Diferenças entre edições de "Código de Manu"

123 bytes adicionados ,  06h47min de 9 de abril de 2011
Desfeita a edição 24464587 de 92.250.3.218 (discussão | contribs)
(Desfeita a edição 24464587 de 92.250.3.218 (discussão | contribs))
{{Sem-fontes|data=abril de 2011| angola=| arte=| Brasil=| ciência=| geografia=| música=| Portugal=| sociedade=|1=|2=|3=|4=|5=|6=}}
'''O Código de Manu''' (do [[sânscrito]] मनुस्मृति, "''Manu Smriti''") é parte de uma coleção de [[bramanismo|livros bramânicos]], enfeixados em quatro compêndios: o ''[[Mahabharata]]'', o ''[[Ramayana]]'', os ''[[Puranas]]'' e as ''Leis Escritas de Manu''. Inscrito em [[sânscrito]], constitui-se na legislação do mundo indiano e estabelece o sistema de castas na sociedade Hindu. Redigido entre os séculos [[séculos II a.C.|II a.C.]] e [[século II d.C.|II d.C.]] em forma poética e imaginosa, as regras no Código de Manu são expostas em versos. Cada regra consta de dois versos cuja metrificação, segundo os indianos, teria sido inventada por um santo eremita chamado Valmiki, em torno do ano 1500 a.C.
 
* Livro Décimo Primeiro – Enumera uma longa série de pecados e faltas e estabelece as penitências e os meios para se redimir.
* Livro Décimo Segundo - Enfoca a recompensa suprema das ações humanas. Aquele que faz o bem terá o bem eterno nas várias transmigrações de sua alma; o que faz o mal receberá a devida punição nas futuras encarnações. As transmigrações da alma são detalhadamente previstas e descritas. Tanto em bem quanto em mal, até que a alma chegue à perfeita purificação e, em conseqüência, possa ser reabsorvida por Brahma.
 
o diluvio.
{{DEFAULTSORT:Codigo Manu}}
[[Categoria:História do direito]]