Djed: diferenças entre revisões

915 bytes adicionados ,  24 de maio de 2012
sem resumo de edição
m (+ref de Donald A. Mackenzie do site www.sacred-texts.com)
[[Imagem:GD-EG-Alex-MuséeNat067.JPG|thumb|250px|Pilares djed (a verdeverdes) no [[Museu do Louvre]]]]
{{mais-notas|data=Julho de 2011}}
O '''djed''' (também '''ded''', '''dad''' ou '''tet''') é um dos símbolos mais comuns e mais encontrados na [[mitologia egípcia]]. É um hieróglifo em forma de pilar que representa estabilidade. É associado a [[Osíris]], o deus egípcio do pós-morte, do submundo e dos mortos. O [[símbolo]] é comumente interpretado como sendo a representação de sua [[coluna vertebral]].
[[Imagem:GD-EG-Alex-MuséeNat067.JPG|thumb|250px|Pilares djed (a verde) no [[Museu do Louvre]]]]
'''Djed''' (também '''ded''', '''dad''' ou '''tet'''), é o nome de um [[símbolo]] da [[civilização]] do [[Antigo Egipto]] associado à resistência e a estabilidade.
 
==Mito==
Pode ser descrito como uma coluna com uma base larga que possuía na parte superior três ou quatro barras horizontais cruzadas. O significado exacto desta coluna é incerto. Tem sido proposto que seria uma [[árvore]] sem ramos, uma coluna obtida a partir de um feixe de canas ou um poste com cereal atado.
No [[mito de Osíris e Ísis]], Osíris foi morto por [[Set]] ao entrar num esquife feito para acomodá-lo. Set então lançou o esquife com o então falecido no rio [[Nilo]], que foi carregado pelo rio até a cidade de [[Biblos]] na [[Síria]]. Encalhou e, rapidamente, cresceram raízes de uma árvore sagrada ao seu redor, abrigando o esquife no seu tronco. O rei do território, intrigado pelo crescimento rápido da árvore, ordenou seu corte e transformou-a em um pilar do seu palácio, desconhecendo o fato dela abrigar o corpo de Osíris. Enquanto isso, [[Ísis]] procurava pelo corpo do deus com a ajuda de [[Anúbis]], e soube da sua localização na cidade de Bibos. Ísis submeteu-se ao rei e à rainha, e pôde fazer um pedido. Ela pediu o pilar do palácio, e, tendo seu pedido atendido, retirou o esquife do pilar. A deusa, então, consagrou o pilar, ungindo-o com [[mirra]] e embalando-o num tecido de [[linho]]. Este pilar ficou conhecido como o pilar de djed.<ref>{{cite book|last=Mackenzie|first=Donald Alexander|title=Egyptian Myth and Legend: With Historical Narrative, Notes on Race Problems, Comparative Beliefs, etc.|year=2007|publisher=Forgotten Books|isbn=1-60506-002-X|pages=43|url=http://books.google.co.in/books?id=7RB23VraDIoC&pg=PA46}}</ref>
 
==Uso como amuleto==
De acordo com uma passagem do [[Livro dos Mortos]] {{carece de fontes}} o djed era a [[coluna vertebral]] do deus [[Osíris]],<ref>[[Donald Alexander Mackenzie|Donald A. Mackenzie]], ''Myths of Crete and Pre-Hellenic Europe'' (1917), Chapter XIII, ''Cave Deities and Their Amulets'' [http://www.sacred-texts.com/cla/moc/moc18.htm <small><nowiki>[em linha]</nowiki></small>]</ref> divindade associada ao mundo dos mortos. Em virtude desta ligação a Osíris o djed poderia também ser representado com cabeça e braços, segurando nas mãos ceptros.
O pilar de djed foi também utilizado como [[amuleto]] para os vivos e mortos. Foi colocado como amuleto próximo às colunas vertebrais dos corpos mumificados, o que asseguraria a ressureição do falecido, permitindo-o viver eternamente.<ref>{{cite book|last=Nelson|first=Felicitas H.|title=Talismans & amulets|year=2008|publisher=Sterling|location=New York|isbn=978-1-4027-4625-3|pages=25|url=http://books.google.co.in/books?id=So7ph2SS8aYC&pg=PA25}}</ref> O Livro Egípcio dos Mortos lista um encantamento que, quando pronunciado sobre um amuleto de ouro posto no pescoço do morto, garante que a múmia recuperaria o uso da sua coluna e seria capaz de sentar-se. O símbolo também era pintado em caixões.<ref>{{cite book|last=Pinch|first=Geraldine|title=Handbook of Egyptian mythology.|year=2002|publisher=ABC-CLIO|location=Santa Barbara, Calif.|isbn=978-1-57607-242-4|pages=127|url=http://books.google.co.in/books?id=N-mTqRTrimgC&pg=PA128}}</ref>
 
Era por vezes pintado no interior dos sarcófagos, no local onde deveria repousar a coluna vertebral. Era também usado pelos egípcios como um [[amuleto]] (feito na maior parte dos casos em [[faiança]]), que se considerava importante no processo de transformação na forma espiritual que se teria no Além.
 
Anualmente celebra-se no Egipto o ritual de erguer o pilar de djed, atestado desde as épocas mais remotas. De início o ritual estava relacionado com a ressureição do deus [[Sokar]], mas mais tarde passaria a aludir à vitória de Osíris sobre a morte. Os sacerdotes erguiam o pilar djed no primeiro dia do ''chemu'', a estação das colheitas.
 
{{referências}}
801

edições