Diferenças entre edições de "Jesus histórico"

310 bytes adicionados ,  21h36min de 24 de janeiro de 2012
sem resumo de edição
{{nota:|Este artigo é sobre Jesus o homem, usando os métodos historiográficos para reconstruir a biografia de sua vida e tempo. Para disputas sobre visão cristã dele, veja [[Disputas cristológicas]], para uma visão geral sobre Ele veja [[Jesus]], para a representação do tema na arte veja [[Vida de Cristo]].}}
 
[[Ficheiro:MillaisSpas -vsederzhitel Christus im Hause seiner Elternsinay.jpg|thumb|300px200px|right|''CristoO namais casaantigo de seus pais,'' porpainel [[John Everett Millaisícone|iconográfico]]([[1850]]). Uma série dedo ''[[pintura]] da [[IrmandadeCristo Pré-RafaelitaPantocrator]]'', reflete o interessedatado do [[século XIXVI]] na realidade histórica da vida de Jesus.]]
 
O termo '''Jesus histórico''' refere-se a uma tentativa de reconstruções acadêmica do [[século I|primeiro século]] da figura de [[Jesus de Nazaré]]<ref>D. G. Dunn. ''Jesus Remembered''. Vol. 1 of Christianity in the Making. Eerdmans Publishing, 2003 (p. 125-127);</ref>. Estas reconstruções são baseadas em [[Método histórico|métodos históricos]], incluindo a [[Crítica bíblica|análise crítica]] dos [[evangelhos canônicos]] como a principal fonte para sua biografia, juntamente com a consideração do contexto histórico e cultural em que Jesus viveu<ref>[[Bart D. Ehrman]]. ''The New Testament: A Historical Introduction to the Early Christian Writings''. New York: Oxford University Press, 2003;</ref>.
Acredita-se que o Jesus histórico seja um [[judeu]] [[Galiléia|galileu]] que realizou pelo menos uma peregrinação a [[Jerusalém]] - então parte da província romanda da [[Judeia (província romana)|Judéia]] - durante o tempo da expectativa [[Messias|messiânica]] e apocalíptica no final do [[Segundo Templo|Segundo Templo Judaico]]<ref name="Sanders_Jesus">Sanders, EP. ''The historical figure of Jesus''. Penguin, 1993;</ref><ref>John Dickson. ''Jesus: A Short Life''. Lion Hudson, 2009 (p. 138-9);</ref>. Batizado por [[João Batista]], cujo exemplo Jesus pode ter seguido, começou sua própria pregação na [[Galileia]] depois da execução de João e cerca de dois ou três anos antes de sua morte. Ele era um profeta escatológico e um professor de ética autônoma<ref>[http://www.britannica.com/EBchecked/topic/303091/Jesus-Christ Jesus Christ]. In: [[Encyclopædia Britannica]] Online, 2011;</ref>. Ele contou [[parábolas]] surpreendentes e originais, muitas delas sobre a vinda [[Reino de Deus]]<ref name="Five_gospels">[[Robert Funk]], Roy Hoover e [[Jesus Seminar]]. ''The five gospels''. Harper: SanFrancisco, 1993 (''Introduction'', p. 1-30);</ref>. Alguns estudiosos creditam as declarações apocalípticas dos [[Evangelhos]] a Jesus, enquanto outros retratam o seu ''Reino de Deus'' como moral, e não de natureza apocalíptica<ref name="Gerd_Merz">Theissen, Gerd e Annette Merz. ''The historical Jesus: a comprehensive guide''. Fortress Press, 1998;</ref>. Durante um tempo, Ele enviou seus [[apóstolos]] a fim curar as pessoas e pregarem sobre o Reino de Deus<ref name="Crossan">[[John Dominic Crossan]]. ''The essential Jesus''. Edison: Castle Books, 1998;</ref>. Mais tarde, Jesus viajou para Jerusalém, onde causou uma perturbação no Templo<ref name="Sanders_Jesus"/>. Era a época da [[Páscoa]], quando as tensões políticas e religiosas eram altas em Jerusalém<ref name="Sanders_Jesus"/>. Os Evangelhos dizem que os ''guardas do templo'' (acredita-se serem [[saduceus]]) prenderam-no e entregaram-no ao governador romano [[Pôncio Pilatos]] para [[execução]]. O movimento inaugurado por Jesus sobreviveu a sua morte, sendo liderado por seu irmão [[Tiago, o Justo]] e pelos [[apóstolos]] que passaram a proclamar que Jesus havia ressuscitado<ref>E.P. Sanders. ''The Historical Figure of Jesus''. p.280;</ref>. Pouco depois, os seguidores de Jesus se dividiram do [[judaísmo rabínico]], dando origem ao que conhecemos como [[cristianismo primitivo]].
 
A busca pelo Jesus histórico parte do pressuposto que o [[Novo Testamento]] não dá necessariamente uma imagem histórica precisa da vida de Jesus. Nesse contexto, a descrição bíblica de Jesus é conhecida como a do ''Cristo da Fé''. Dessa forma, o Jesus histórico é baseado em materiais históricos antigos que podem falar alguma coisa sobre sua vida, como os fragmentos dos Evangelhos. A finalidade da pesquisa sobre o Jesus histórico é examinar as evidências a partir de fontes diversas, tratando-as criticamente e em conjunto para criar uma imagem composta de Jesus<ref>Gary R. Habermas. ''The historical Jesus''. College Press, 1996 (p. 219);</ref><ref>Howard Marshall. ''I Believe in the Historical Jesus''. Regent College Publishing, 2004 (p. 214);</ref>. Para alguns, o uso do termo ''Jesus histórico'' implica que o Jesus reconstruído será diferente do que se apresentou no ensino dos [[Concílio ecuménico|concílios ecumênicos]] (o Cristo dogmático)<ref>"Quest of the Historical Jesus". Oxford Dictionary of the Christian Church, p. 775;</ref>. Para outros eruditos, não há nenhuma contradição entre o Jesus histórico e o Cristo retratado no [[Novo Testamento]]<ref>Craig Blomberg. ''Jesus e os Evangelhos''. São Paulo: Vida Nova, 2009;</ref><ref>DA Carson, Douglas Moo, Leon Morris. ''Introdução ao Novo Testamento''. São Paulo: Vida Nova, 1997;</ref><ref>[[Frederick Fyvie Bruce|F F Bruce]]. Merece Confiança o Novo Testamento? São Paulo: Vida Nova, 2010. Os escritos de Lucas (p. 105-120);</ref>.
 
== Metodologia ==
[[Ficheiro:Millais - Christus im Hause seiner Eltern.jpg|thumb|300px|right|''Cristo na casa de seus pais,'' por [[John Everett Millais]]([[1850]]). Uma série de [[pintura]] da [[Irmandade Pré-Rafaelita]] reflete o interesse do [[século XIX]] na realidade histórica da vida de Jesus]]
A investigação histórica das fontes cristãs sobre Jesus de Nazaré exige a aplicação de métodos críticos que permitam discernir as tradições que remontam ao Jesus histórico daquelas que constituem adições posteriores, vindas das comunidades cristãs. Durante a segunda metade do [[século XIX]], a principal contribuição dos historiadores cristãos foi a crítica literária dos evangelhos. Os principais critérios par a interpretação de fontes cristãs são <ref name=Pinero>Piñero, Antonio. ''Guía para entender el Nuevo Testamento'', pp. 169-172.</ref>:
 
514

edições