Cristãos árabes: diferenças entre revisões

32 660 bytes removidos ,  8 de junho de 2011
sem resumo de edição
(Página proposta para eliminação rápida (regra 20) (usando FastButtons))
'''Cristão Árabes''' são o grupo étnico de [[árabe]]s que professam a [[fé cristã]]. Não são um grupo étnico distinto, mas um segmento do povo árabe adeptos do cristianismo. Os cristãos árabes constituim uma proporção considerável dos cristãos no oriente médio, entretanto não são o único grupo cristão. Números variados de Cristão Árabes são encontrados na [[Jordânia]], [[Síria]], [[Israel]] e [[territórios da Palestina]].<ref>[Introdução aos árabes cristãos]</ref>
{{ER|20|2=[[Usuário:André Koehne|André Koehne]] ([[Usuário Discussão:André Koehne|discussão]]) 11h38min de 8 de junho de 2011 (UTC)|3=disparate}}
 
{{Pp moveresboço-indefreligião}}
{{Referências}}
{{Vários problemas
| POV dezembro = 2010
| Pesquisa original = julho 2010 | data = maio 2011
}}
{{Cópia editar | data = Julho 2010}}
{{Infobox grupo étnico
| Grupo de cristãos árabes = | imagem = [[Imagem: Khalil Gibran.jpg | 100x100px]] [[Imagem: Michel Aflaq.jpg | 100x100px]] [[Imagem: Fairuz04.jpg | 100x100px]] <br> [[Imagem: Habibi.jpg Emile | 100x100px]] [[Imagem: Amin al-Rihani.jpg | 100x100px]] <br> [[Image: Naderspeak.JPG | 80x80px]] [[Imagem: Suleiman1.jpg | 80x80px]] [[Image .: Tony Shalhoub (1) jpg | 80x80px]] [Arquivo [: Michel Suleiman - 2009.jpg | 100x100px]] [Arquivo [: Jordan.jpg Dalli | 100x100px]]
| Legenda =
[[Khalil Gibran]] {{•}} [[Michel Aflaq]] {{•}} [[Fairuz]] {{•}} [[Emile Habibi]] {{•}} [[Amin al-Rihani] ] {{•}} [[Ralph Nader]] {{•}} [[Suleiman Mousa]] {{•}} [[Tony Shalhoub]] {{•}} [[Michel Suleiman]] {{•}} [[Dalli Hadad]] </ span>
| Região1 = {{bandeira | Egito}}
| Pop1 = 821000 <ref> {{citar web | title = CIA World Factbook: Egipto | url = https: / / www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/eg.html|publisher / = Agência Central de Inteligência | accessdate = 4 de maio de 2011 | quote = População: 82.079.636 (julho 2011 est) ... Muçulmanos (maioria sunita) 90%, copta 9%, outros cristãos um %}}</ ref> {{ref | a | [a]}}
| Região2 = {{bandeira | Líbano}}
| Pop2 = 1.000.000 - 1.600.000 {{ref | c | [c]}}
| Region3 = {{bandeira | Chile}}
| Pop3 = 500000 {{ref | c | [c ]}}{{ ref | b | [b]}}
| Região4 = {{bandeira | Síria}}
| Pop4 ref = 200000 <
nome = <http://www.arabicbible.com/christian/intro_arab_christians.htm walid> </ ref
| Região5 = {{bandeira | Iraque}}
| Pop5 = 10.000 - 20.000 {{ref | b | [b]}}
| Região6 = {{bandeira | Jordão}}
| Pop6 = 100.000 name=walid/> <ref
| Região7 = {{bandeira | Israel}}
| Pop7 = 123000 <ref> [https: / www.cia.gov / library / publications / the-World Factbook / GEOS / is.html Israel], [[CIA World Factbook]], 2010 </ ref>.
| Region8 = {{bandeira | territórios palestinos}}
| Pop8 = 180000 <ref> [https: / www.cia.gov / library / publications / the-World Factbook / GEOS / Cisjordânia we.html] ref [[CIA World Factbook]], 2010 </. > <ref> [https: / www.cia.gov / library / publications / the-World Factbook / GEOS / gz.html Faixa de Gaza], [[CIA World Factbook]] de 2010> </ ref.
| Langs = [variedades [em árabe]], [[língua árabe | árabe]]
| Rels = [[Cristianismo]]
| Scrips = [[Bíblia]]
rodapé = |
[A]. {{Nota | a}} (sem [[coptas br> ]])</
[B] {{nota | b}}. (Excluindo os [[Assíria]] e [[armênios br> ]])</
[C] {{nota | c}}. (Cerca de [[maronita]] rejeitar uma identidade árabe) </ br>
}}
 
[[Categoria:Cristianismo]]
"Os cristãos árabes'''''são árabes étnica de [Christian] [fé], [http://www.arabicbible.com/christian/intro_arab_christians.htm] <ref>" Primeiro, eles não são reconhecidos como as diferentes identidades étnicas , mas sim como os segmentos da "nação árabe" wide que são "da fé cristã." </ ref>, às vezes incluindo também aqueles que são identificados com [[povo árabe | árabe]]. [[panethnicity]] Os cristãos árabes constituem uma proporção considerável de [[cristianismo no Oriente Médio | cristãos no Oriente Médio]], porém eles não são o único grupo cristão, com grandes''não-árabe''comunidades cristãs autóctones de [étnica [povo arménio | armênios] ], [[Assíria pessoas | assírios]], [[povo grego | gregos].], [[coptas]], [[sírios]] e outros existentes e números variados de árabes cristãos são encontrados em [[Jordan]] [[Síria]], [[Israel]] e [territórios [palestinos | Palestina região autónoma.]] <ref> [http://www.arabicbible.com/christian/intro_arab_christians.htm] "Onde estão os verdadeiros ' Os cristãos árabes? " Eles estão dispersos entre a Jordânia, Síria, Israel e os territórios palestinos autônomos. "</ Ref> Eles são remanescentes dos clãs árabes cristãos ou cristãos arabizados que escapou islamização e, mais recentemente, o produto final da Evangelização. Eles são estimados em 200.000 na Síria, cem mil na Jordânia e um número igual ou mais entre a população árabe-palestino, incluindo no seio da população árabe-israelense. <ref> [http://www.arabicbible.com/christian/intro_arab_christians.htm] </ ref> Emigrantes dessas comunidades árabes cristãos compõem uma parcela significativa da diáspora do Oriente Médio, com alta concentração demográfica nas [[Américas]], especialmente no [[Brasil]], [[Chile]], [[Colômbia ]], o [Dominicana [República]], [[Equador]], [[México]], [Peru]] [[Trinidad [e Tobago]], [[Estados Unidos]], [[Canadá]] e [[Venezuela ]].{{ Carece de fontes | data = maio 2011}}
[[Categoria:Árabes]]
 
[[ar:مسيحيون عرب]]
Agrupamento das nações cristãs no [[Oriente Médio]] pode ser de [[etnia]] e diversos [[] ancestral] origens, cujos membros se identificam como tais em um ou mais dos fundamentos da linguagem, da cultura, ou genealogia. Mesmo que às vezes classificado como cristãos árabes, o maior grupo cristão do [[libaneses]] [[maronitas]] e [[Egito]] [[coptas]] reivindicar uma etnia não-árabe. Muitos dos [[maronitas]] de [Líbano]] [descida reivindicação antiga de [[Fenícios]], enquanto alguns [[Egito]] Ian [[coptas]] também evitam uma identidade árabe, preferindo um [[Antigo Egipto] ] ian um. No entanto, os maronitas e cristãos tinham perdido a diferenciação lingüística durante a [Otomano [Império | Otomano]], período em favor da língua árabe.
[[de:Arabische Christen]]
 
[[es:Árabes cristianos]]
Os grupos cristãos de [[assírio-caldeu / sírio pessoas | Chaldo-assírios e sírios]], que formam a maioria dos cristãos no [[Iraque]], a nordeste [[Síria]], sudeste [[Turquia]] e Noroeste [[Irão]], são geralmente identificadas não-árabes grupos étnicos, incluindo pelo govornments do Iraque, Irã e Turquia. Eles têm seus próprios dialetos nativos de [[Siríaco ]]-[[ aramaico]], além de às vezes também fala dialetos locais árabe. No entanto, apesar das suas antigas raízes pré-árabe e as diferentes identidades linguo-cultural, <ref> [http://www.cambriapress.com/abi/9781604975833abi.pdf] </ ref> cristãos assírios são muitas vezes erroneamente relacionados por fontes ocidentais como "Os cristãos do mundo árabe" ou "árabe os cristãos", criando confusão sobre sua identidade no mundo ocidental. <ref> [http://conference.osu.eu/globalization/publ/08-bohac.pdf] "Apesar da imaginação generalizada geográfica do Oriente Médio como um árabe e islâmico monólito, apoiados por meios de comunicação ocidentais e alguns estados do Oriente Médio políticos alta, o Oriente Médio é uma região bastante heterogênea. Esta região compreende numerosos étnica, nacional, religiosa, lingüística ou étnica grupos religiosos. "</ ref> Também foram erroneamente relacionados como" árabe "pelos movimentos pan-árabes e os regimes árabes-islâmicos contra a sua vontade. <ref> http://www.arabicbible.com/christian/intro_arab_christians [ .] htm "os regimes árabes-islâmicos na região afirmam que todos os cristãos que vivem dentro dos limites de" fronteiras árabes "são" árabes'."</ Chaldo-Assyrians/Syriacs ref> opor fortemente a classificação e ter preferido um identidade étnica distinta, <ref> [http://conference.osu.eu/globalization/publ/08-bohac.pdf] "assírios são um étnica, lingüística e religiosa distinta minoria na região do Oriente Médio." </ ref> que foi oficialmente intacto durante o período otomano.
[[eo:Arabaj Kristanoj]]
 
[[fr:Arabes chrétiens]]
== História ==
[[id:Arab Kristen]]
O Novo Testamento tem um relato bíblico da conversão ao cristianismo árabe no livro de Atos, em Jerusalém, no testemunho de [[St. Pedro]], Capítulo 2: Versículo 11: "(tanto judeus como convertidos ao judaísmo), cretenses e árabes os ouvimos declarar as maravilhas de Deus em nossa própria língua!" <ref> {{Citar web | url = http: / / www.huffingtonpost.com/daoud-kuttab/christian-arabs-like-the_b_201052.html | title = Daoud Kuttab: cristãos árabes Como o Papa Quer Paz com Justiça | publisher = Huffingtonpost.com | data = | accessdate = 2010 - 07-26}} </ ref> <ref> {{citar web | title = cristãos árabes | url = http://www.jerusalemites.org/jerusalem/christianity/2.htm: Uma das Espécies | publisher = habitantes de Jerusalém. = data 1999/03/18 | | accessdate = org 2010/07/26}} </ ref> árabes cristãos são, portanto, uma das mais antigas comunidades cristãs.
[[it:Arabi cristiani]]
 
[[he:ערבים נוצרים]]
A primeira menção do cristianismo em terras árabes ocorre no Novo Testamento como o apóstolo Paulo refere-se a sua viagem, na Arábia, após sua conversão (Gálatas 1: 15-17). Mais tarde, [[Eusébio de Cesareia]] discute um bispo chamado Beryllus no ver de Bostra, o site de um [[sínodo]] c. 240 e dois [[Conselhos da Arábia.]] Cristãos existia em terras árabes do terceiro século em diante. Name="Parry <ref 1999 37"> {{citar livro
[[mk:Арапски христијани]]
| Último = Parry
[[ms:Arab Kristian]]
| Primeiro = Ken
[[pl:Arabscy chrześcijanie]]
| Authorlink =
[[ru:Арабы-христиане]]
coautores = David Melling (editores) |
[[simple:Arab Christians]]
| Title = O Dicionário de Blackwell do cristianismo oriental
[[zh:阿拉伯基督徒]]
| Publisher = Blackwell Publishing
| Ano = 1999
| Location = Malden, MA.
| Id = ISBN 0-631-23203-6
| Page = 37
}} </ Ref>
 
Alguns estudiosos modernos sugerem que [[Filipe, o Árabe]] foi o primeiro imperador cristão de Roma <ref. Name="Parry 1999 37" /> Por volta do século 4 um número significativo de cristãos ocuparam a península do Sinai, na Mesopotâmia e Arábia.
 
Ao longo de muitas épocas da história, os cristãos têm coexistido relativamente pacificamente com os seus colegas não-cristãos vizinhos árabes, principalmente muçulmanos e judeus. Mesmo após a rápida expansão do Islã a partir do século 7 através das conquistas islâmicas, muitos cristãos optaram por não se converter ao islamismo. No entanto, houve muitos períodos de perseguição também, {{Carece de fontes | data = junho 2011}} e os cristãos eram muitas vezes sujeitas a [[Jiziah: Jiziah]], um imposto discriminatório {{Carece de fontes | data = junho 2011}}. Como " [As pessoas [do] livro] ", os cristãos na região são concedidos certos direitos sob a lei islâmica (Sharia) para praticar sua religião, fortemente condicionada, no entanto, a pagar uma taxa exigida dos não-muçulmanos chamado" [[Jiziah: Jiziah ]] "(pronuncia-se Jiz-ya), em forma de dinheiro ou bens. O imposto não incide sobre os escravos, mulheres, crianças, monges, dos anciãos, os enfermos, <ref> Shahid Alam, diferenças de articulação do grupo: uma variedade de Autocentrisms Jornal da Ciência e Sociedade, 2003 </ ref> <ref> Seed , Patricia. ''Cerimônias de Posse na Europa Conquista do Novo Mundo, 1492-1640'', Cambridge University Press, 27 de outubro de 1995, pp 79-80. </ Ref> [[eremitas]], ou os pobres. <Ref Ali>, Abdullah Yusuf (1991). O Sagrado Alcorão. Medina:. King Fahd Santo Qur-uma impressão complexos </ ref> Em contrapartida, os cidadãos não-muçulmanos foram autorizados a praticar a sua fé, para desfrutar de uma medida de autonomia comunal, para ter direito à protecção muçulmana estado de agressão externa, a ser isentos de [[serviço militar]] e''zakat [[]]'', uma forma de []] imposto [o que é obrigatório para os cidadãos muçulmanos <ref name=Esposito> [[John Esposito |. Louis John Esposito] ],''o Islã''Caminho Reto, Oxford University Press, 15 de janeiro de 1998, p. 34. </ Ref> <ref> Lewis (1984), pp 10, 20 de Abdullah Yusuf </ ref> <ref> Ali, (1991). O Sagrado Alcorão. Medina: o rei Fahd Santo Qur-Complex uma impressão, pg. 507 </ ref>
 
[[Imagem: Saint Abo da Tiflis.jpg | thumb | left | Christian [[mártir]] [[Saint Abo]], patrono da [[Tbilisi]]]]
 
Árabes cristãos, árabes e Mosaic ("judeus árabes") para essa matéria, são anteriores árabes muçulmanos, como havia muitas tribos árabes que aderiram ao cristianismo, logo no primeiro século, incluindo [[nabateus]] (que incorpora elementos de ambos os árabes e [arameus []]), o [[Ghassanids]] eo [Lakhmids [.]] Os últimos foram de [[qahtanitas | Qahtani]] de origem iemenita, e falou-árabe, assim como o grego, e que protegia as fronteiras sul-oriental do [[Império Romano | romanos]] e [[Império Bizantino]] s no norte . Saudita {{Carece de fontes | data = Fevereiro 2010}}
 
As tribos de [[Tayy]], [[Abd Al-Qais]] e [[Taghlib]] também são conhecidos por ter incluído muitos cristãos no período pré-islâmico. A cidade iemenita de [[Najran]] era um centro de Arabian cristianismo, que ficou famoso pela perseguição por um dos reis do Iêmen, Dhu Nawas, que era um entusiasta converter ao [[Judaísmo]]. O líder dos árabes de Najran, durante o período de perseguição, Al-Harith, foi canonizado pela Igreja Católica Romana como [[São Aretas.]]
 
== Cristãos árabes hoje ==
=== === Egito
A maioria dos cristãos egípcios são [[coptas]] e são principalmente membros da [[Igreja Ortodoxa Copta.]] Embora coptas no Egito falam [[árabe egípcio]], muitos deles não se consideram etnicamente árabes, mas sim descendentes de [[Os antigos egípcios]]. Os coptas constituem a maior população de cristãos no [[Oriente Médio]], a numeração entre 4.000.000 e 19.000.000. População <ref name=EgyptCoptNumbers> oficial conta que o número de coptas em torno de 16-18% da população, enquanto alguns coptas vozes afirmam valores tão elevados como 23%. Enquanto alguns estudiosos defendem a validade do censo populacional oficial (cf. EJChitham, a comunidade copta no Egito. Espacial e Mudança Social, Durham, 1986), outros estudiosos e observadores internacionais assumem que a parte cristã da população do Egito é superior ao apontado pelo o governo egípcio. A maioria das estimativas independentes caem em um intervalo entre 5% e 20%, por exemplo, a BBC {{citar web | url = http://www.bbc.co.uk/religion/religions/christianity/subdivisions/coptic_1.shtml|title = Igreja Ortodoxa Copta | publisher = BBC | accessdate = 27 de fevereiro de 2011}} ("estimativas [para a Igreja Ortodoxa Copta] variou de 6 a 11 milhões, 6% (estimativa oficial) a 20% (Igreja estimativa)"), o CIA World Factbook {{citar web | url = https: / / www.cia.gov / library / publications / the-World Factbook / GEOS / eg.html | title = Egipto | autor = | data = | obra = O Mundo Factbook | editora = [[CIA]] | accessdate = 27 agosto de 2010}} (9%), {{citar web | url = http://www.washingtoninstitute.org/templateC05.php?CID=2386 | title = O coptas e suas Implicações políticas no Egito | autor = Khairi Abaza e Nakhla Mark | data = 25 de outubro de 2005 | trabalho = | editora = O Instituto Washington | accessdate = 27 agosto de 2010}} (10-20%), Enciclopédia Britannica (1985) ou Macropædia (15 ed., Chicago) (até 20%). Para uma previsão de 83 milhões + egípcios em 2009, uma série de 5-20% implica uma população de 4 a 17 milhões. <br/> Em 2008, [[Papa Shenouda III]] e bispo Morkos, bispo de [[Shubra]] , declarou que o número de coptas no Egito é mais de 12 milhões de euros. No mesmo ano, o pai Morkos Aziz, o sacerdote de destaque no Cairo, declarou que o número de coptas (dentro do Egito) é superior a 16 milhões de euros. {{Citar web | url = http://www.unitedcopts.org/index.php?option=com_content&task=view&id=3073&Itemid=71 | title =? | Autor = | data = 29 de outubro, 2008 | trabalho = | editora = coptas Unido da Grã-Bretanha | accessdate = 27 agosto de 2010}} e {{citar web | url = http://www.alarabiya.net/articles/2008/ 08/28/55639.html | title =? | Autor = | data = | obra = | editora = العربية نت |. الصفحة الرئيسية | accessdate = 27 ago 2010}} Além disso, o Washington Institute for Near East Policy {{citar web | url = http://www.washingtoninstitute. org/templateC05.php CID = 2386 |? title = Os coptas e suas Implicações políticas no Egito | autor = Khairi Abaza e Nakhla Mark | data = 25 de outubro, 2005 | trabalho = | editora = | accessdate = 27 agosto de 2010}} Encyclopædia Britannica (1985), e Macropædia (15 ed., Chicago) estimar a porcentagem de coptas no Egito, para ser de até 20% da população egípcia. </ ref> A linguagem litúrgica dos coptas, os [[língua copta]] é um descendente direto do [[língua egípcia antiga.]] [[Língua copta | copta]] continua a ser a língua litúrgica de todas as igrejas coptas dentro e fora do Egito.
 
. Estima-se que mais 1% (aproximadamente 810 mil) da população do Egito, mas não são cristãos coptas <ref> {{citar web | title = CIA World Factbook: Egipto | url = https: / / www.cia.gov / library / publications / the-World Factbook / GEOS / eg.html | publisher = Central Intelligence Agency | accessdate = 04 de maio de 2011 | quote = População: 82.079.636 (julho 2011 est) ... Muçulmanos (maioria sunita) 90%, copta 9%, outros cristãos um ref %}}</>
 
=== === Iraque
O cristianismo chegou ao Iraque entre os séculos 1 e 3 dC. Os sassânidas governou província de [[Assíria]] ([[Assuristan]]) tornou-se um centro da [[Igreja do leste]] e [[Siríaco]] literatura religiosa. No Iraque, os cristãos de hoje sobre o número de 636.000, em 2005, representando 3% da população do país. A grande maioria são [[assírio pessoas | assírios]] que estão concentrados no norte, especialmente em aldeias e cidades da [[Planície de Nínive]], o [[Dohuk]] região, e em torno de cidades como [[ Mosul]], [Arbil []], [[Kirkuk]] e [[Bagdá.]] Eles tendem a ser maioritariamente seguidores do [[Igreja Assíria do leste]], o [[Igreja Católica Caldéia]] ou o [[Antiga Igreja do leste]]. Há também um pequeno número de [[armênios | armênio]] e [pessoas [curda | curdos]] converte. Há também uma proporção de [[árabes]] cristãos no centro das cidades.
 
=== === Israel
{{Ainda | [[Religião em Israel # Cristianismo | Cristianismo em Israel]] e [os cristãos [palestinos]]}}
Cerca de 122 mil árabes cristãos que vivem em [[Israel]], como cidadãos [[árabes de Israel]], com alguns deles também se identificam como cristãos árabes palestinos. Estas formam uma maioria de 80% dos cristãos em Israel, com pequenas comunidades cristãs de russos étnicos, gregos, armênios, maronitas, ucranianos e assírios. A maioria dos árabes cristãos em Israel pertencem à Igreja Ortodoxa Grega, com uma considerável minoria pertencente à greco-católica (Melquita) da Igreja.
 
=== === Jordânia
[[Imagem: John-de-Damasco 01.jpg | thumb | [[João de Damasco]] árabe [[monge]] e [[presbítero]], 7 º século (grego []]).]] ícone [
Na Jordânia, os cristãos representam cerca de 7% da população (cerca de 400.000 pessoas), embora o percentual caiu drasticamente de 18% no início do século 20. Esta queda é em grande parte devido ao influxo de árabes muçulmanos de Hijaz após a Primeira Guerra Mundial, as taxas de natalidade baixas em comparação com os muçulmanos e os grandes números de majoritariamente muçulmanos árabes palestinos (85-90% muçulmana), que fugiu para a Jordânia após 1948. Cerca de 70-75% dos cristãos jordanianos pertencem à [[Igreja Ortodoxa ]].{{ Carece de fontes |. Data = maio 2011}} O resto são católicos, com uma pequena minoria aderindo ao protestantismo {{Carece de fontes | data = maio 2011}}
 
Os cristãos estão bem integrados na sociedade jordaniana e têm um alto nível de liberdade {{Carece de fontes | data = maio 2011}}. Quase todos os cristãos pertencem à classe média ou superior. Além disso, os cristãos desfrutar de mais oportunidades econômicas e sociais no [[Reino Hachemita da Jordânia]] do que em outras partes do Oriente Médio e Norte da África. {{Carece de fontes | data = maio 2011}} Eles têm uma representação desproporcional no parlamento jordano (10% do Parlamento) e em carteiras importantes do governo, as nomeações de embaixadores no exterior, e as posições de alta hierarquia militar {{Carece de fontes | data = maio 2011}}. cristãos jordanianos são permitidos pelos setores público e privado para deixar o trabalho para atender Divina Liturgia ou Missa aos domingos. Todas as cerimónias religiosas cristãs são comemorado publicamente. Os cristãos têm boas relações com a família real e vários membros do governo jordaniano e eles têm seus próprios tribunais eclesiásticos para os assuntos de caráter pessoal.
 
A maioria dos cristãos nativos na Jordânia identificar-se como [[árabes ]],{{ Carece de fontes | data = maio 2011}}, embora existam também significativo e não-árabes [[assírio-caldeu pessoas / sírio | assírio-caldeu, siríaco]] e Armênia grupos étnicos no país.
 
=== === Líbano
A mais antiga tradição indiscutível do [[Cristianismo no Líbano]] pode ser rastreada até [[Saint Maron]] no século 4, o fundador da Maronitism nacionais e eclesiásticas. São Maron aprovou uma vida ascética recluso nas margens do rio Orontes, perto de [[Homs ]]-[[ Síria]] e fundou uma comunidade de monges que pregou o Evangelho na área circundante. O Mosteiro de São Maron estava muito perto de Antioquia, fazendo com que os monges vulneráveis ​​à perseguição imperador [[Justiniano I]] 's. Para escapar da perseguição, [[John Maron | São João Maron]], o primeiro patriarca maronita eleito, levou seus monges dentro do [[Monte Líbano | Montanhas do Líbano]], os monges maronitas resolvidos no [[Vale de Kadisha | Qadisha vale.]] Durante a conquista muçulmana, os muçulmanos perseguiram os cristãos, especialmente os maronitas, com a perseguição atingindo um pico durante o califado omíada. No entanto, a influência da propagação estabelecimento maronitas pelas montanhas libanesas e tornou-se um número considerável de [[feudalismo | feudal]] força {{Carece de fontes | data = agosto 2010}}. Depois da conquista muçulmana, a [[Igreja Maronita]] tornou-se isolado e não restabelecer o contato com a Igreja de Roma até o 12 º <sup> </ sup> século. Ref nome <= "Salibi, Kamal 1988. P. 89 "> Salibi, Kamal, Uma casa de muitas moradas. A História do Líbano Reconsidered, University of California Press, Berkeley, 1988... p. 89 </ ref> De acordo com [[Kamal Salibi]], alguns maronitas pode ter sido descendente de uma tribo árabe, que imigrou há milhares de anos a partir do sul da [[Península Arábica.]] Salibi mantém "É muito possível que os maronitas, como uma comunidade de origem árabe, estavam entre as últimas tribos árabes cristãos na Síria para chegar antes do Islã". <ref Name="Salibi, Kamal 1988. p. 89"/> Muitos Os cristãos libaneses rejeitam esta no entanto, e salientam que são de origem árabe pré.
 
Líbano detém o maior número de cristãos no mundo árabe, e cai proporcionalmente, apenas atrás do Egipto em números absolutos. É sabido que os cristãos formam entre 65% -85% {{Carece de fontes | data = Dezembro 2010}} da população do Líbano antes da [[Guerra Civil Libanesa]], se não mais, e eles continuam a constituir 48% -50% {{Carece de fontes | data = Dezembro 2010}} da população atual (se todos os refugiados e imigrantes da fé muçulmana são excluídos), se contarmos a estimativa 10-15000000 forte [diáspora [libaneses | diáspora]], eles formam mais do que a maioria da população. O número exato de cristãos é incerto porque ninguém censo oficial foi feito no Líbano desde 1932. Os cristãos libaneses pertencem principalmente à [[Igreja Maronita | Maronita Igreja Católica]] e [[Igreja Ortodoxa | Ortodoxa grega]], com consideráveis ​​minorias pertencentes à [[Igreja Greco-Católica Melquita | grega melquita católicos]]. Os cristãos libaneses são os únicos cristãos do Oriente Médio com um papel considerável na política do país. O presidente libanês, metade do gabinete, e metade do parlamento siga um dos vários ritos cristãos libaneses.
 
Muitos cristãos libaneses se consideram indígenas [[Fenícia]] ancestralidade, argumentando que sua presença é anterior à chegada dos árabes na região. Embora eles se originam a partir do rio Orontes, próximo Homs, na Síria e fundou uma comunidade de monges que deixaram a Igreja Ortodoxa Siríaca, a maioria ainda falam [[aramaico]] hoje.
 
=== === Territórios Palestinianos
{{Ver também | cristãos palestinos}}
[[Imagem: Mirjam von Abellin.jpg | thumb | [[Mariam de Abellin]]]]
Em 2009, cerca de 173.000 [[palestino cristão]] s vivia sob a Autoridade Nacional Palestina através da [[Cisjordânia]] e [[Faixa de Gaza]], name="Ngm.nationalgeographic.com"> <ref {{citar web | url = http://ngm.nationalgeographic.com/2009/06/arab-christians/belt-text | title = cristãos árabes - National Geographic Magazine | publisher = Ngm.nationalgeographic.com | data = | accessdate = 2010-07 -26}} </ ref> Tanto o fundador da [[Frente Popular para a Libertação da Palestina]], [[George Habash]], eo fundador se o seu ramo da [[FDLP]], [[Nayif Hawatmeh] ], eram cristãos, como é proeminente ativista palestino e ex-[[Autoridade Palestina] ministro] [[Hanan Ashrawi.]]
 
=== === Síria
Na Síria, segundo o censo de 1960, os cristãos foram formadas apenas com menos de 15% da população (cerca de 1,2 milhões de pessoas) - sendo a maioria delas assírio-caldeus e sírios, com os cristãos árabes, cristãos maronitas e os armênios formando sociedades menores. Devido a razões políticas, não é mais novo censo foi tomada desde então. As estimativas atuais sugerem que os cristãos em geral abrangem cerca de 10% da população total (2.000.000), devido a ter menores taxas de natalidade e maiores taxas de emigração de seus compatriotas muçulmanos. Os cristãos árabes na Síria são [[Ortodoxa grega]], [[greco-católica]], com cerca de [[Igreja Católica | católicos]]. Hoje, a maioria dos cristãos sírios continuam étnicas [[assírio-caldeu pessoas / sírio | assírio-caldeus, sírios]] e [[armênios]], com um grande afluxo de refugiados cristãos iraquianos para essas comunidades. Cerca de 200 mil árabes cristãos residem na Síria, incluindo os cristãos árabes palestinos. Alguns cristãos gregos ([[Melkites]]) da Síria são considerados árabes, bem {{Carece de fontes | data = maio 2011}}.
 
=== === África do Norte
Existem pequenas comunidades de [[católicos]] na [[Tunísia]], [[Argélia]], [[Líbia]], e [[Marrocos]], devido à dominação colonial - o governo francês à Argélia, Tunísia e Marrocos , o domínio espanhol em Marrocos, e do Estado italiano para a Líbia. A maioria dos cristãos no [[Norte de África]] são os missionários estrangeiros, trabalhadores imigrantes e pessoas de francês, espanhol, italiano e descida colonial. Apenas uma minoria entre eles são convertidos árabes ou [[berberes pessoas | berberes]] (ou seus descendentes). Estes convertidos durante a maior parte da era moderna, ou em [[França | francês]] [[o colonialismo]]. Possivelmente, muitos mais cristãos do Norte Africano de Berber ou descendentes de árabes vivem na [[França]] do que no Norte de África, devido ao êxodo dos''[[pieds-noirs]]''em 1960. [[Charles de Foucauld]] era famoso por suas missões no Norte de África entre os muçulmanos, incluindo árabes Africano.
 
=== === Diáspora
Centenas de milhares de cristãos árabes também vivem na [[diáspora]], fora do Oriente Médio. Estes incluem países como a [[Argentina]], [[Austrália]], [[Brasil]], [[Canadá]], [[Chile]], [[Colômbia]], [[Cuba]], o [[ República Dominicana]], [[México]], o [[Estados Unidos]] e [[Venezuela]] entre eles. A maioria dos auto-identificação [[Árabe-Americana]] s são [[católicos de rito oriental]] ou ortodoxos, de acordo com o [[Instituto Árabe-Americano.]] Por outro lado, os muçulmanos a maioria dos americanos são negros ou do sul da Ásia ([[Índia]] n ou [[Paquistão]] i) origem. Há também muitos árabes cristãos em [[Europa]], especialmente no [[Reino Unido]], [[França]] (devido às suas ligações históricas com o [[Líbano]] e África do Norte), e [[Espanha] ] (devido às suas ligações históricas com a norte de Marrocos), e, em menor medida, na [[Irlanda]], [[Alemanha]], [[Itália]], [[Grécia]] e os [[Países Baixos]]. Entre esses, em toda a Europa e nas Américas, cerca de 400.000 palestinos cristãos árabes vivem na [[diáspora palestina.]]
 
== Religião ==
Os cristãos árabes em grande parte pertence ao [[Ortodoxa grega]] ou [[Ortodoxa Antioquina]] Igrejas, embora haja também adeptos de outras igrejas: [[Melquita Igreja Greco-Católica]], [[Igreja Católica]], [[ Igreja Caldéia]] e [[Igreja Protestante] es].
 
== == Doutrina
Como árabes e muçulmanos [[judeus árabes]], os cristãos de língua árabe se referir a Deus como [[Deus]], uma vez que esta é a palavra em árabe para "Deus" name=Georgep70> <ref {{cite book |. Url = http://books.google.ca/books?id=1L7sx_pR3_EC&pg=PA70&dq=allah+god+christians+arabic&cd=2 # v = onepage & q = allah% 20god% 20arabic% 20christians & f = false | title = é o pai de Jesus, o Deus de Maomé:? compreender as diferenças entre o Cristianismo eo Islamismo | autor = Timothy George | editora Zondervan = | ano = 2002 | ISBN = 0310247489, 9780310247487}} </ ref> <ref name=Kayep9> {{Citar | url = http://books.google.ca/books?id=K392AAAAMAAJ&q=allah+%% 22arab + 22 + judeus árabes & dq =% allah + + 22arab judeus% 22 + arabic & cd = 7 | title = As cores dos judeus: a política racial e diasporism radical | autor = Melanie Kaye / Kantrowitz | edição = Illustrated, anotada | publisher = Indiana University Press | ano = 2007 | ISBN = 0253219272, 9780253219275}} </ ref> O uso do termo Alá em árabe igrejas cristãs anterior [[Islã] ] por vários séculos. name=Georgep70/> <ref Em tempos mais recentes (sobretudo desde meados do século 19), alguns cristãos de língua árabe da região do Levante foram convertidos a partir destes nativos, as igrejas mais tradicionais para [[protestante] recentes os], mais notadamente [[Batista]] e [[metodista]] igrejas {{Carece de fontes | data = Fevereiro 2010}}. Isto é principalmente devido a um influxo de mundo [[Western | ocidental]], principalmente [[Estados Unidos da América | americano]] Evangélico, [missionários [.]]
 
== Questão de Identidade ==
[[Imagem: Sednaya Mary.jpg | thumb | left | Mosaico representando a Virgem segurando um texto em árabe, o Convento de Nossa Senhora, a Igreja Ortodoxa Grega em [[Sednaya]], a Síria]]
Os cristãos árabes são os cristãos em alguns países do mundo árabe que se identificam como árabes. Os cristãos árabes são [[povos indígenas |] indígena] para o [[Oriente Médio]], com uma presença lá anteriores ao século 7 [[islâmico]] expansão [[Ásia Ocidental]]. Muitos hoje [[árabes muçulmanos]] foram originalmente cristãos que se converteram ao [[Islão]] por várias razões. Alguns dos [[Levante]] ine e [[Iraque]] i são cristãos árabes étnicos, descendentes de tribos árabes, como o [[Kahlani]] [[qahtanitas | Qahtani]] tribos da antiga [[Iêmen]] (ou seja, [[Ghassanids]], [[Lakhmids]], [Banu [Judham]] e [[Hamadan]]).
 
=== === Assírios
 
Após a ascensão do partido nacionalista [[partido Baath]] no Iraque, em [[1963]] cristãos assírios foram referidos como "cristãos árabes" pelos nacionalistas árabes que negam a existência de uma identidade distinta assírio. Em 1972 foi aprovada uma lei para usar [[Siríaco] língua] em escolas públicas e na mídia, no entanto, pouco depois, foi proibido siríaco eo árabe foi imposta em revistas e jornais de língua siríaca. <ref Nome ="fred"> [http:/ / www.nineveh.com / IndigenousPeopleinDistress.html Povos Indígenas no socorro], Aprim Fred </ ref>
 
Na época do censo de 1977, os assírios estavam sendo encaminhados para como árabes ou [[os curdos]]. Os cristãos foram obrigados a negar sua identidade como [[nacionalismo assírio]] foi duramente punido. Um exemplo desta "[[Arabization]]" O programa foi vice-ministro iraquiano principal, [[Tariq Aziz]], a [[Caldéia cristã]] que mudou seu sobrenome de Youkhana ao entrar para o Baath. <Nome ref = "assyrianbar" > [[Jonathan Eric Lewis]], [http://www.meforum.org/558/iraqi-assyrians-barometer-of-pluralism assírios iraquianos: Barómetro do Pluralismo]> Médio <East Quarterly / ref
 
Na década de 1990 os cristãos que ainda arbitrou a si mesmos como "Assíria", foram isentos do [[Petróleo por Comida programa]] name="assyrianbar"/> e não recebem cestas de alimentos distribuídas mensalmente. <ref
 
Eles também salientou que os grupos nacionalistas árabes incluídos erroneamente assírio-americanos em sua contagem de árabe-americanos, a fim de reforçar sua influência política em Washington
Alguns [[Árabe-Americana]] grupos já ter importado esta negação da identidade assíria para os Estados Unidos. Em [[2001]], uma coalizão de assírios, caldeus e organizações maronita, escreveu para o [[Instituto Árabe-Americano]], a bronca para reivindicando que os assírios eram árabes. A pedido do Instituto Árabe-Americano "para cessar e desistir de retratar os assírios e os maronitas do passado e do presente como os árabes, e de falar em nome de assírios e maronitas." Http://webcache.googleusercontent.com/search [<ref> ? q = cache: sFbJCtnpgUsJ: www.aina.org / releases / caamletter.htm Coalition of American assírios e maronitas Repreensões Instituto Árabe-Americano], AINA.org </ ref>
 
=== === Maronitas
{{Cite seleção | data = março 2010} | seção}
No Líbano, os maronitas e muitas outras seitas libaneses cristãos, sentem uma forte ligação e identificação cultural com [[Fenícios]] e mostrar orgulho na crença de que sua ancestralidade está ligada ao tempo dos fenícios. Name="arabicbible1"> <ref {{citar web
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
}}
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
== Veja também ==
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
== Referências ==
{{Reflist | colwidth = 30em}}
38 603

edições