Escola de Chicago: diferenças entre revisões

1 609 bytes adicionados ,  20h15min de 29 de junho de 2011
sem resumo de edição
(adequação da relação entre criminalidade e diferenças sociais)
 
 
Dentre os sofismas do senso comum há a opinião de que a superpopulação (maior número de pessoas do que capacidade de infra-estrutura, como nas favelas) seria a causa da criminalidade, como se "pobre" e "criminoso" fosses sinônimos.
Informação dada pelo Relatório Global sobre Assentamentos Humanos, do Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos, revela que o aumento da criminalidade no estado de São Paulo está ligado a crescimento urbano, e que crimes violentos, em particular, estão aumentando em todo o pais. No Rio de Janeiro, por exemplo, a taxa de mortes por armas é maior que o dobro da média nacional.
Isto desconsidera principalmente:
1 a criminalidade econômica de colarinho branco
2 a existência de pessoas menos abastadas mas não criminosas
3 o fato de que o Direito Penal na Sociedade Capitalista que possui um "exército industrial de reserva"
tem interesse em punir os pobres como regra e os ricos como uma exceção que dilua um pouco a regra no ideário social.
Essa "etiologia social" que diz que "é bandido porque é pobre" se baseia nas estatísticas que indicam cerca de 80% dos
presidiários como "negros, pobres e favelados"; porém se esquecem que analisando os mais confiáveis e precisos dados
sobre a população carcerária não encontrarão todos os crimes cometidos, mas apenas os EFETIVAMENTE PUNIDOS que foram
SELECIONADOS pelas AGÊNCIAS PUNITIVAS de acordo com a ESTIGMATIZAÇÃO das classes mais baixas para CRIMINALIZÁ-LAS havendo
a famosa CIFRA NEGRA dos crimes cometidos e não punidos e a CIFRA DOURADA dos ocultos crimes econômicos.
Logo, tratar os "negros pobres favelados" como delinquentes é ser adepto de um DARWINISMO DETURPADO, o DARWIISMO SOCIAL
(que lembrará a corrente do POSITIISMO CRIMINOLÓGICO que fala do CRIMINOSO NATO) permitindo violações dos direitos humanos
e a volta das ideias nazistas de segregação de grupos naturalmente inferiores.
Abaixo segue um exemplo deste discurso de ideologia opressora:
 
"Informação dada pelo Relatório Global sobre Assentamentos Humanos, do Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos, revela que o aumento da criminalidade no estado de São Paulo está ligado a crescimento urbano, e que crimes violentos, em particular, estão aumentando em todo o pais. No Rio de Janeiro, por exemplo, a taxa de mortes por armas é maior que o dobro da média nacional.
Se for considerado o fato de que na maioria das grandes cidades brasileiras não há planejamento urbano, pode-se dizer que esse seja o real motivo do aumento da criminalidade. Um resultado visível dessa falta de planejamento são as favelas, alternativas encontradas pela parcela excluída da população e do acesso ao poder econômico para continuar a sobreviver nas cidades. Até mesmo Brasília, que foi uma cidade construída partir de um planejamento, cresceu de forma desordenada e além do que foi previsto.
A criminalidade no Brasil certamente é uma resultante dos problemas socio-econômicos presentes nesta sociedade. No entanto, o crescimento desordenado e a falta de estrutura para atender à demanda existente nas grandes cidades, demonstram que a falta de planejamento urbano potencializa conflitos sociais como os observados nas comunidades favelizadas do país. "
 
A criminalidade no Brasil certamente é uma resultante dos problemas socio-econômicos presentes nesta sociedade. No entanto, o crescimento desordenado e a falta de estrutura para atender à demanda existente nas grandes cidades, demonstram que a falta de planejamento urbano potencializa conflitos sociais como os observados nas comunidades favelizadas do país.
 
[[Categoria:Desambiguação]]
 
Utilizador anónimo