Diferenças entre edições de "Linguagem"

1 520 bytes adicionados ,  03h33min de 5 de janeiro de 2012
 
=== Faculdade mental, órgão do corpo ou instinto ===
Uma outra definição vê a linguagem primordialmente como a [[mente|faculdade mental]] que permite aos seres humanos realizarem qualquer tipo comportamento linguístico: aprender [[língua natural|línguas]], produzir e compreender enunciados. Esta definição realça a universalidade da linguagem entre todos os seres humanos, destacando as bases biológicas da capacidade humana para a linguagem como um desenvolvimento exclusivo do [[cérebro humano]]<ref name="Pinker"> [[Steven Pinker]]. ''O instinto da linguagem''. São Paulo: Martins Fontes, 2002;</ref><ref>[[Folha de São Paulo]]. [Ouça quem está falando http://www1.folha.uol.com.br/folha/sinapse/ult1063u542.shtml Ouça quem está falando]. Sinapse On line (26/08/2003);</ref>. Este ponto de vista entender a linguagem como uma propensão inata do ser humano para a linguagem. Exemplos podem ser a [[gramática universal]] de [[Noam Chomsky]] ou a [[teoria inatista]] de [[Jerry Fodor]]. Esses tipos de definições são muitas vezes aplicados nos estudos da linguagem no quadro das [[ciência cognitiva|ciências cognitivas]] e da [[neurolinguística]]. A [[língua]] também pode ser entendida como o órgão muscular relacionado ao sentido do [[paladar]] que fica localizado na parte ventral da boca da maior parte dos [[animais vertebrados]] e que serve para "processar" os alimentos.
 
=== Sistema simbólico formal ===
Outra definição vê a linguagem como um sistema formal de [[signos]], regidos por regras [[gramática|gramaticais]] que quando combinadas geram significados. Esta definição enfatiza o fato de que as línguas humanas podem ser descritas como sistemas estruturais fechados constituídos de regras que relacionam sinais específicos com significados específicos. Esta visão [[Estruturalismo|estruturalista]] da linguagem foi primeiramente introduzido por [[Ferdinand de Saussure]], sendo seu estruturalismo fundamental para a maioria das abordagens da [[linguística]] atual. Alguns defensores deste ponto de vista têm defendido uma abordagem formal para estudar as estruturas da linguagem, privilegiando assim a formulação de regras abstratas subjacentes que podem ser entendidas para gerar ​estruturas linguísticas observáveis. O principal proponente de tal teoria é [[Noam Chomsky]], que define a linguagem como um conjunto particular de frases que podem ser gerados a partir de um determinado conjunto de regras<ref>[[Noam Chomsky]]. ''Syntactic Structures'' . Hague: Mouton, 1957;</ref>. O ponto de vista estruturalista é comumente usado na [[lógica formal]], na [[semiótica]], e em teorias da [[gramática formal]] - mais comumente utilizado nos quadros teóricos da [[gramática descritiva]]. Na [[filosofia da linguagem]], esses pontos de vista estão associados com filósofos como [[Bertrand Russell]], [[Ludwig Wittgenstein]], [[Alfred Tarski]] e [[Gottlob Frege]].
 
== Origens da linguagem humana ==
514

edições