Diferenças entre edições de "Linguagem"

2 bytes adicionados ,  14h28min de 6 de janeiro de 2012
{{principal|[[Linguagem animal]] e [[Comunicação animal]]}}
[[Ficheiro:Bee waggle dance.png|thumb|A [[Inteligência em abelhas|Dança das abelhas]] promovido pelas [[Abelha-europeia]], indicando uma fonte de alimento à direita da direção do sol, fora da colméia. O abdômen do dançarino aparece turva por causa do rápido movimento lado a lado.]]
O termo " linguagem de animais" é frequentemente utilizado para os sistemas de comunicação não-humanos. [[Linguistas]] e [[semióticos]] não consideram ela seja uma linguagem verdadeira, descrevendo-as como sistemas de [[comunicação animal]] baseados em sinais não-simbólicos<ref>Cobley, P. ''Routledge Companion to Semiotics''. London, 2010;</ref>, já que a interação entre animais nesse tipo de comunicação é fundamentalmente diferente dos princípios da linguagem humana. Segundo esta abordagem, uma vez que os animais não nascem com a capacidade de raciocinar em termos de [[cultura]], a comunicação animal é se refere a algo qualitativamente diferente do que é encontrado em comunidades humanas<ref>{{citar notícia|url=http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u373738.shtml|titulo=Cientista de Harvard vê limitações em linguagem animal|ultimo=[[Folha.concom]]|data=19 fev 2008}}</ref>. [[Comunicação]], [[língua natural|língua]] e [[cultura]] são mais complexas entre os [[seres humanos]]. Um cão pode comunicar com sucesso um estado emocional agressivo com um rosnado, que pode ou não fazer com que um outro cão se afaste ou recue. Da mesma forma, um grito humano de [[medo]] pode ou não alertar outros seres humanos do perigo iminente. Nestes exemplos há comunicam, mas não são o que geralmente seria chamado de linguagem.
 
Em vários casos divulgados, os animais vêem sendo ensinados a entender certas características da [[linguagem humana]]. [[Karl von Frisch]] recebeu o [[Prêmio Nobel]] em [[1973]] por sua pesquisa sobre a comunicação sígnica e suas variantes entre as [[abelhas]]<ref>[[Karl Ritter von Frisch]]. ''Sprache' oder 'Kommunikation' der Bienen?''. Psychologische Rundschau 4', 1953;</ref>. Foram ensinados aos [[chimpanzé|chimpanzés]], [[Gorila|gorilas]] e [[Orangotango|orangotangos]] a [[língua de sinais]] baseados na linguagem de sinais americano. Suspeita-se que o [[Papagaio-cinzento|papagaio-cinzento Africano]], [[Alex (papagaio)||Alex]], que possuía a capacidade de imitar a fala humana com um alto grau de precisão pode ter tido inteligência suficiente para compreender alguns dos discursos que imitou<ref>{{citar notícia|url=http://www1.folha.uol.com.br/folha/bichos/ult10006u327732.shtml|titulo=Papagaio Alex, que revolucionou estudo da linguagem, morre aos 31|ultimo=[[Folha.com]]|data=12 set 2007}}</ref><ref>{{citar notícia|url=http://180graus.com/geral/papagaio-africano-alex-chocou-o-mundo-ao-decifrar-enigmas-veja-226512.html|titulo=Papagaio africano Alex chocou o mundo ao decifrar enigmas|ultimo=180 Graus|data=28 set 2009}}</ref><ref>{{citar notícia|url=http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI1899527-EI8145,00.html|titulo=Papagaio-celebridade morre aos 31 anos nos EUA|ultimo=[[Portal Terra]]|data=28 set 2009}}</ref>.. Embora os animais possam ser ensinados a entender partes da linguagem humana, eles são incapazes de desenvolver uma linguagem.
 
Embora os defensores dos sistemas de [[comunicação animal]] venham debatido os níveis de [[semântica]] encontrados nesse tipo de linguagem , ainda não foi encontrado nada que possa pelo menos ser aproximado da sintaxe da linguagem humana<ref>Thomas Sebeok. Signs, bridges, origins. In: Trabant, Jürgen (ed.). ''Origins of Language''. Budapest: Collegium Budapest, 1996 (89–115);</ref>.
514

edições