Diferenças entre edições de "Bernal Díaz del Castillo"

221 bytes adicionados ,  18h53min de 11 de junho de 2012
sem resumo de edição
Etiqueta: Espaçamento excessivo
==O Autor==
'''BIOGRAFIA'''
 
'''Bernal Díaz del Castillo''' nasceu em [[Medina del Campo,]] - [[Espanha]], aproximadamente em outubro de [[1495]] e março de [[1496]]. Filho de [[Francisco Díaz del Castillo]] e [[María Díaz Réjon]]. Sua família serviu a coroa espanhola e os reis católicos – [[Fernando e Isabel]]. Pertencia a uma família influente, sendo seu pai vereador da vila e parente de [[Gutierre Velazquez]], juiz do [[Conselho das Índias]]. Teve grande importância na Conquista do México, participando como soldado e relator dos acontecimentos das expedições. Esses relatos deram origem à sua obra conhecida como: “História Verdadeira da Conquista da Nova Espanha”.
Participou de expedições exploratórias da conquista da “Nova Espanha”, como por exemplo a conquista da capital Asteca juntamente com Pedro de Alvorada e Hernán Cortés no período entre 1514-1520.
Através de documentos da época, sabe-se que Bernal Díaz em 1539 retorna à Espanha com cédulas reais atestando sua posse de terras na região da Guatemala. Porém, ao chegar na Guatemala e se dar conta que os índios são escassos e de pouco valor, retorna para Castilla em busca de maiores bens.
Em 1549 se estabelece definitivamente na Guatemala. Conquista grande prestígio na sociedade, se dedica à agricultura e à prefeitura da Guatemala como vereador e casa-se com Teresa Becerra, tendo dois filhos legítimos. É durante esse período de glória literária e militar que escreve suas crônicas.
Falece no dia 03 de Fevereiro de 1584, deixando filhos legítimos e ilegítimos – sem precisão de quantidade – e sem ver sua obra publicada.
 
Teve grande importância na [[Conquista do México]], participando como soldado e relator dos acontecimentos das expedições. Esses relatos deram origem à sua obra conhecida como: [[“História Verdadeira da Conquista da Nova Espanha”]].
'''OBRA'''
 
Participou de expedições exploratórias da conquista da “Nova Espanha”, como por exemplo a conquista da [[capital Asteca ]] juntamente com [[Pedro de Alvorada]] e [[Hernán Cortés]] no período entre [[1514]]-[[1520]].
 
Através de documentos da época, sabe-se que Bernal Díaz em [[1539]] retorna à Espanha com cédulas reais atestando sua posse de terras na região da Guatemala. Porém, ao chegar na Guatemala e se dar conta que os índios são escassos e de pouco valor, retorna para Castilla em busca de maiores bens.
 
Em 1549 se estabelece definitivamente na Guatemala. Conquista grande prestígio na sociedade, se dedica à agricultura e à prefeitura da Guatemala como vereador e casa-se com [[Teresa Becerra]], tendo dois filhos legítimos. É durante esse período de glória literária e militar que escreve suas crônicas.
 
Falece no dia 03 de Fevereiro de [[1584]], deixando filhos legítimos e ilegítimos – sem precisão de quantidade – e sem ver sua obra publicada.
 
==A Obra==
 
“Historia Verdadera de la conquista da Nueva España”, escrita no [[século XVI]], entre os anos de [[1550]] é [[1568]] descreve a história de Bernal Díaz del Castillo de [[1514]] – sua saída de Castilla[[Castill]]a – até se tornar vereador mais antigo da cidade de [[Coatzacoalcos]], na [[Guatemala]]. Essa obra foi financiada pela coroa espanhola no ano de 1575, publicada inicialmente na Espanha e na Guatemala.
 
“Historia Verdadera de la conquista da Nueva España”, escrita no século XVI, entre os anos de 1550 é 1568 descreve a história de Bernal Díaz del Castillo de 1514 – sua saída de Castilla – até se tornar vereador mais antigo da cidade de Coatzacoalcos, na Guatemala. Essa obra foi financiada pela coroa espanhola no ano de 1575, publicada inicialmente na Espanha e na Guatemala.
Essa obra é composta pela junção de três manuscritos de Bernal Díaz del Castillo, sendo esses anotações de viagem encaminhadas à coroa espanhola com o objetivo de retratar essas expedições.
 
Para a conclusão da obra, Bernal apoia-se em seus manuscritos, dialoga com testemunhos orais de companheiros de viagem e de obras de outros cronistas como Gómora, cartas de Hernán Cortés e documentos pertencentes à coroa relativos ao mesmo período.
 
Seus manuscritos são três no total: o primeiro denominado ''Remón'', enviado a Madri, o segundo ''Guatemala'' , conhecido também como ''Original'' ou ''Rascunho'', que pouco se diferenciava do primeiro, e o último o manuscrito ''Alegría''.
Segundo seus relatos, foi participante de expedições exploratórias, como as de 1514 para Caraíbas, uma ilha localizada em Cuba, 1517 para as costas de Iucatã e no final do ano seguinte (1518) retorna à mesma para melhor explorar as terras recém-descobertas.
 
Entretanto, sua principal expedição foi a realizada conjuntamente com Hernan Cortés à capital Asteca. É nela em que há maior número de relatos sobre os movimentos iniciais de Hernán Cortés, bem como a preparação para a invasão e o ataque de Tenonchtitlan no dia 30 junho de 1520, conhecida como “Noche Triste”, ocasionando muitos mortos, dentre eles Montezuma II.
Segundo seus relatos, foi participante de [[expedições exploratórias]], como as de [[1514]] para [[Caraíbas]], uma ilha localizada em [[Cuba]], [[1517]] para as costas de [[Iucatã]] e no final do ano seguinte (1518) retorna à mesma para melhor explorar as terras recém-descobertas.
Bernal Díaz não se prende à ordem cronológica dos acontecimentos e datas – para isso podem ser consultados os escritos de Hernán Cortés – mas sim em captar o ambiente humano, utilizando de testemunhos orais de seus companheiros de viagem e da experiência pessoal. Descreve com precisão o apoderamento de índios que serviram como intérpretes para os espanhóis, seus costumes, sua relação com os conquistadores, a nova terra, as atitudes de mesquinhez dos espanhóis pela busca do ouro e a influência da religião no processo colonizador.
 
Diferentemente de outros cronistas da época – como Las Casas – Bernal descreve que a finalidade dos expedicionários não era os escravos, sendo obrigados pelos chefes das missões colonizadoras a escravizá-los. Outro ponto em que se difere é a questão do financiamento das expedições. Na descrição do cronista, dá-se a impressão de que essas expedições eram realizadas pelos próprios expedicionários, ocultando qualquer financiamento de sócios capitalistas.
Entretanto, sua principal expedição foi a realizada conjuntamente com [[Hernan Cortés]] à capital [[Asteca]]. É nela em que há maior número de relatos sobre os movimentos iniciais de Hernán Cortés, bem como a preparação para a invasão e o ataque de [[Tenonchtitlan]] no dia 30 junho de 1520, conhecida como [[“Noche Triste”]], ocasionando muitos mortos, dentre eles Montezuma[[Monteczuma II]].
 
Bernal Díaz não se prende à ordem cronológica dos acontecimentos e datas – para isso podem ser consultados os escritos de [[Hernán Cortés]] – mas sim em captar o ambiente humano, utilizando de testemunhos orais de seus companheiros de viagem e da experiência pessoal. Descreve com precisão o apoderamento de índios que serviram como intérpretes para os espanhóis, seus costumes, sua relação com os conquistadores, a nova terra, as atitudes de mesquinhez dos espanhóis pela busca do ouro e a influência da religião no processo colonizador.
 
Diferentemente de outros cronistas da época – como [[Las Casas]] – Bernal descreve que a finalidade dos [[expedicionários]] não era os escravos, sendo obrigados pelos chefes das missões colonizadoras a escravizá-los. Outro ponto em que se difere é a questão do financiamento das expedições. Na descrição do cronista, dá-se a impressão de que essas expedições eram realizadas pelos próprios expedicionários, ocultando qualquer financiamento de sócios capitalistas.
 
Sua narração é ampla, sendo mestre na descrição e na captação de diálogos dos viajantes. Porém, não sendo um especialista das letras, a gramática, a concordância e a grafia em seu texto não estão sempre corretos e a maneira como escreve é irregular, dificultando, muitas vezes, sua leitura e interpretação.
 
 
'''REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS'''
 
______DÍAZ Del Castillo, Bernal. ''Historia Verdadera de la conquista de la Nueva Espana''. Madrid: Espasa- Calpe, 1997. 10ª Edição.
 
 
______MARÍA, Carmelo Saenz de Santa. ''Historia de una Historia''. Madri: Consejo Superior de Investigaciones Científicas. Instituto Gonzalo Fernández de Oviedo, 1984. Edição única.
 
______MARÍA, Carmelo Saenz de Santa. Historia de una Historia. Madri: Consejo Superior de Investigaciones Científicas. Instituto Gonzalo Fernández de Oviedo, 1984. Edição única.
 
______TODOROV, Tzvetan. ''A conquista da América: a questão do outro''. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2003. 3ª edição.
6

edições