Abrir menu principal

Alterações

Sem alteração do tamanho, 17h37min de 25 de junho de 2012
Desfeita a edição 30900792 de Liliramires: esse link já existe no fim do artigo (confira na barra lateral), e não serviria como "fonte fiável" (se esse era o objetivo)
{{revisão}}
{{sem-fontes}}
A noção de cardinalidade, como é compreendida hoje em dia, foi formulada por [[Georg Cantor]], o criador da [[teoria dos conjuntos]], em 1874-1884. Cantor foi o primeiro a estabelecer a cardinalidade como um instrumento para comparar conjuntos finitos; por exemplo, os conjuntos {1,2,3} e {2,3,4} não são iguais, mas têm a mesma cardinalidade: três."[[:en:Cardinal number]]"
 
Cantor identificou o fato que a [[Função bijectiva|correspondência um-para-um]] é a maneira de dizer que dois conjuntos têm o mesmo tamanho, chamado "cardinalidade", no caso de conjuntos finitos. Usando esta correspondência de um-para-um, ele aplicou o conceito de conjuntos infinitos, por exemplo, o conjunto de números naturais <math>\mathbb{N}</math> = {0, 1, 2, 3, ...}. Ele chamou esses números cardinais de [[Número transfinito|números cardinais transfinitos]], e definiu que todos os conjuntos que tenham uma correspondência com <math>\mathbb{N}</math> são [[Conjunto contável|conjuntos enumeráveis]] (contável infinito).