Diferenças entre edições de "Syndicato Condor"

12 bytes adicionados ,  20h09min de 12 de novembro de 2010
Durante a segunda guerra, a presença de alemães no Sindicato Condor prejudicou bastante sua operação, assim os brasileiros a frente da companhia como José Ribeiro Dantas e Leopoldino Amorim alteraram sua razão social alterada para Cruzeiro do Sul, para evitar qualquer ligação com a Alemanha nazista. Nesta época o símbolo da empresa era uma gaivota, no pós-guerra, a frota de aeronaves alemãs foi substituída por aviões americanos, principalmente os tipos [[Douglas DC-3]] e também houve encomendas de [[Douglas DC-4]] de longo curso.
 
Durante a [[década de 1960]], juntou-se à VARIG[[Varig]] e Panair do Brasil no seleto grupo nacional de operadores de aviões a jato, com a compra direta do fabricante frances Sud-Est, o modelo [[Caravelle|Sud Aviation Caravelle]]. Na mesma época se destaca também as operações com tipos Boeing 727-100. No começo da década de 70 renovou sua frota com aeronaves Boeing 737-200, que juntaram-se a sua frota de Boeing 727-100 e YS11 Samurai. Em forte crise financeira iniciou negociações para ser vendida, a VASP era a principal candidata à sua compra, no entanto por diversas vezes alterar a proposta de compra, foi ultrapassada pela VARIG[[Varig]], que adquiriu a CRUZEIROCruzeiro em 1975. Momento este em que muitos pensaram que o nome e os prefixos PP-Cxx estariam acabados.
 
No ano de 1979 a Cruzeiroencomendou quatro aeronaves Airbus A300, inéditos no país, os quais tiveram grande importância nas operações no [[aeroporto de Congonhas]], quando em 1980 partiam para os mais diversos destinos, como [[Buenos Aires]], [[Miami]], e [[Caracas]]. No entanto o uso desses aviões nas rotas de Miami e seu incontestável sucesso fez a VARIG[[Varig]] optar pela pintura dos 2 A300 restantes da encomenda em suas cores, por exigências do FAA e também pelo ofuscamento que a CRUZEIROCruzeiro causava então.
 
Em [[1983]] a Cruzeiro ficou encarregada de testar a aceitação do McDonell Douglas MD80, porém uma desvalorização cambial impediu o sucesso do negócio. Esta época era de completo domínio da Boeing no mercado de curto alcance com os Boeing 727 e 737 dominando o mercado nas cores da [[Varig]], [[Vasp]], [[Transbrasil]] e Cruzeiro. Em 1993 os Boeing 727-100 foram desativados e a companhia totalmente incorporada dentro da [[Varig]], no entanto a bela marca Cruzeiro do Sul pôde ser vista nos aeroportos até o ano de [[1997]], quando a Varig mudou sua identidade visual, acabando assim com a constelação de cinco estrelas das caudas dos aviões, a única lembrança desta empresa são os prefixos PP-CJx que perduraram por mais um curto período de tempo após a repintura das aeronaves.
12 713

edições