Ibelin: diferenças entre revisões

6 411 bytes removidos ,  02h52min de 20 de novembro de 2010
m
Adicionando marcação (usando FastButtons)
m (Adicionando marcação (usando FastButtons))
<!--Má tradução-->
Ibelin era um castelo no Reino Cruzado de Jerusalém no século XII (agora Yavne), e também o sobrenome de uma proeminente família de nobres.
{{Av-matrad/Código|data=20 de dezembro|marcação=20101220}}
==O Castelo==
<!--********************************************************************************
O sitio de Ibelin tinha sido ocupada desde os tempos antigos, os romanos chamavam Iamnia. O castelo dos cruzados foi construído em 1141 entre Jaffa e Ascalon, perto Montgisard e Ramla. Naquela época Ascalon foi ainda controlado por Fatímidas do Egito, e os exércitos egípcios marcharam para fora todos os anos de Ascalon, para atacar o reino cruzado. Ibelin foi construído a fim de conter os ataques a uma área menor. O castelo, construído pelo rei Fulque de Jerusalém e tinha quatro torres.
************************************************************************************
==A Família: primeira e segunda geração==
****** NOTA INVISÍVEL QUE SERVE PARA CONTROLAR [[Especial:Páginas_curtas]] ******
A família de Ibelin passou de humilde a uma das famílias nobres mais importantes dos Estados cruzados de Jerusalém e Chipre. A família alegava ser descendente do Puiset Le viscondes de Chartres, mas esta parece ser uma invenção posterior. Eram mais provavelmente a partir de Pisa Itália, o nome 'Barisan', sendo encontrado em Toscana e Ligúria relacionadas à família Azzopardi.
****** ******
 
****** deve-se retirar esta nota invisível apenas quando se adicionar ******
Em 1141, o Rei Fulk deu a Barisan o Castelo de Ibelin como uma recompensa pela sua lealdade durante a rebelião de Hugo I de Jaffa em 1134. Ibelin passou a fazer parte do condado de Jaffa, que na época estava sob o domínio directo do rei. Do casamento de Barisan com Helvis nasceu Hugo, Baldwin, Barisan, Ermengarde e Stephanie. Barisan ficou conhecido como Balian. Junto com Ibelin, a família também possuía Ramallah (herdadas Helvis) e Nablus (dada a Balian ao se casar com Maria Comnena, viúva do rei Amalric I de Jerusalém).
****** algum texto válido à página ******
 
************************************************************************************
A família sofreu um aumento notável no estado em apenas duas gerações. Nas circunstâncias do reino cruzado, esta rápida ascensão, n''oblesse nouvelle'', não foi tão difícil como teria sido na Europa.
*********************************************************************************-->
==A família desde o século XIII==
Os descendentes de Balian estavam entre os nobres mais poderosos do Reino de Jerusalém e do Chipre. O primeiro filho, Balian João de Ibelin, o "Velho Senhor de Beirute", foi o líder da oposição a Frederico II, imperador do Sacro Império Romano, quando este tentou impor autoridade imperial sobre os estados cruzados. A família retomou brevemente o controle do castelo de Ibelin em 1241 na sequência de Frederico Sexta Cruzada, quando determinados territórios foram devolvidos aos cristãos por um tratado. João teve muitos filhos com Melisende de Arsuf, incluindo Balian, senhor de Beirute; Baldwin, senescal de Chipre, outro João, senhor de Arsuf e o condestável de Jerusalém, e Guy, condestável de Chipre. Este Balian se casou com Eschiva de Montbéliard, e foi o pai de João II de Beirute, que se casou com a filha de Guy I de la Roche, duque de Atenas. João de Arsuf foi o pai de Balian de Arsuf, que se casou com Plaisance de Antioquia. Guy o policial era o pai de Isabella, que se casou com Hugh III de Chipre.
 
Balian de Ibelin o segundo filho Felipe foi regente de Chipre, enquanto sua sobrinha, a rainha viúva, Alice, precisava de ajuda para governar. Com Alice de Montbéliard, Felipe era o pai de João de Ibelin, conde de Jaffa e Ascalon, regente de Jerusalém, e autor do Assizes da Haute Cour de Jerusalém, o documento legal mais importante do reino cruzado. João casou-se com Maria, irmã de Hethum I da Arménia, e foi o pai de James, conde de Jaffa e Ascalon e também um jurista observou, e de Guy, conde de Jaffa e Ascalon e marido de sua prima Maria, filha Hethum.
 
Vários membros da família foram para o novo reino de Chipre no início do século 13. A maior parte do restante se mudou para lá como o reino do continente perdido pedaço por pedaço. Nenhum membro da família Ibelin parece ter ido para qualquer outro país durante esse período. Neste momento, alguns dos senhores Embriaco de Gibelet, parentes dos Ibelins, também tomou o nome de ''Ibelin'' devido à sua ascendência materna comum.
 
Apesar de uma família de modesta origem no lado paterno, o Ibelins no séculos XIII a XV estavam entre os mais altos da nobreza no Reino de Chipre, produzindo noivas para os filhos mais novos, netos e irmãos dos reis (embora os reis e os filhos mais velhos tendem a encontrar mais esposas reais). Como alguns destes príncipes cadete inesperadamente subiu para a realeza, filhas da Ibelin às vezes eram rainhas. Ibelins viveu entre os casados e para os círculos mais altos de Chipre, entre as famílias, como Montfort, Dampierre, Brunswick ducal, (Antioquia) Lusignan, Montbeliard e Gibelet. Eles também tiveram antepassados mais nobres: Maria Comnena era da bizantina imperial Comnenus dinastia e era descendente dos reis da Geórgia, Bulgária, antiga Armênia, Pártia, Pérsia e Síria.
 
Quando o Reino de Chipre foi destruído no século XV, o Ibelins aparentemente também perderam suas terras e as posições (a família possivelmente foi extinta)as fontes, pelo menos, deixam de mencioná-los. Descendentes do Ibelins, através da família real de Chipre, incluem várias famílias reais da Europa moderna, uma vez que os seus descendentes Anne, Duquesa de Sabóia, filha do Janus de Chipre, foi, por exemplo, o antepassado dos duques de Sabóia, La príncipe Tremoille de Talmond e Taranto, a família Longueville, o príncipes do Mónaco, o eleitor da Baviera, o Farnese de Parma, a última Valois reis da França, duques de Lorena, a Habsburg-Lorraines, os Bourbons de Navarra e França, e, como seus descendentes, praticamente todos os católicos de royalties nos últimos séculos.
==Senhores de Ibelin==
 
* Barisan de Ibelin (c. 1134-1150)
* Hugo de Ibelin (1150-1170)
* Balduíno de Ibelin (herdadou Ibelin em 1170, mas passou para Balian)
* Balian de Ibelin (1170-1193)
* João de Ibelin (1193-1236)
* Depois detidas directamente pelos condes de Jaffa e Ascalon
==Referencias==
* William of Tyre (1943), A History of Deeds Done Beyond the Sea, trans. E. A. Babcock and A. C. Krey, Columbia University Press
* Edbury, Peter W. (1997), John of Ibelin and the Kingdom of Jerusalem, Boydell Press
* Mayer, H. E. (1982), "Carving Up Crusaders: The Early Ibelins and Ramlas", Outremer: Studies in the history of the Crusading Kingdom of Jerusalem presented to Joshua Prawer (Yad Izhak Ben-Zvi Institute)
* Nielen-Vandervoorde, Marie-Adélaïde (2003), Lignages d'Outremer, Documents relatifs à l'histoire des Croisades, Académie des Inscriptions et Belles-Lettres, ISBN 287754141X
* Rüdt de Collenberg, W. H. (1977-1979), "Les Ibelin aux XIIIe et XIVe siècles", Επετηρίς Κέντρου Επιστημονικών Ερευνών Κύπρου 9
* Rüdt de Collenberg, W. H. (1983), Familles de l'Orient latin XIIe-XIVe siècles, Variorum reprints, pp. 117–265, reprint of article Les Ibelin aux XIIIe et XIVe siècles.
* Runciman, Steven (1951-1953), A History of the Crusades, Cambridge University Press
==Ver também==
* [[Cruzada]]
* [[Balian de Ibelin]]
* [[Kingdom of Heaven]], filme de 2005
 
[[cs:Ibelin]]
[[de:Ibelin]]
[[el:Ιμπελέν]]
[[en:Ibelin]]
[[es:Ibelín]]
[[fr:Seigneurie d'Ibelin]]
[[ko:이벨린]]
[[it:Ibelin]]
[[nl:Ibelin]]
[[ja:イベリン家]]
[[pl:Ibelin]]
[[ro:Senioria de Ibelin]]
[[ru:Ибелин]]
784 467

edições