Diferenças entre edições de "Espaguetificação"

126 bytes removidos ,  21h02min de 29 de abril de 2012
m
Retirada marca {{sem-fontes}}
(Página marcada como sem fontes (usando FastButtons))
m (Retirada marca {{sem-fontes}})
{{Sem-fontes|data=abril de 2012| angola=| arte=| Brasil=| ciência=| geografia=| música=| Portugal=| sociedade=|1=|2=|3=|4=|5=|6=}}
[[Image:Field tidal.png|thumb|260px|[[Força de maré|Forças de maré]] agindo sobre um corpo esférico em um campo gravitacional. Este efeito se origina a partir da fonte à direita (''ou'' à esquerda) do diagrama. Setas mais longas indicam forças mais fortes.]]
 
Em seu livro ''[[Uma Breve História do Tempo]]'' (1988), [[Stephen Hawking]] descreve o voo de um astronauta fictício que, ao passar pelo [[horizonte de eventos]] de um buraco negro, é "esticado como um epaguete" pelo gradiente gravitacional (diferença da força) da cabeça aos pés. No entanto, o termo espaguetificação fora estabelecido muito antes; [[Nigel Calder]], por exemplo, o utiliza em seu livro ''A Chave para o Universo'' (1977), uma compilação duma cordao documentário da [[BBC]] ''The Key to the Universe''.
 
== Um exemplo simples ==
[[Image:Spaghettification.gif|center]]
Os quatro objetos seguem as linhas de seus campos eletrogravitacionais,<ref>Thorne, Kip S. ♦ [http://einstein.stanford.edu/content/sci_papers/papers/nz-Thorne_101.pdf#page=3&view=FitV Gravitomagnetism, Jets in Quasars, and the Stanford Gyroscope Experiment] Do livro "Near Zero: New Frontiers of Physics" (eds. J.D.&nbsp;Fairbank, B.S. Deaver, Jr., C.W.F. Everitt, P.F. Michelson), W.H. Freeman and Company, Nova Iorque, 1988, pp. 3, 4 (575, 576) ♦ ''"A artir de nossa experiência eletromecânica podemos inferir imediatamente que qualquer corpo esférico rotatório (por exemplo, o Sol ou a Terra) é circundado por um campo eletrogravitacional (newtoniano) '''''g''''' e um campo dipolar gravitomagnético '''''H'''''. O momento do monopolo eletrogravitacional é a massa M do corpo; o momento do dipolo gravitomagnético é o momento angular de seu spin S."''</ref> rumo ao centro do corpo gravitacional. De acordo com a [[lei do quadrado invertido]], o mais baixo dos quatro objetos sofre a maior aceleração gravitacional, de modo que a formação como um todo se alinha em uma corda alongada. Agora imagine que as bolas verdes da animação são partes de um objeto maior. Um objeto mais rígido resistirá à distorção — forças elásticas internas se desenvolverão na medida em que o corpo se distorce para compensar as forças de maré, atingindo o equilíbrio mecânico. Se as forças de maré forem muito intensas, o corpo poderá se liquefazer ou fluir antes que as forças de maré sejam equilibradas, ou fraturar.
 
== Exemplo de forças de maré fortes e fracas ==
[[File:Spaghettification.jpg|220px|thumb|Impressão artística de um astronauta sendo "espaguetificado" pelas forças de maré de um buraco negro.]]
No campo gravitacional devido a uma massa pontual ou massa esférica, para uma corda uniforme orientada em direção o centro de gravidade, a [[Tensão (física)|força de tensão]] no centro é encontrada pela integração da força de maré desde o centro até uma das terminações. Isto resulta em <math> \frac{\mu l m}{4 r^3}</math>, onde <math>\mu</math> é o [[parâmetro gravitacional padrão]] do corpo maciço, ''l'' é o comprimento do filamento, ''m'' é sua massa, e ''r'' é a distância até o corpo maciço. Para objetos não-uniformes a força de tensão é menor se mais massa estiver próxima ao centro, e duas vezes maior se mais massa estiver nas terminações. Além disso há a força compressora horizontal rumo ao centro.
Enquanto no último caso objetos seriam de fato destruídos e pessoas mortas pelo calor, e não pelas forças de maré, próximo a um [[buraco negro]] (pressupondo que não há nenhuma matéria nas proximidades) os objetos seriam de fato destruídos e as pessoas mortas pelas forças de maré, tendo em vista que os buracos negros não emitem radiação. Além disso, o buraço negro não possui superfície para interromper a queda. Na medida em que um objeto é tragado por um buraco negro, as forças de maré aumentam ''ad infinitum'', e nada pode resistir a elas. Por isso, o objeto cainte é esticado até se tornar um fino filamento de matéria. Próximo à [[Singularidade gravitacional|singularidade]], as forças de maré desintegram até mesmo as moléculas.
 
== Dentro ou fora do horizonte de eventos ==
O ponto em que as forças de maré destroem um objeto ou matam uma pessoa depende do tamanho do buraco negro. Para um [[buraco negro supermaciço]], tal como aqueles encontrados no centro das galáxias, este ponto se situa dentro do [[horizonte de eventos]], dessa forma um astrônomo pode cruzar o horizonte de eventos sem experimentar quelquer empuxo ou esmagamento, mas apesar de isso ser apenas questão de tempo, uma vez dentro do horizonte de eventos é impossível escapar à dragagem pelo buraco negro. Para buracos negros pequenos, cujo [[raio de Schwarzschild ]] é muito mais próximo da singularidade, as forças de maré matariam muito antes de o astronauta atingir o horizonte de eventos.<ref>{{cite book
|title=General relativity: an introduction for physicists
</ref> Por exemplo, para um buraco negro de 10 massas solares<ref>O menor buraco negro que pode ser formado por processos naturais no atual estágio do universo possui mais que o dobro da massa do Sol.</ref> e a corda mencionada acima a uma distância de 1.000 km, a força de tensão no meio da corda seria de 325 N. Nessas condições a corda se rompiria a 320 km, bem no exterior do raio de Schwarzschild de 30 km. Para um buraco negro de 10.000 massas solares a corda se rompiria a 3200 km, bem no interior do raio de Schwarzschild de 30.000 km.
 
==Referênciass Referências ==
{{reflist}}
* {{cite book | author=Melia, Fulvio | title= The Black Hole at the Center of Our Galaxy | publisher=Princeton University Press | year=2003 | id=ISBN 0-691-09505-1}}