Giacomo Puccini: diferenças entre revisões

17 bytes removidos ,  22h20min de 5 de janeiro de 2012
m
 
== Política ==
Ao contrário de [[Richard Wagner|Wagner]] e [[Giuseppe Verdi|Verdi]], Puccini não parecia ser ativo na política de sua época. No entanto, Mussolini, ditador [[Fascismo|fascista]] da [[Itália]] na época, alegou que Puccini havia pedido para ser admitido no [[Partido Nacional Fascista]]. Embora tenha sido comprovado que Puccini estava de fato entre os primeiros apoiadores do partido fascista na época da campanha eleitoral de 1919 (na qual os candidatos fascistas foram completamente derrotados, onde os mesmos ficaram furiosos, ganhando parcos 4 mil votos), não parece haver nenhum registro ou prova de qualquer dedicação de Puccini ao partido. Além disso, caso Puccini tivesse sido um fascista ativo, seu grande amigo Toscanini (um anti-fascista radical) provavelmente teria cortado todas as ligações de amizade com ele e deixado de reger suas óperas.
 
Não obstante, a propaganda fascista se apropriou da figura de Puccini e uma das marchas mais difundidas durante as paradas de rua e cerimônias públicas fascistas era o ''"Inno a Roma"'' (Hino a Roma), composto em 1919 por Puccini para a letra de Fausto Salvatori, com base nestes versos de ''[[Carmen saeculare]]'' de [[Horácio]]:
 
''Alme Sol, curru nitido diem qui / Promis et celas alius que et idem / Nasceris, possis nihil urbe Roma / Visere maius.'' (O Sol, que não muda, mas sempre novo, / Rege todo o dia e vai para casa, / Nada pode estar presente para tu vires / Superior a Roma!)
 
(O Sol, que não muda, mas sempre novo, / Rege todo o dia e vai para casa, / Nada pode estar presente para tu vires / Superior a Roma!)
 
== Lista de óperas ==
1 762

edições