Abrir menu principal

Alterações

Sem alteração do tamanho, 09h05min de 28 de maio de 2011
sem resumo de edição
Em [[astronomia]] temos a "esfera celeste" que pode ser considerada como um [[globo terrestre|globo]] fictício de raio indefinido, cujo centro radial é o olho do observador. Na esfera celeste os pontos das posições aparentes dos astros, independente de suas distâncias marcam esta superfície hipotética. Esta superfície onde aparentemente estão as estrelas fixadas, gira em torno de uma linha chamada de PP', denominada de linha do eixo do mundo, ou linha dos [[pólo]]s. Perpendicular a este eixo existe uma superfície circular plana denominada EE', que é definida como o "[[Equador Celeste]]". Observando-se a superfície circular do ponto de vista do hemisfério norte do plano equatorial e imprimindo-se um movimento no sentido horário no círculo equatorial temos um eixo ZZ', que é vertical ao lugar onde se encontra o observador, esta é chamada de [[Zênite]] (Z, ao norte) e [[Nadir]] (Z', ao sul). Esta linha vertical tem atravessando-a um plano perpendicular que é chamado de horizonte celeste. As retas PP' e ZZ' formam um plano chamado de "plano meridiano do lugar". A direção OS é o sul, e a direção ON é o norte. Perpendicularmente, ou na horizontal temos uma linha chamada de "linha leste-oeste". Portanto, quando o observador olha para o norte tem o Leste à sua direita e o oeste à esquerda.
 
Muitas das civilizações antigas acreditavam que as [[estrela]]s estavam equidistantes da Terra e que a esfera celeste existia na realidade como o "local" onde elas estavam posicionadas. O ''firmament''o, o suposto ''firme'' dos antigos, não tem existência real, é portanto uma ilusão de optica. No entanto, apesar de incorreto, este modelo é uma útil abstração. Na verdade tudo o que vemos no céu está de tal modo tão distante que as posições relativas e inclusive os movimentos são impossíveis de determinar apenas por observação visual o que tornava correto a abstração. E visto que as distâncias são também indeterminadas, apenas necessitamos de saber a inclinação de um ponto relativo à superfície da terra para o conseguirmos projetar no céu. Desta forma, o modelo da esfera celestial com as [[estrelas fixas]], é uma ferramenta muito útil no campo da orientação espacial [[Navegação astronômica]]. É de certa maneira o [[telescópio]] que põe termo à ilusão do firmamento.
[[Ficheiro:Navisphere2.jpg|thumb]]
À medida que a terra roda em torno do seu eixo, os objetos na esfera celestial parecem rodar em torno dos polos celestiais. Por exemplo, o [[Sol]] parece surgir todos os dias a [[Leste|este]] e desaparecer a [[oeste]], da mesma forma que as estrelas, os planetas e a [[Lua]]. Como a Terra gira de oeste para leste, a esfera celestial aparenta girar de leste para oeste. Algumas estrelas localizadas suficientemente perto dos polos celestiais parecem não se deslocar e apenas flutuar sobre o horizonte, são as chamadas [[estrelas circumpolares]].
Utilizador anónimo