Diferenças entre edições de "Religiosidade judaica"

23 bytes removidos ,  20h29min de 10 de outubro de 2011
m
clean up e ajustes utilizando AWB
m (clean up e ajustes utilizando AWB)
O '''judaísmo [[caraíta]]''' opõe-se ao judaísmo rabínico ao desconsiderar a [[Torá Oral]] e enfatizar apenas o valor da [[Torá Escrita]], o que o leva a desprezar a autoridade advogada por qualquer outra escritura fora do [[Tanakh]], como o [[Talmud]], o [[Novo Testamento]] cristão e outros textos. Para os caraítas, apenas o [[Tanakh]] tem uma revelação divina e, como tal, nenhuma pessoa pode advogar-se a dar sua interpretação à Torá, como o fazem os estudiosos rabínicos. Sendo assim, os [[caraíta]]s dão uma grande ênfase ao cumprimento literal da Torá, como pode ser visto por meio do cumprimento de alguns mandamentos:
 
* Os caraítas seguem um calendário móvel baseado na [[Lua Nova]], ao contrário dos rabinistas, que seguem um [[calendário hebraico|calendário fixo]]. Desta forma, os caraítas iniciam seu mês com o início da [[Lua Nova visível]], e seu ano se inicia no mês de [[Abib]], quando a cevada se torna madura nos campos de [[Israel]].
 
* Na realidade o caraísmo, em toda sua história nunca representou de fato um movimento único, como atesta a historiografia judaica, e sim uma forte resistência de parte do povo judeu, a prática de novas leis, criadas no decorrer da história judaica, e no final da Idade Antiga denominada de lei oral.
 
* Sem contar com uma liderança central, e com diversos pontos de vistas divergentes, entre seus grupos, o caraísmo não conseguiu fazer frente à unidade judaico-ortodoxa medieval, chegando ao século XX, como uma minoria quase desconhecida mundialmente, O grande exemplo na Idade Média, de oposição aos acréscimos, representado pela lei oral, é o de Uriel Da Costa, líder de um grupo de judeus, que em Amsterdam, praticava somente a lei escrita, ele fora punido com torturas e humilhações pela comunidade judaica local, sua morte merece uma investigação histórica, pois o suicídio anunciado pela dita comunidade é no mínimo suspeita.
 
* Ele é considerado por muitos como exemplo caraíta, e por outros como fanático e covarde. Em tempos recentes existe uma tentativa de revitalização, por parte do chamado "Movimento Caraíta Mundial", um grupo americo-israelense, que não reconhece como caraíta nenhum outro grupo, mesmo anterior a sua existência, e reclamando para si a exclusividade na autoridade de converter alguém à praticaprática da torá, agindo semelhantemente a uma denominação religiosa detentora de uma marca sob patente, desta maneira muitos pequenos grupos espalhados pelo mundo, tendem a existirem de maneira marginal, isto é, excluída do recém criado movimento, mantendo as mesmas divergências, que durante a Idade Média quase destruiu este pequeno e quase desconhecido grupo judaico.
* Sem contar com uma liderança central, e com diversos pontos de vistas divergentes, entre seus grupos, o caraísmo não conseguiu fazer frente à unidade judaico-ortodoxa medieval, chegando ao século XX, como uma minoria quase desconhecida mundialmente, O grande exemplo na Idade Média, de oposição aos acréscimos, representado pela lei oral, é o de Uriel Da Costa, líder de um grupo de judeus, que em Amsterdam, praticava somente a lei escrita, ele fora punido com torturas e humilhações pela comunidade judaica local, sua morte merece uma investigação histórica, pois o suicídio anunciado pela dita comunidade é no mínimo suspeita.
 
 
* Ele é considerado por muitos como exemplo caraíta, e por outros como fanático e covarde. Em tempos recentes existe uma tentativa de revitalização, por parte do chamado "Movimento Caraíta Mundial", um grupo americo-israelense, que não reconhece como caraíta nenhum outro grupo, mesmo anterior a sua existência, e reclamando para si a exclusividade na autoridade de converter alguém à pratica da torá, agindo semelhantemente a uma denominação religiosa detentora de uma marca sob patente, desta maneira muitos pequenos grupos espalhados pelo mundo, tendem a existirem de maneira marginal, isto é, excluída do recém criado movimento, mantendo as mesmas divergências, que durante a Idade Média quase destruiu este pequeno e quase desconhecido grupo judaico.
 
==Judaísmo samaritano==
Existem alguns grupos que se consideram judaicos, mas não são reconhecidos como tais por grande parte do [[judaísmo]] rabínico. Ainda que existam diversas ramificações como vimos acima, o [[Judaísmo]] Rabínico geralmente se atém a princípios básicos que o distinguem de outros grupos religiosos e permitem identificar ramificações que fujam destes princípios.
 
===Judaísmo messiânico e ebionismo ===
{{artigo principal|[[Judaísmo messiânico]]}}
Entre estes pode-se mencionar o [[Judaísmo messiânico]], o qual adere a práticas do judaísmo, mas crê em [[Yeshua]] ou, em sua forma mais conhecida, [[Jesus]], como o [[Messias]] de Israel, integrando o [[Novo Testamento]] nas suas escrituras, dois aspectos que não fazem parte do judaísmo rabínico.
 
=={{Bibliografia}}==
* MARQUES, Leonado A. História das Religiões e a Dialética do Sagrado. Madras, 2005.
* MENDES, David Franco. Memórias do Estabelecimento dos Judeus Portugueses e Espanhol Nesta Formosa Cidade de Amsterdam. 1ª Ed. 1772 Edição/ fac-símile editora Van Gorcum, Holanda, 1975.
* REMEDIOS, Mendes dos. Os Judeus Portugueses em Amsterdam. 1ª Editora F. França Amado, Editor, 1911
 
[[Categoria: Judaísmo]]
158 283

edições