Diferenças entre edições de "Tradição judaico-cristã"

3 bytes adicionados ,  04h19min de 25 de maio de 2012
 
== Críticas ==
Dois livros notáveis abordaram as relações entre o judaísmo e o cristianismo contemporâneo, “''Where Judaism Differs''” de Abba Hillel Silver e “''Judaism and Christianity''” de Leo Baeck, ambos motivados pelo desejo de esclarecer as relações inter-religiosas "em um mundo onde o termo judaico-cristão tinha obscurecido diferenças essenciais entre as duas religiões." <ref>Sarna, Jonathan. American Judaism, A History. Yale University Press, 2004. p281</ref> Reagindo contra a ofuscação das diferenças teológicas, o rabino Eliezer Berkovits escreveu que "o judaísmo é judaísmo porque rejeita o cristianismo, e o cristianismo é cristianismo porque rejeita o judaísmo".<ref>Disputation and Dialogue: Readings in the Jewish Christian Encounter, Ed. F.E. Talmage, Ktav, 1975, p. 291.</ref> O teólogo e romancista Arthur A. Cohen, em “The Myth of the Judeo–Christian Tradition”, questionou a validade teológica doda herança judaico-cristãocristã, e sugeriu que era essencialmente uma invenção das relações ecumênicas e políticas, Enquantoenquanto Jacob Neusner, em “''Jews and Christians: The Myth of a Common Tradition''” escreve que “as duas fés são direcionadas para pessoas diferentes falando sobre coisas diferentes (...)".<ref>Jacob Neusner (1990), ''Jews and Christians: The Myth of a Common Tradition''. New York and London: Trinity Press International and SCM Press. p. 28</ref>
 
O professor de direito Stephen M. Feldman questiona a validade da tradição judaico-cristã:
 
<blockquote> "Uma vez que se reconhece que o Cristianismo tem historicamente enraizado o anti-semitismo (...). Para os cristãos, o conceito de uma tradição judaico-cristã confortavelmente sugere que o judaísmo progride no cristianismo - que o judaísmo é algo concluído no cristianismo. O conceito de fluxos de tradição judaico-cristã a partir da teologia cristã ensina, que a Aliança Cristã (ou Testamento) com Deus substitui a Aliança judaica. O cristianismo, de acordo com este mito, reforma e substitui o judaísmo. O mito, portanto, implica, em primeiro lugar, que o judaísmo necessita de reforma e substituição, e, segundo, que o judaísmo moderno permanece apenas como uma "relíquia". O mais importante é que o mito da tradição judaico-cristã insidiosamente obscurece as diferenças reais e significativas entre o judaísmo e o cristianismo ".<ref>Stephen M. Feldman (1998), ''Please Don't Wish Me a Merry Christmas: A Critical History of the Separation of Church and State''</ref></blockquote>
 
== Judaico-cristão-muçulmano ==
550

edições