2000)''. 12/05/2009.]</ref>, nas décadas seguintes, escrevendo para o [[Jornal do Brasil]], [[Correio da Manhã]], [[O Globo]], [[Tribuna da Imprensa]], [[Última Hora]], [[O Estado de São Paulo]], [[Jornal da Tarde]] e [[Folha de São Paulo]] até o ano de 1993<ref>[http://www.dicionariodetradutores.ufsc.br/pt/JoseLinoGrunewald.htm#b Dicionário de tradutores literários no Brasil. Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução. UFSC. Florianópolis. SC. 2005-2007. Fonte Itaú Cultural.]</ref>.
 
Em 1957 tornou-se o último dos cinco membros do grupo [[Noigandres]], fazendo parte da edição da sua revista a partir do nº5, em fins de 1962, sendo o principal finciador deste número. Foi também um dos editores da revista [[Revista Invenção|Invenção]], segunda porta-voz da poesia concreta, desde o seu primeiro número, em 1962, ao último, em 1966. Grünewald já era, anteriormente, participante da equipe editora da página homônima, no jornal [[Correio paulistano]], desde 1960 <ref>[http://www.faap.br/revista_faap/revista_facom/facom_16/omar.pdf Khouri, Omar. Noigandres e Invenção. Facom. Faap. Setembro de 2006.]</ref>.
3 501

edições