Abrir menu principal

Alterações

28 bytes removidos ,  18h42min de 21 de julho de 2011
m
-link de mês
== II Guerra Mundial ==
=== Frente ocidental ===
Em [[setembro]] de [[1939]], com o início da [[II Guerra Mundial]], von Rundstedt foi chamado de volta à ativa para comandar o Grupo de Exércitos Sul, durante a bem sucedida invasão da [[Polônia]]. Em seguida, no comando de um exército composto de sete divisões [[panzer]], três divisões de infantaria motorizada e trinta e cinco divisões de infantaria regular, assumiu o comando da invasão da [[França]] em [[10 de maio]] de [[1940]].
 
Em [[14 de maio]], as divisões blindadas comandadas pelo general [[Heinz Guderian]] cruzaram o [[Rio Mosa]] e abriram um grande buraco na frente aliada. O general von Rundstedt tinha dúvidas sobre a capacidade destas divisões serem bem sucedidas em sua marcha sem o apoio da infantaria e ordenou uma pausa no avanço, até que os blindados fossem alcançados pelas tropas regulares, que abriam caminho mais lentamente. Esta pausa permitiu aos ingleses evacuarem suas forças até a [[cidade]] de [[Dunquerque]], na costa belga. Depois, ele proibiu o ataque dos panzers à cabeça de praia de Dunquerque, permitindo aos aliados em retirada evacuarem centenas de milhares de soldados por ela.
 
=== Operação Barbarossa ===
Em [[junho]] de [[1941]] o [[marechal]] von Rundstedt participou da [[Operação Barbarossa]], a invasão alemã da [[União Soviética]], no comando do Grupo de Exércitos Sul, liderando 52 divisões de infantaria e sete divisões blindadas panzer.
 
Os primeiros meses da campanha foram vitoriosas, com seus exércitos penetrando fundo na [[URSS]], atravessando o rio [[Rio Dniepre|Dnieper]], capturando [[Kiev]], fazendo cerca de 600 mil [[prisioneiros de guerra]]. – 300 mil de acordo com as fontes russas – e avançando para [[Kharkov]] e [[Rostov]]. Após estas vitórias e com a chegada do [[frio]] intenso, Rundstedt recusou-se a continuar o avanço, pela baixa qualidade do equipamento de suas tropas para enfentar o [[inverno]] rigoroso das [[estepe]]s russas, no que foi desautorizado por Hitler e obrigado a continuar. Em [[novembro]] ele teve um ataque cardíaco mas se recusou a ser hospitalizado e voltou a comandar o avanço alemão.
 
No dia 21, em frente à cidade de Rostov, no interior da Rússia, um contra ataque inimigo obrigou os alemães a recuarem pela primeira vez na guerra. Hilter ficou furioso com o recuo e o subsequente pedido de Rundstedt por uma retirada estratégica, e o substituiu no comando pelo general [[Walter von Reichenau]].
 
=== Novamente a frente ocidental ===
Em [[março]] de [[1942]], Rundstedt foi novamente convocado por Adolf Hitler e recebeu de volta o comando da frente ocidental. Nas costas ocupadas pelos nazistas, ele pôde apenas constatar que as defesas por ele erguidas anos antes não haviam sido terminadas nem melhoradas, sem nenhum grande fortificação digna do nome erguida em qualquer ponto da costa do [[Atlântico]].
 
Durante o período que antecedeu o [[Dia D]], ele e seu subordinado [[Erwin Rommel]] tiveram várias discussões sobre a melhor maneira de usar as forças blindadas de reserva da Wermarcht em caso de desembarque Aliado, sendo derrotado – nominalmente Rundstedt era o comandante, mas o prestígio de Rommel ofuscava a todos nesta [[época]] da guerra - em suas propostas de uma reserva colocada mais longe da costa de maneira a ser dirigida a qualquer ponto que fosse invadido. Com a invasão e a consequente impossibiidade das tropas alemães de conterem a ofensiva aliada, von Rundstedt instou a Hitler que propusesse um acordo de paz com os [[Aliados]] ocidentais. A resposta do Fuhrer foi destituí-lo novamente do comando e substituí-lo por [[Günther von Kluge]].
[[Ficheiro:Battle of the Bulge.jpg|175px|direita|thumb|Soldados norte-americanos lutam contra as tropas de von Rundstedt na [[neve]] das [[Ardenas]].]]
Em [[agosto]] de [[1944]], o general von Kluge suicidou-se e foi substituído por dezoito dias pelo marechal Model, até Rundstedt ser novamente chamado ao dever por Hitler, assumindo pela terceira vez o comando das forças no [[oeste]]. Ele coordenou suas tropas em tempo de enfrentar e derrotar os britânicos na [[Operação Market Garden]], na [[Bélgica]]. No fim do ano, comandou a última ofensiva alemã na guerra, a [[Batalha do Bulge|Batalha das Ardenas]], o contra ataque pela [[neve]] nas florestas das Ardenas em direção ao [[porto]] de [[Antuérpia]], na Bélgica, sendo derrotado e obrigado a cruzar de volta a [[fronteira]] alemã no começo de [[1945]].
 
Em [[março]] de 1945 foi pela última vez alijado de um comando militar no [[Frente de batalha|front]], após dizer ao Marechal [[Wilhelm Keitel]], chefe do estado maior da [[Wehrmacht]] e palaciano de [[Hitler]], que a [[Alemanha Nazi|Alemanha]] deveria fazer a paz de qualquer maneira à continuar a lutar uma guerra sem esperança.
 
== Pós-Guerra ==
De qualquer maneira, von Rundstedt não chegou a ser oficialmente julgado pelos vencedores, alegadamente devido a suas precárias condições de [[saúde]], apesar da equipe de acusação norte-americana suspeitar que a decisão britânica de não levá-lo a julgamento se deveu a considerações políticas de Estado.
 
Libertado pelos Aliados em [[julho]] de [[1948]], o marechal von Rundstedt instalou-se em [[Hannover]] com a esposa Luise, onde viveu até sua morte, em [[1953]].
 
{{Começa caixa}}
94 507

edições