Diferenças entre edições de "Linguagem"

176 bytes adicionados ,  01h11min de 10 de janeiro de 2012
 
== Origem ==
[[Ficheiro:Homo sapiens neanderthalensis.jpg|thumbnail|150px|[[Crânio]] do [[Homo neanderthalensis]], descoberto em [[La Chapelle Aux Santos-aux-Saints]], na [[França]]<ref>Ciência na mão. [http://www.cienciamao.usp.br/tudo/exibir.php?midia=3bsc&cod=_cranioantropologicolacha Crânio Antropológico – La Chapelle-Aux-Saints]. [[USP]];</ref>. Desconhece-se se o Neanderthal tinha língua.]]
[[Ficheiro:Serra da Capivara - Painting 8.JPG|thumbnail|150px|Exemplo de pinturas encontradas no [[Parque Nacional Serra da Capivara]]. Uma das singularidade da linguagem humana baseia-se no seu referencial simbólico, desde o tempo [[pré-história|pré-histórico]].]]
As teorias sobre a origem da linguagem podem ser divididas segundo algumas premissas básicas. Algumas teorias sustentam a ideia de que a linguagem é tão complexa que os especialistas não conseguem imaginar que simplesmente apareceu do nada na sua forma final, mas que ela deve ter evoluído a partir de um sistema pré-linguístico anterior existente entre os nossos ancestrais pré-humanos. Essas teorias podem ser chamadas de ''teorias baseadas na continuidade''. O ponto de vista oposto afirma que a linguagem é um traço humano único, que não pode ser comparado a qualquer coisa encontrada entre os não-humanos e que deve, portanto, têm aparecido repentinamente na transição entre os pré-hominídeos e o homem primitivo. Essas teorias podem ser definidos como a ''teoria da descontinuidade''. Da mesma forma, algumas teorias vêem a linguagem em sua maioria como uma faculdade inata que é em grande parte geneticamente codificado, enquanto outros a vêem como um sistema que é em grande parte cultural, que se aprende através da interação social<ref>[[Ciência Hoje]]. [http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=48580&op=all A origem da linguagem humana]. 19/04/2011;</ref>. Atualmente, o único defensor proeminente da teoria da descontinuidade é [[Noam Chomsky]]<ref>[[Superinteressante]]. [http://super.abril.com.br/cultura/dentro-cabeca-noam-chomsky-443820.shtml Dentro da cabeça de Noam Chonsky]. Maio, 2003;</ref>. De acordo com ele, "alguma mutação aleatória ocorreu, talvez depois de algum chuveiro de raios cósmicos estranhos. O cérebro foi reorganizado, implantando assim um órgão da linguagem num cérebro primata". Acautelando-se a fim dessa história não ser tomada literalmente, Chomsky insiste que ela "pode ​​ser mais próximo da realidade do que muitos outros contos de fadas que são contadas sobre processos evolutivos, incluindo a linguagem"<ref>[[Noam Chomsky]]. ''Arquitetura da linguagem''. São Paulo: Edusc, 2008;</ref>. As teorias baseadas na continuidade são tidas atualmente pela maioria dos estudiosos, mas elas variam na forma como encaram esse desenvolvimento. Aqueles que vêem a linguagem como sendo principalmente inata, como [[Steven Pinker]] por exemplo, mantém como precedentes a [[Inteligência animal|cognição animal]], enquanto aqueles que vêem a linguagem como uma ferramenta de comunicação socialmente aprendido, como [[Michael Tomasello]] vê-na como tendo desenvolvido a partir da comunicação animal<ref name="SAGAN_EDEN"/>, da comunicação gestual<ref>[[Superinteressante]]. [http://super.abril.com.br/ciencia/primeiras-formas-linguagem-eh-443463.shtml As primeiras formas de linguagem. Éh?]. Novembro, 2002;</ref> ou ainda da comunicação vocal. Há ainda outros modelos de continuidade que vêem a linguagem sendo desenvolvida a partir da [[música]]<ref>[[The Economist]]. [http://www.economist.com/node/18557572?story_id=18557572 Babel or babble?]. Abril, 2011;</ref>.
514

edições