Abrir menu principal

Alterações

117 bytes adicionados ,  01h04min de 24 de fevereiro de 2011
sem resumo de edição
Era filho do ex-presidente da República [[Affonso Augusto Moreira Penna]] ([[1906]] - [[1909]]), e de Maria Guilhermina de Oliveira Pena.
 
Formou-se em [[Direito]] pela [[Faculdade de Direito da Universidade Federal de BeloMinas HorizonteGerais]] em [[1902]]. Na mocidade, pertenceu a grupos [[Literatura|literários]], em [[Belo Horizonte]] e cultivou a [[poesia]] [[Simbolismo|simbolista]].
 
Foi professor de [[Direito Internacional Público]] e de [[Direito Civil]] na [[Faculdade de Direito da Universidade Federal de BeloMinas HorizonteGerais]] e secretário do Interior do [[Minas Gerais|Estado de Minas Gerais]]. Foi eleito [[deputado estadual]] duas vezes, no período de [[1902]] a [[1912]]. Deixou o cargo para atuar na campanha civilista, combatendo a candidatura do marechal [[Hermes da Fonseca]], de quem era adversário. Retornou à câmara estadual convidado pelo presidente [[Artur Bernardes]]. Atuou ainda como consultor jurídico do [[Banco do Brasil]], cargo de que foi destituído em 1943, por ter assinado o [[Manifesto dos Mineiros]]; foi professor de Direito Civil na Faculdade de Direito da Universidade Católica do [[Rio de Janeiro]]; juiz do [[Superior Tribunal de JustiçaSuperior Eleitoral]] e [[ministro da Justiça]]. Foi membro do Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura e [[reitor]] da Universidade do [[Distrito Federal (Brasil)|Distrito Federal]], além de presidente da Comissão Permanente do Livro do Mérito.
 
Estudou o enigma da autoria das ''Cartas chilenas'' (13 poemas [[Sátira|satíricos]] com estrutura de carta escritos por Critrilo), chegando à conclusão de que o autor era [[Tomás Antônio Gonzaga]]. Notabilizou-se também pelo seu estudo sobre a autoria de ''[[Arte de Furtar]]'', obra tradicionalmente atribuída ao Padre [[Antônio Vieira]], e que ele, através de aturadas pesquisas, tentou mostrar ter sido escrita por [[António de Sousa de Macedo]]. Em [[1940]], porém, já o historiador Francisco Rodrigues SJ, beneficiando de um achado no arquivo romano da [[Companhia de Jesus]], tinha revelado a verdadeira autoria da obra, que desde então é atribuída, com um consenso crescente, ao jesuíta [[Manuel da Costa]].
1 249

edições